sábado, 29 de novembro de 2014

PARA DEUS NÃO SUMIMOS NA MULTIDÃO!!!!

1, 2, 3... Muitos!

Continuamente somos registrados, contados e classificados. Censo, número de consumidores, estatística de usuários, levantamento de dados... As contagens mostram que somos muitos, que o mundo está cada vez mais cheio de gente e que as pessoas podem ser classificadas de muitas maneiras diferentes.
Mas isso é tudo o que o homem consegue: tentar colocar ordem no caos, atribuir sentido a um todo que parece não fazer sentido algum.
Você conhece a velha pergunta: “Por que nasci?” Sim, por quê? Faz sentido nascer, viver e morrer?
Não devemos nos admirar se tudo fica sem sentido quando nos desligamos de Deus. Ele tem um plano para nossa vida. Não podemos esperar encontrar sentido na vida se vivemos contrariando Seus projetos. Mas continuamos tentando. Somos teimosos. E o resultado é um mundo que parece um formigueiro, cheio de pessoas andando em todas as direções, menos na única direção certa, que é aquela que Deus quer. Uma, duas, três... muitas. Não é possível contar todas as pessoas que vivem sem sentido na vida. Você é uma delas?


A boa notícia é que o sentido da vida pode ser encontrado, que há razão para viver. Foi para isso que Jesus morreu e ressuscitou. Crendo nEle podemos chamar a Deus de Pai e nos tornar infinitamente valiosos para Ele. Nossa vida adquire sentido. Para Deus não sumimos na multidão. Ele não apenas nos conta e nos registra. Ele pensa em nós. Em cada um de nós. Não somos minúsculos grãos de areia perdidos no espaço. Somos amados por Deus. Aproveite essa chance! Não se esconda. Busque a Deus!

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

"A HOMOSSEXUALIDADE É CONTRA A NATUREZA":A ÚLTIMA GRANDE MENSAGEM DE MYLES MUNROE SOBRE A AGENDA GAY

Dois meses antes de ser morto num acidente de avião em 9 de novembro, o pregador motivacional Myles Munroe escreveu um comunicado à imprensa contra uma parada gay em sua pátria, as Bahamas — uma mensagem tão poderosa que a mídia secular inglesa a mencionou em suas reportagens sobre a morte dele. Em artigo intitulado “Myles Munroe: Preacher who outraged many with his views on women and gays” (Myles Munroe: O pregador que revoltou muitos com suas opiniões sobre as mulheres e os gays), o jornal britânico The Independente disse:

Em setembro Munroe de novo provocou polêmica em sua pátria, depois de uma parada gay. Numa declaração intitulada “Homossexualidade — Fobia ou Princípio,” pessoas, ele disse, “sequestraram” e “estupraram” o movimento de direitos civis com sua luta por direitos LGBT.
Alguns indivíduos homossexualistas chamaram a posição dele sobre a homossexualidade de “hipócrita” à luz da então recente visita de Monroe ao polígamo Jacob Zuma, presidente da África do Sul.
Não sei se Munroe criticava a ideologia marxista de Zuma ou o estilo de vida depravado dele ou a ideologia pró-sodomia e pró-aborto dele.
Myles Munroe
Muito embora proeminentes jornais ingleses o tivessem atacado por causa de “Homossexualidade — Fobia ou Princípio,” esse artigo excelente parece ter desaparecido completamente do site dele.
Eu não sei o que poderia ter levado ao desaparecimento desse artigo ou se aconteceu antes ou depois da morte de Munroe. A pressão esquerdista foi demais sobre ele e seu ministério?
Lembro que em 2008 Munroe louvou a vitória de Obama. Enquanto ele estava olhando apenas a cor da pele de Obama como motivo de orgulho, eu vi a cor do caráter de Obama — pró-aborto, pró-sodomia, pró-islamismo e marxista. É claro que a última mensagem de Munroe foi um duro golpe na ideologia do governo de Obama.
Será que essa mensagem pode ter sofrido um fim em todos os canais oficiais de Munroe porque as elites políticas poderosas que gostavam dele odiaram sua última e mais poderosa mensagem para este mundo?
Munroe sabia que se você quer mudar algo, você precisa confrontá-lo. Ele disse: “Você jamais conseguirá mudar aquilo que você não confronta nem transformar aquilo que você evita.” Portanto, as mudanças contra a agenda gay só virão quando a confrontarmos. Nenhuma transformação virá se evitarmos essa agenda maligna.
E ele de fato confrontou! Quando o Papa Francisco e seu Concílio estavam irresolutos sobre questões homossexuais, ele disse: “O papa e seu concílio parecem estar adotando uma postura flexível sobre gays e homossexualidade. Talvez esse seja o teste de sua infalibilidade bíblica.”
Só acho que ele deveria ter sido igualmente enérgico acerca de Obama e seu “cristianismo” fajuto e progressista que abraça o aborto, a homossexualidade, o islamismo e o socialismo.
Seja como for, ele compreendia que a agenda gay que vem atacando a família ameaça a própria sobrevivência dos seres humanos. Ele disse: “O propósito da família é garantir a sociedade. A santidade da família é o alicerce principal da sobrevivência humana.”
“Homossexualidade — Fobia ou Princípio” fala sobre a agenda gay nas paradas gays e sua ameaça à família humana. Munroe não a evitou. Ele a confrontou.
Por que Deus queria tal última mensagem de Myles Munroe, que foi um dos mais proeminentes defensores da teologia da prosperidade?
Não sei. Só sei que é um dos melhores artigos que já li sobre a agenda homossexual e as paradas gays. Leia o incrível texto de Myles Munroe:

Comunicado à imprensa: “Homossexualidade — Fobia ou Princípio”

Dr. Myles Munroe
31 de agosto de 2014
Com o pretexto de “Direitos Civis” e “Direitos Humanos” a minoria LGBT decidiu “celebrar” publicamente a civilidade do estilo de vida e preferência sexual que eles escolheram de forma bastante exclusiva. Não tenho certeza qual é a missão ou metas deles nessa campanha, mas obviamente eles têm recebido incentivo e motivação suficiente para tentar algo que 90% das Bahamas e seu povo consideram inaceitáveis e viola suas convicções, posturas morais e valores comuns.
Talvez seja útil primeiro fazer uma pergunta simples, mas profunda: “É civilizado, certo, racional, lógico e saudável promover uma causa, estilo de vida ou prática de uma conduta que pode no final causar a extinção da raça humana? É insanidade exigir a “celebração” de sua própria extinção.
Não tenho certeza acerca do papel que o governo, líderes governamentais, ministérios do turismo ou outros partidos desempenharam ou o incentivo, se é que houve, que eles podem ter fornecido para essa manifestação social provocadora, mas acredito que isso deve ser tratado a partir da perspectiva não de alguma posição religiosa, mas em vez disso a partir da preocupação por nossa estrutura social muito frágil que é mantida unida por valores e padrões morais que fornecem o sistema para uma sociedade saudável nas Bahamas.
Há também uma preocupação com relação à assistência, apoio e promoção dessas campanhas por parte de organizações internacionais e indivíduos, inclusive agências de viagem e organizações de promoção do turismo. Os cidadãos das Bahamas têm um direito legítimo de serem e expressarem suas preocupações nesses assuntos.
Penso que é perigoso, impróprio, imaturo e insincero acusar de ter fobia — ou medo — alguém que tem preocupações profundas com tentativas de se impor, forçar ou estabelecer um conjunto de valores, padrões, tendências morais ou estilo de vida que podem drasticamente mudar e de forma muito real desestabilizar o alicerce de uma sociedade.

A bênção da fobia

Um dos maiores mecanismos naturais da capacidade humana para sobrevivência e segurança é o elemento do medo. Sem a capacidade de ter “medo” ou “pânico” a espécie humana não consegue se proteger contra ameaças. A beleza do medo é que é uma qualidade humana inerente que protege contra o perigo e extinção. A fobia é inerentemente boa.

Homofobia: conceito errado e enganação

Não existe maior dano para a dignidade humana do que a enganação. Em toda a história o poder da enganação arruinou milhões de vidas, iniciou guerras mundiais e até mudou o clima das nações. Em nosso mundo pós-moderno há uma enganação colossal invadindo a própria estrutura moral das nações e desmantelando a própria essência da existência natural da humanidade. Na verdade, essa enganação está ameaçando a extinção da humanidade. O que é estupendo é que essa enganação não é nova, mas surgiu no contexto da existência humana no planeta há muito tempo, cinco mil anos atrás. No entanto, apesar da realidade de sua existência, historicamente sempre manteve seu lugar às margens da grande sociedade.
Qual é essa enganação? É a atração e relações anormais entre espécies humanas do mesmo sexo ou gênero tentando normalizar o anormal sob o pretexto de ser normal. Ainda que essa conduta anormal se disfarce de muitos rótulos, geralmente é descrita como homossexualidade. A própria palavra incorpora sua premissa básica e essa premissa é: é principalmente um impulso sexual. Os que decidiram adotar, praticar, incentivar, se entregar e sucumbir às paixões desse sexo e desejam honrar, promover e civilizar esse “estilo de vida” se tornaram, na geração passada, mais agressivos, ao ponto de usarem violência em alguns casos. Essa estratégia parece ser provocar medo, agressões psicológicas e passar uma imagem de autocompaixão e abuso. Termos como fanático, crime de ódio, mente fechada, conservador, anti-humano, anti-direitos civis, bullying, e o mais comum, fobia, são usados para isolar a maioria dos seres humanos, retratando-os como gente que não ama, insensíveis, impiedosos, odiadores de seres humanos, sem compaixão e incivilizados.
Minha opinião é que essa acusação de “homo-fobia” é a maior enganação de todas. Sua intenção é fazer com que os que são considerados “normais” sintam culpa por serem normais. Essa enganação é injusta, desonesta e perigosa. Seu efeito é fazer com que a maioria dos seres humanos se sinta culpada por não aceitar, glorificar e honrar essa conduta humana “anormal.”
Tenho certeza de que perguntarão: “O que é ‘anormal’ e quem define o que é ‘natural’?” É essencial compreender que o que é natural não pode e não precisa ser definido. O natural é simplesmente o estado normal da criação que se manifesta por sua essência natural. Em outras palavras, a natureza se define. O que a natureza define é também o que é considerado “normal.” O normal é aquilo que é o resultado do curso natural da vida como obras da natureza ou criação em se sustentar. Portanto, a fonte do “natural” ou “normal” é a própria criação e qualquer opinião emitida por um gênio humano não pode mudar o que é natural.
Talvez seja também importante observar que a palavra raiz da qual derivamos nossa palavra moderna “Lei” é a palavra “norma.” A conclusão óbvia é que toda a natureza é a fonte da lei natural e portanto define qual é a referência para a criação de qualquer lei humana que tente interferir com a própria natureza. É também importante notar que qualquer lei feita pelos homens é ignorada pela natureza.
A sexualidade humana é um produto da criação natural e se expressa como normal, não precisando pois de definição. Qualquer desvio do natural é geralmente considerado como “anormal” ou “contrário à natureza.” Na natureza sempre haverá exceções e essas devem ser reconhecidas como tais. Mas mesmo as exceções precisam ser definidas de forma adequada, pois até na natureza há uma reação natural inerente para proteger sua sobrevivência minimizando o impacto da exceção. Todas as exceções na natureza são naturais e não por escolha.
À luz dessa realidade natural, por que a homossexualidade deveria ser considerada “contrária à natureza” e talvez “anormal”? Talvez a resposta esteja na própria descrição da homossexualidade como “um estilo de vida.” Ser heterossexual não é um estilo de vida, mas um derivado natural da natureza e não por escolha. Estilos de vida são “escolhidos” ou um resultado de “circunstâncias,” mas nunca um produto da natureza. Podemos escolher estilos de vida, mas nunca nossa natureza.
A definição natural de “contrário à natureza” é aquilo que não é um produto da própria natureza, e aquilo que não pode de forma natural se reproduzir na criação. Talvez esse seja o maior desafio da grande enganação da homossexualidade, o fato natural de que os membros do mesmo sexo podem se unir, viver juntos, expressar intimidade e até ter profundo envolvimento emocional um com o outro, mas a realidade é que eles nunca conseguirão, de modo natural, se reproduzir conforme sua espécie. É esse fato, verdade e realidade que torna esse estilo de vida “contrário à natureza.”
É essa verdade simples que transforma em desonestos e enganadores os que desejam perpetrar esse “estilo de vida” anormal de “orientação.” Não sou contra nem tentarei impedir nenhum ser humano que está decidindo praticar um “estilo de vida” específico ou tem inclinação de seguir certa conduta “anormal,” mas minha preocupação e argumentação é a tentativa deles de impor essa decisão nos que pela natureza são considerados normais.

A mentira da homofobia

É divertido que quando a maioria dos seres humanos responde e expressa sua discordância ou sua profunda preocupação sincera com a tentativa dos que adotam e praticam esse estilo de vida de impor esse estilo de vida humano “contrário à natureza” na sociedade, a resposta deles é interpretada como fobia ou medo.
Se essa acusação fosse feita por indivíduos ignorantes e desinformados talvez fosse motivo para dar risada, mas quando indivíduos inteligentes fazem essa alegação de fobia para uma pessoa inteligente responsável, temos de aceitar a ofensa em nível pessoal. Talvez o medo real seja o que eu chamaria de “verdadefobia” ou “realidadefobia.” Será que os que desejam ser considerados normais, aceitáveis, naturais e civilizados temem a verdade óbvia de que o que eles estão afirmando, reivindicando, promovendo e defendendo com lutas é por natureza anormal e contrário à natureza?
Entretanto, concordo com a acusação deles a partir de uma perspectiva. Sim, tenho medo de todo estilo de vida, orientação, preferência ou conduta que ameace a própria sobrevivência da raça humana. Será que os homossexuais não guardam no coração uma heterofobia que não ousam confessar? Os heterossexuais jamais tentam se impor na sociedade nem precisam brigar para serem reconhecidos.

O sequestro dos movimentos de direitos civis

O estilo de vida da homossexualidade e todos os outros nomes e rótulos que vieram a descrevê-lo, é tão antigo quanto o personagem bíblico Abraão, e era praticado por membros de comunidades de sua época mais de quatro mil anos atrás. Muitos na minoria homossexual que estão ainda envolvidos nesse estilo de vida parecem agir como se fosse uma causa nova pela qual eles nasceram para lutar. No começo da década de 1960 alguns indivíduos famosos da sociedade começaram a sair do que chamavam “armário” para se exporem para a comunidade maior como se para testar as águas. A reação da maioria da população naquele tempo foi de resistência e incômodo que ainda existem hoje apesar de afirmações ao contrário.
Essa resistência tem sido tão forte que aqueles que estão envolvidos no estilo de vida LGBT mudaram sua estratégia para serem aceitos pela sociedade. Antes, eles reivindicavam seus direitos sociais se expondo e impondo. Agora, eles recorrem à estratégia de fazer da questão homossexual uma questão de direitos civis. É interessante notar que depois de mais de 4000 anos da existência registrada desse estilo de vida e conduta contrária à natureza a resistência social ainda existe e tenho certeza de que continuará, não importa como a tão chamada sociedade tente disfarçá-la com trajes socialmente aceitáveis. A natureza nunca discordará de si mesma e nenhum direito comum ou lei legislativa conseguirá mudar a lei natural.
Com grande desapontamento tenho estado na varanda da história e observado com horror e choque o sequestro e estupro que vem sofrendo o que vimos a conhecer como os movimentos de direitos civis. O que tornou tudo isso mais angustiante foi ver muitos indivíduos que estavam ativamente envolvidos nesses movimentos históricos de resistência abandonando o sacrifício de muitos que morreram pelas causas nobres da dignidade humana pela maioria que estava sendo abusada, para usar o sangue deles para cobrir as exigências de minorias da sociedade para justificar e civilizar suas preferências egoístas contra a natureza.
Já provei o impacto negativo da opressão civil de um governo que desvalorizava a minha humanidade, mas isso acontecia não por causa de um estilo de vida que eu havia escolhido, ou uma conduta que era por orientação, ou uma disposição preferida, mas em vez disso uma realidade que era “natural.” Eu era vítima por pigmentação inerente… Eu nasci negro e não tive escolha no assunto. Nas Bahamas eu e minha família junto com a maioria da população das Bahamas sofríamos discriminação, éramos desvalorizados como seres humanos, éramos privados de direitos e oprimidos por um governo dominado por uma minoria.
Tenho com toda a minha lógica buscado compreender, mas ainda não consigo igualar a filosofia, ideologia ou propósito dos movimentos de direitos civis com a agenda do movimento homossexual. Acho que a tentativa de igualar os movimentos históricos de direitos civis com as reivindicações de direito para honrar, glorificar e aceitar como normal a prática de um estilo de vida que pode extinguir a raça humana é ilógica, desonesta e um abuso do sangue e sofrimento de prisão de muitos. É um sequestro dos ganhos pagos com o sangue de homens e mulheres de honra por uma conduta que não só é contra a natureza, mas também destrói a raça humana.

A opressão da maioria

O princípio fundamental dos movimentos de direitos civis era a liberdade e restauração da dignidade e valor da maioria de seres humanos oprimidos. A realidade é que historicamente era geralmente a imposição dos valores, preconceitos e ideologia desumana da minoria sobre a maioria que era o contexto e fonte da opressão e desvalorização dos seres humanos. Dá para considerar o contexto do atual movimento LGBT na mesma perspectiva, onde uma percentagem pequena e um segmento minoritário da população estão tentando impor sua ideologia, valores, moralidade e preferências sexuais pessoais contra a natureza sobre as convicções, padrões e valores morais e culturais comuns da maioria.
Talvez dava para se considerar isso como o novo governo de opressão do século XXI. Essa ideia parece ser ainda mais reforçada pela influência intrometida e exigências de globalização, a ONU e outros órgãos e agências mundiais que agora condicionaram sua oferta de assistência econômica nacional à conformidade social e cultural nacional que adota concessões com base em valores e moralidade.

A agenda dos meios de comunicação

O parceiro mais poderoso e perigoso da enganação é a percepção. O mundo dos meios de comunicação é realmente sobre o negócio e gerenciamento da percepção. Não dá para calcular o poder dos meios de comunicação. Não devemos também calcular mal nem minimizar o impacto desse poder para criar percepção. É por isso que em toda a história toda vez que havia a necessidade de controlar o ambiente mental ou criar uma realidade percebida, os meios de comunicação sempre foram usados como ferramenta crucial para exportar, importar e disseminar a enganação. Portanto, é importante que em nossa democracia moderna a exigência de verdade, transparência e objetividade nos meios de comunicação deva ser a principal preocupação de todos os cidadãos responsáveis.
Precisamos sempre estar vigilantes, como cidadãos que pensam de forma civilizada, para tomar cuidado com a agenda e preconceito coletivo dos meios de comunicação. Conforme já observei, em tempos recentes os meios de comunicação impressos e eletrônicos, tanto nacionais quanto internacionais, parecem preocupados com casos que promovam ou glorifiquem esse estilo de vida, favorecendo-o de forma proeminente e destacando-o múltiplas vezes. Parece haver não só desequilíbrio de opiniões e perspectivas, mas destaque especial. Tenho a esperança que todos os meios de comunicação vão querer fazer um esforço para publicar também as opiniões da maioria.

Chantagem intelectual e econômica

Parece também haver um aumento no uso de chantagem econômica e política na área de manipulações feitas por forças da minoria LGBT, que também inclui uma campanha difamatória intencional, tratando a maioria como fanáticos, odiadores dos seres humanos, intolerantes e intimidadores. Isso é uma deturpação desonesta e grave dos fatos. Há também o abuso de afirmações infundadas feitas pela minoria com relação a mudanças de tendências e atitudes para fomentar suas próprias posições. Isso é inacreditável. Aliás, parecer haver uma praga colossal de desonestidade intelectual, social, fisiológica e lógica. Não existe nenhuma confirmação científica conclusiva que confirme que a minoria que pratica esse estilo de vida, que sua condição é um assunto de biologia ou genética em vez de uma conduta que se aprende por hábito e que se torna um estilo de vida que eles preferem.
Vamos reiterar mais uma vez que a maioria da população na maioria dos países em toda a história e em nossa sociedade contemporânea são ignorantes com relação à existência de conduta anormal ou preferências anormais do estilo de vida homossexual. Esse estilo de vida e conduta é realmente uma velha estória com um truque ardiloso novo. O que a maioria não aprecia é a desonestidade e enganação que são usadas por aqueles que desejam impor sua vontade neles. Todo ser humano tem o direito de escolher seu estilo de vida contra a natureza, mas não deve exigir que o aceitemos como natural. Eles são livres para preferir qualquer orientação sexual anormal que desejarem, mas não devem nem podem exigir que nós, a maioria, a honremos promovendo-a ou glorificando-a como normal. Tudo o que a maioria quer é honestidade e a liberdade de expressar nossas preocupações, opiniões e posturas sem sermos rotulados de ignorantes, intolerantes, caipiras ou homofóbicos.
Traduzido por Julio Severo do comunicado público à imprensa de Myles Munroe: “Homosexuality – Phobia or Principle”

domingo, 26 de outubro de 2014

DE OLHO NO QUE ESTÁ SE ENSINANDO NAS ESCOLAS PÚBLICAS

Livro apresenta famílias gay e lésbica para crianças em alfabetização



Este livro é recomendado pelo Ministério da Educação (MEC) e encontra-se em classes de Educação Infantil de todo o país. Inclusive, ele faz parte do grupo de livros destinados ao Programa Nacional para a Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Este que é um programa do Governo Federal em convênio com estados, municípios e universidades para alfabetizar toda criança até os 8 anos de idade.

                                           

De acordo com o texto de apresentação no catálogo Acervos Complementares (anos de 2013/15) do Ministério da Educação, este livro “trata das mudanças atuais nos conceitos de família e da diversidade cultural, religiosa, econômica e social das famílias contemporâneas.” Seguindo esse propósito, a obra apresenta com calculada naturalidade e igualdade de condições 13 arranjos familiares diferentes, dentre eles a família homossexual. 

                                                                         


A beleza artística e a qualidade do papel encontradas no livro impressionam não somente crianças, mas também adultos. A partir da capa, suas folhas lisas e brilhosas abrigam personagens, coisas e lugares criativamente desenhados.
A combinação dos tamanhos e cores das palavras na capa permite subentender a pretensão de grandeza e singularidade deste livro que se autodenomina "das famílias".
As autoras, duas inglesas, usam com propriedade a articulação entre o discurso verbal e o não verbal para a produção dos efeitos de sentido almejados. Elas dão mais ênfase à figura do que à escrita porque seus leitores, os alunos da Educação Infantil em fase de alfabetização, têm mais facilidade para compreender imagens. Desta forma, somente debaixo de algumas gravuras, inscrevem enunciados  breves, objetivos, em linguagem simples e uso consciente dos advérbios de afirmação.

Logo na primeira página, é apresentada uma família cujos membros são o pai, a mãe, uma filha e um filho. Esta família veste e calça conforme os trabalhadores rurais de algumas regiões do país. A postura corporal desleixada, o penteado, as roupas, o espaço em que eles se encontram, os instrumentos de trabalho (pá e regador), podem ser interpretados como indicadores de posição social. Os brinquedos, a bola com o filho e a boneca com a filha, são distintivos de gênero nesse modelo de família. 
                                    
O enunciado que aparece em cima da figura: “Muitos anos atrás, a maioria dos livros sobre famílias eram assim”, e a leitura da imagem, desqualifica e desatualiza este modelo de família. Situa-o, assim, num tempo longínquo e indeterminado, da mesma forma que são distantes e imprecisos o tempo dos contos de fadas. Partindo-se desse pressuposto, é possível conjecturar que as autoras comparam a família tradicional com o ideal romântico do conto de fadas.

Esta suspeita pode ser inferida a partir da afirmação embaixo da mesma figura: "Mas na vida real existem famílias de todo tipo, formato e tamanho." Ou seja, na vida real que escapa ao ideal do tradicionalismo familiar, há, sim, uma diversidade de tipos familiares com o mesmo grau de importância.

Esta ideia subliminar que se apresenta já no início do livro, obedece sua coerência até o final.

A página seguinte mostra a bucólica e aprazível casa da família tradicional: fora do aglomerado urbano, sem prédios para cobrir o sol baixo, cercada com estacas de madeira, flores, jardim, pomar,  cachorro e gato.   

                                                 

Mais adiante, com vestimentas e aspectos urbanos e modernos, duas mulheres cuidam de uma menina; dois homens, de um menino. Na mesma página, um casal tradicional com dois filhos. O que poderia causar estranheza é apresentado com naturalidade e aprovação pelo enunciado: “Algumas crianças têm duas mães ou dois pais.” 

 
É relevante neste livro o esforço para a desconstruir o conceito de família nuclear: pai, mãe e filhos. Isto levando-se em consideração que seu público é composto por crianças de 7 e 8 anos, cujas famílias são majoritariamente tradicionais. 

Trata-se de uma atitude deliberada de contradizer os valores morais dos núcleos familiares dos alunos. E esta pode ser considerada uma atitude reprovável porque  a escola deixa de respeitar a bagagem cultural trazida de casa pelo aluno. 

                   
É motivo de maior preocupação quando se trata de livro que faz parte da coleção do Plano Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). O que se questiona neste importante programa de alfabetização é o porquê de se inserir nele a desconstrução da família tradicional para crianças ainda na infância, oriundas de famílias cristãs, notadamente as dos ramos romano, ortodoxo e protestante.
O livro, ao esquecer a Constituição, isto com a finalidade de normalizar novos modelos de família para crianças em fase de formação psicológica e física, trai a confiança da lei. Mais ainda: trai também a confiança dos cidadãos que vivem debaixo dessa Constituição porque prepara os filhos para burlarem o paradigma familiar dos pais.

Art. 226, da Constituição da República Federativa do Brasil (1988)

A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.
§ 1º O casamento é civil e gratuita a celebração.
§ 2º O casamento religioso tem efeito civil, nos termos da lei.
§ 3º Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.
§ 4º Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes.
§ 5º Os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher.
§ 6º O casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio, após prévia separação judicial por mais de um ano nos casos expressos em lei, ou comprovada separação de fato por mais de dois anos.
§ 7º Fundado nos princípios da dignidade da pessoa humana e da paternidade responsável, o planejamento familiar é livre decisão do casal, competindo ao Estado propiciar recursos educacionais e científicos para o exercício desse direito, vedada qualquer forma coercitiva por parte de instituições oficiais ou privadas.
§ 8º O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações.

        

Estas duas páginas do livro (acima e abaixo) apresentam molduras que mostram o estado de humor das diferentes famílias. As duas famílias homoafetivas são retratadas em ambiente próspero e harmonioso. Há tranquilidade e segurança em suas fisionomias. As crianças sentem-se bem e seguras. Os estados de pobreza, ansiedade, tristeza, braveza, rispidez e mal humor ficam por conta de outros arranjos familiares, principalmente a família tradicional.

A escolha da maneira de representar pessoas ou coisas por meio da escrita ou da imagem, não pode ser considerada desprovida de intencionalidade. Quando se fala ou desenha pessoas ou coisas, expressa-se opinião particular ou coletiva acerca do objeto. Entra-se, então, no campo da subjetividade... O que se depreende com estes desenhos são o aspecto dedutivo (como recurso de convencimento) e o favorecimento implícito das duas famílias homoafetivas, em relação às demais. Estes dados não podem ser desprezados porque a criança consegue perfeitamente extrair das imagens os pressupostos  estabelecidos intencionalmente.


Um projeto contra a “homofobia” na escola?

Engana-se quem considere o ensino da orientação homossexual na educação básica, tomada como medida padrão de sexualidade a ser ensinado, seja adequada ao combate do preconceito contra o homossexual na escola. Ainda mais quando este ensino sistemático, conduzido pelo Estado, não é antes debatido com as famílias dos alunos, com os diretores e professores das escolas.
Se, por um lado, a discriminação de pessoas por causa da opção homossexual não deve ser admitida, por outro lado, o Estado precisa respeitar as famílias tradicionais dos alunos, sobretudo as que pertencem ao segmento religioso cristão. Nesse sentido, não se deve utilizar a rede de ensino público para estimular crianças ao comportamento homossexual através de material didático.  As escolas devem ser espaços neutros com respeito a este assunto, principalmente quando o público é infantil e juvenil.
Ensinar uma criança a respeitar as diferenças individuais é muito diferente de orientá-la para uma determinada compreensão ou prática. Embora os valores do respeito e da solidariedade comecem a se estabelecer em casa, a escola exerce importante papel complementar à família, quando ensina ao aluno que é preciso respeitar quem é negro, albino, sarará, baixinho, gordinho, feio, orelhudo, magricelo, tímido; assim como quem se apresenta homossexual, religioso, ateu, etc. Mas em nenhum momento deve haver atenção especial para A ou B. 
A valorização do respeito às diferenças, limites e condições de cada ser humano, independe de suas particularidades. Qualquer "política" que destoe disso significa favorecer uns em prejuízo dos outros, seja por preferência de condição física, crença, comportamento ou ideologia.

Considerações

Os movimentos organizados de defesa do homossexualismo exercem influência nas políticas educacionais do MEC. Eles agiram estrategicamente ao inserirem nos livros didáticos de algumas disciplinas os temas relacionados ao comportamento sexual e a configuração familiar. Educadores e pais que discordam dessas ações vêm denunciando a intenção desses grupos de doutrinar crianças e jovens nas principais fases de desenvolvimento psíquico e corporal.

Segundo essas denúncias, as propostas que teriam o objetivo de combater o “preconceito” (leia-se: opinião contrária) contra o homossexual na escola, acabará produzindo uma geração de pessoas sem definição clara de padrões para o comportamento sexual.  

É bom ressaltar que as novas concepções de gênero ainda não possuem embasamento científico suficiente para levá-las à categoria de matéria de ensino escolar. Existe muito mais apelo político e ideológico por trás dos movimentos que se engajam nessas causas, inclusive acadêmicos, do que conhecimento empírico.

Tendo em vista essa nova realidade da escola, os pais precisam acompanhar mais cuidadosamente o conteúdo moral e cultural transmitido aos seus filhos. A responsabilidade de estabelecer as bases dos padrões morais, religiosos e culturais para os filhos é da família e não do Estado. Ainda mais quando o assunto é a orientação sexual porque há o risco de ensinar às crianças e aos jovens conceitos equivocados sobre o assunto.


Sendo assim, é de estranhar a insistência do Estado em inserir na grade curricular da escola pública temas carregados de controvérsia e carentes de estudos aprofundados e conclusivos. A não ser que a intenção do Estado seja retirar da família a autoridade sobre a formação do caráter pela consequente educação moral dos seus filhos.


Orley José da Silva, é professor em Goiânia, mestre em letras e linguística (UFG) e mestrando em estudos teológicos (SPRBC).

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O GRANDE ÍDOLO DO BRASIL.

“… e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera; porquanto até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso, e lhe chamaram Neustã”. II Reis 18:4

Sobre política nacional, às portas do segundo turno que definirá quem será nosso presidente nos próximos quatro anos, quero propor uma reflexão acerca de um dos maiores males da nação brasileira: a corrupção!
O sentido da palavra, etimologicamente, tem a ver com o apodrecimento, ou seja, corrupção quer dizer deterioração, decomposição ou putrefação. É uma palavra que diz muito, sem dúvida alguma!
No versículo da referência, citei o momento exato em que um novo rei toma seu posto em Israel. Ezequias foi uma figura emblemática, querida por Deus, a ponto de ser dito que “depois dele não houve quem lhe fosse semelhante entre todos os reis de Judá, nem entre os que foram antes dele”. Ou seja, esse verso aqui declara que Ezequias foi o melhor rei de todos os tempos, por quê? Uma atitude o diferenciou de todos os outros que vieram antes e depois dele.
Está escrito que Ezequias “fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera” e foi nessa atitude ousada, ferindo de forma implacável uma tradição arraigada de seu povo, que ele foi alçado a um status de grande rei.
Sempre admirei pessoas que atacam com força o mal instituído e chamo de mal instituido tudo aquilo que está errado, que é injusto, que é contra a vontade de Deus, mas que está de tal forma incrustado na alma coletiva, que se torna um hábito incorrigível. Podemos chamar isso de iniquidade, também.
Assim é a corrupção brasileira! Ela está embutida na mente de todos os brasileiros como algo do tipo, “a gente é assim mesmo”. Um absurdo total para mim!
Essa coisa é tão grudada em nossa conformação que todos compreendemos intuitivamente essa iniquidade como algo inerente ao jogo político da nação, o qual se desenrola num ambiente dominado por quadrilhas, corjas e gente da pior espécie, formando um cenário sórdido, com histórico ininterrupto de furtos, espoliações, intrigas, assassinatos etc.
O pior nesse quadro é que, seja com o partido A ou B no poder, o cancro nacional nunca é curado!
Todos estamos de tal forma acostumados com essa chaga que ninguém mais imagina que isso possa ser mudado.
Esse é, sem dúvida, um fruto dos noticiários que diariamente emitem tragédias, más notícias, informações sobre desvios de verbas públicas, obras superfaturadas, enriquecimentos ilícitos de políticos, prevaricações de cargos públicos, nepotismos… enfim, são tantas a formas de se fazer a ilegalidade no Brasil, que nem dá para nomear tudo aqui e é essa sequência continuada de más notícias que, por anos, vem formando o que chamo de mente conformada em cada brasileiro que se senta diante da TV todos os dias. É o mais puro ritual de aniquilação do poder de reação popular.
Quero fazer uma comparação entre a corrupção do Brasil e a Neustã de Moisés. Judá, em sua sucessão de reis, cada qual com suas particularidades, fazendo o bem ou o mal, aliando-se com bons ou com os maus, agradavam a Deus ou não, mas houve um fator que uniu a quase todos: ninguém queria mexer em Neustã!
A “Serpente do Deserto” estava de tal forma arraigada no imaginário litúrgico dos israelitas que, mesmo não tendo a menor ligação com o culto original e genuíno a YHWH, ela permanecia ali. Não havia rei que tivesse a coragem de encarar de frente aquela tradição, mesmo que soubessem ser ela um grande mal para toda a sociedade.
Assim é o Brasil, nossa nação bipolar, politicamente esquizofrênica e que padece moribunda em séculos de hemorragia moral, incapaz de reagir e sentir qualquer possibilidade de mudança, mesmo quando ela parece despontar em um frágil fragmento de esperança.
Grande parte de nossos pastores e demais sacerdotes religiosos estão aliançadas com o sistema político e, pior, mamam em suas tetas, com favorecimentos, apoio e subvenções. Uma nojeira sem fim!
O mais surreal, para mim, é que quando aparece alguém que pode ser diferente disso tudo, que apresenta uma via alternativa, um discurso moderno, apontando para uma nova direção. Alguém que parece ter o mesmo ranço, que tenta andar pelos caminhos do debate de ideias, que busca conhecer o pensamento do povo e dos adversários, tratando a todos com delicadeza e respeito, o povo não consegue ver credibilidade. Por quê?
Porque quando alguém tenta não entrar no jogo dos ataques, mas procura se abrir a discussões, quando não utiliza do ad hominem, das falácias, dos factoides, quando tenta alcançar o consenso, logo se imagina que esse alguém é fraco, incapaz e inapto para exercer um cargo executivo.
O povo, em sua fraqueza, precisa de uma figura forte, mesmo que sua força seja virtual, demagoga, mesmo que fale muitas mentiras, mesmo que tenha um passado que lhe condene. Nada disso importa! O que importa é que tudo fique do jeito que está, seja um, seja outro, que fique como sempre esteve, pois a mudança que querem é somente do A para o B, da euforia para a depressão (e vice e versa), pois somos todos assim, bipolares. Estamos doentes e de momento, não queremos cura, pois a corrupção é uma patologia da qual não podemos abrir mão agora, uma patologia que justifica muitas coisas, que gera desculpas para muitos desmandos, mascarando nossa incompetência e falta de coragem para andar no novo caminho.
Ficaremos com Neustã por mais quatro anos e por mais quatro séculos, até que apareça um Ezequiel que seja capaz de enfrentar esse mal tão profundamente enraizado em nosso DNA nacional.
Vi o que parecia ser um ezequiel entre nós no pleito deste ano, mas o povo não o quis. Acho uma pena!
"As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores."
Profile photo of Rafael Reparador

Por 

Pastor, músico, compositor, poeta, jornalista, produtor musical, blogueiro, twitteiro, facebookeiro, observador da igreja dos últimos dias à serviço de Cristo.
LI ESTE ARTIGO E ESTE IRMÃO EM CRISTO SINTETIZOU TUDO O QUE PENSO A RESPEITO DA CONJUNTURA POLITICA BRASILEIRA POR ISSO TRANSCREVI AQUI NO BLOG ESTA MATERIA MAS NEM TUDO ESTÁ PERDIDO AINDA HÁ UMA SAÍDA E ELA É PARA CIMA QUE DEUS TENHA MISERICÓRDIA DO BRASIL.
JORGE GONÇALVES Ev.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

A BIBLIA -ATUAL,AUTÊNTICA,CONFIÁVEL


Norbert Lieth

Um jovem solicitou ao seu pastor que escrevesse uma dedicatória em sua Bíblia. Um bom versículo já constava na página em branco: "Eu sou o pão da vida." O pastor apenas acrescentou: "Não o deixe mofar". O jovem jamais esqueceu esse conselho. Ele o pôs em 
prática lendo a Bíblia como sendo o pão da vida, fazendo dela seu alimento espiritual diário. Durante toda a sua vida ele foi grato por isso.

Singular em sua divulgação

A Bíblia é de longe o livro mais traduzido do mundo. Partes da Bíblia podem ser lidas atualmente em mais de 2.212 línguas diferentes e todo ano a lista é acrescida de 40 novas traduções. Nenhum outro livro também se aproxima da sua tiragem: o número de exemplares impressos sobe a cada ano, apesar da Bíblia ter sido o livro mais atacado em todos os tempos. Soberanos de todas as épocas, políticos, reis e ditadores, até líderes religiosos e seus cúmplices tentaram privar o povo de sua leitura. Combateram-na, despojaram-na de seu conteúdo, tentaram destruí-la. Pode-se dizer que jamais outro livro foi tão amado e ao mesmo tempo tão odiado quanto a Bíblia!
Lendo a Palavra

Singular em sua formação

Na verdade, a Bíblia é uma pequena biblioteca formada por 66 volumes. Ela foi escrita por aproximadamente 40 autores diferentes, durante um período de mais ou menos 1500 anos. Com toda a certeza ela não foi escrita por iniciativa coletiva. Ela também não foi planejada por alguém. Um dos autores escreveu na Arábia, outro na Síria, um terceiro em Israel, e ainda outro na Grécia ou na Itália. Um dos autores atuou mais como historiador ou repórter, outro escreveu como biógrafo, outro escreveu tratados teológicos, ainda outro compôs poemas e escreveu provérbios, enquanto outro registrou profecias. Eles escreveram sobre famílias, povos, reis, soberanos e impérios do mundo. O escritor das primeiras páginas jamais poderia saber o que outro escreveria 1400 anos mais tarde. Os escritores de séculos futuros nunca poderiam saber, por si mesmos, o sentido profético de um texto escrito centenas de anos antes. Mesmo assim, a Bíblia é um livro de uma unidade impressionante, com coerência do início ao fim, tendo um tema comum e falando de uma pessoa central: Jesus Cristo. A Bíblia é o único livro no qual milhares de profecias se cumpriram literalmente. Suas predições realizaram-se nos mínimos detalhes durante a história. Locais e datas mencionados nos relatos bíblicos foram confirmados pela ciência. Quando nos perguntamos como foi possível aos autores alcançarem uma unidade e uniformidade tão grandes no que escreveram, concluímos que só nos resta a resposta de 2 Pedro 1.21: "Porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo." Em outra passagem, a Bíblia diz: "Toda a Escritura é inspirada por Deus..." (2 Tm 3.16). Um filósofo francês expressou-se da seguinte maneira sobre a maravilha que é a Bíblia: "Quão miseráveis e desprezíveis são as palavras dos filósofos quando comparadas com as da Bíblia! É possível um livro tão simples, mas ao mesmo tempo tão perfeito, ser palavra humana?"

Singular em seus efeitos

Um ateu enviou a um jovem cristão grande número de artigos selecionados para convencê-lo de que a Bíblia era atrasada em muitas de suas afirmações e ultrapassada pelos conhecimentos dos tempos atuais. O jovem respondeu:
Se você tiver algo melhor que o Sermão do Monte, alguma coisa mais bela que a história do filho pródigo ou do bom samaritano, alguma norma ou lei de nível superior aos Dez Mandamentos, se você puder apresentar algo mais consolador que o Salmo 23, ou algum texto que me revele melhor o amor de Deus e esclareça mais o meu futuro do que a Bíblia, então – por favor, envie-o para mim com urgência!
Nenhum outro livro além da Bíblia transformou a vida de tantas pessoas para melhor. Ela é um livro honesto e mostra o ser humano como ele é. A Bíblia expõe o pecado e aponta o caminho para o perdão, ela exorta e consola, faz-nos ser humildes e nos edifica. A Bíblia nos mostra a razão de viver, coloca-nos diante de um alvo que faz sentido, e com ela entendemos a origem e o futuro da criação e da humanidade. A Bíblia lança luz sobre nossas dúvidas. Ela coloca a esperança diante de nossos olhos e fala de Deus e da eternidade como nenhum outro livro jamais o poderia fazer. Até Friedrich Nietzsche, inimigo do cristianismo, disse sobre a Bíblia:
Ela é o livro da justiça de Deus. Ela descreve coisas e pessoas em um estilo tão perfeito, que os escritos gregos e hindus não podem ser comparados a ela. O estilo do Antigo Testamento é uma parâmetro de avaliação tanto de escritores famosos como de iniciantes.
Infelizmente, Nietzsche nunca seguiu pessoalmente o que a Bíblia diz.
O escritor Ernst Wiechert escreveu sobre a Bíblia:
Tudo me encantava, muitas coisas me comoviam, outras me abalavam. Mas nada formou e moldou tanto minha alma naqueles anos como o Livro dos Livros. Não me envergonho das lágrimas que derramei sobre as páginas da Bíblia.
Marc Chagall, o gande pintor judeu, disse: "Desde minha infância a Bíblia me orientou com sua visão sobre o rumo do mundo e me inspirou em meu trabalho."

Singular em sua confiabilidade

Alexander Schick escreve:
Nenhum livro de toda a literatura universal pode ser documentado de maneira tão impressionante no que diz respeito ao seu texto original. E nenhum outro livro apresenta uma tão farta profusão de provas de sua autenticidade. Achados de antigos escritos nos dão a certeza de que temos em mãos a Bíblia com a mesma mensagem que os cristãos da igreja primitiva.

A Bíblia – ela funciona!

Em uma revista alemã encontramos o texto abaixo, que transcrevemos por ser muito precioso:
A Bíblia mostra a vontade de Deus, a situação do ser humano, o caminho da salvação, o destino dos pecadores e a bem-aventurança dos crentes.
  • Seus ensinos são sagrados, seus preceitos exigem comprometimento, seus relatos são verdadeiros e suas decisões, imutáveis.
  • Leia-a para tornar-se sábio e viva de acordo com ela para ser santo.
  • A Bíblia lhe ilumina o caminho, fornece alimento para seu sustento, dá refrigério e alegria ao seu coração.
  • Ela é o mapa dos viajantes, o cajado dos peregrinos, a bússola dos pilotos, a espada dos soldados e o manual de vida dos cristãos.
  • Nela o paraíso foi restabelecido, o céu se abriu e as portas do inferno foram subjugadas.
  • Cristo é seu grandioso tema, nosso bem é seu propósito, e a glorificação de Deus é seu objetivo.
  • Ela deve encher nossos pensamentos, guiar nosso coração e dirigir nossos passos.
  • Leia-a devagar, com freqüência, em oração. Ela é fonte de riqueza, um paraíso de glórias e uma torrente de alegrias.
  • Ela lhe foi dada nesta vida, será aberta no juízo e lembrada para sempre.
  • Ela nos impõe a maior responsabilidade, compensará os maiores esforços e condenará todos os que brincarem com seu conteúdo sagrado.
Um mecânico foi chamado para consertar o mecanismo de um gigantesco telescópio. Na hora do almoço o astrônomo-chefe encontrou-o lendo a Bíblia. "O que você espera de bom desse livro?", perguntou ele. "A Bíblia é ultrapassada, e nem se sabe quem a escreveu!"
O mecânico hesitou por um momento, levantou seus olhos e disse: "O senhor não usa com freqüência surpreendente a tabuada em seus cálculos?"
"Sim, naturalmente", respondeu o astrônomo.
"O senhor sabe quem a escreveu?"
"Por quê? Não, bem, eu suponho... Eu não sei!"
"Por que, então", disse o mecânico, "o senhor confia na tabuada?"
"Confiamos porque – bem, porque ela funciona", concluiu o astrônomo, irritado.
"Bem, e eu confio na Bíblia pela mesma razão – ela funciona!"
A Bíblia – atual, autêntica, confiável! Quem lê a Bíblia tem uma vida plena
http://www.ajesus.com.br/

domingo, 7 de setembro de 2014

NÃO SIGO O PAPA FRANCISCO,MARIA NÃO É MINHA MÃE E EU NÃO SOU ORFÃO

Jennifer LeClaire
O Papa Francisco tem sido uma lufada de ar fresco para muitos católicos em busca de maior liberdade e uma preocupação crescente para os cristãos conservadores que discordam de seus comentários sobre a homossexualidade e outras questões culturais.
Papa Francisco conduz a audiência semanal na Praça de São Pedro, no Vaticano, quinta-feira. O papa enviou um polêmico tuíte terça-feira que viola as Escrituras. (Reuters / Alessandro Bianchi)
Mas a última declaração do pontífice está provocando um alvoroço nos crentes ao redor do mundo. O Papa Francisco enviou um tuíte terça-feira que definitivamente viola a verdade das Escrituras:
O cristão que não sente que a Virgem Maria é a sua mãe é um órfão”, tuitou o Papa Francisco. A partir do momento em que eu escrevi nesta coluna o tuíte tinha sido “retuittado” cerca de 4.000 vezes e muitas das respostas foram indelicadas.
Alguns sugeriram que o pontífice é “completamente maluco”, enquanto outros lhe perguntaram se ele tinha inalado muito incenso e ainda outro disse ao jesuíta argentino que se confinasse ao seu pacifismo. Fica pior a partir daí, mas não é apropriado atacar o homem pelo seu tuíte anti-bíblico. É mais apropriado compartilhar a verdade.

Maria é a Mãe do Mundo?

Primeiro, vamos examinar como o papa expandiu sua exaltação de Maria. Durante seu discurso semanal em Roma, o papa colocou a Igreja Católica Romana na posição de “mãe” do mundo e encorajou os católicos a seguirem Maria como exemplo da maternidade divina.
“Em nossas catequeses, temos notado, muitas vezes, que não nos tornamos um cristão por conta própria, mas por termos nascido e sido alimentados na fé no meio do povo de Deus, que é a igreja. Ela é uma verdadeira mãe que nos dá a vida em Cristo e, na comunhão do Espírito Santo, nos leva a uma vida comum com nossos irmãos e irmãs”, disse o papa.
“O modelo da maternidade para a igreja é a Bem-Aventurada Virgem Maria que, na plenitude dos tempos, concebeu através do Espírito Santo e deu à luz o Filho de Deus. Sua maternidade continua através da igreja, que traz filhos e filhas por meio do batismo, a quem ela nutre por meio da Palavra de Deus”.

E Quanto a Romanos 8:14-17?

Então, vamos começar a dissipar esse erro com as Escrituras. Romanos 8:14-17 ilumina a questão dos órfãos em Cristo — não há órfãos em Cristo:
 “Porquanto, todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Pois vós não recebestes um espírito que vos escravize para andardes, uma vez mais, atemorizados, mas recebestes o Espírito que os adota como filhos, por intermédio do qual podemos clamar: ‘Abba, Pai!’ O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus. Se somos filhos, então, também somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se realmente participamos dos seus sofrimentos para que, da mesma maneira, participemos da sua glória”. (KJA)
Em nenhuma parte esses versos fazem menção de Maria. Em vez disso, vemos o Pai, Cristo e o Espírito Santo em ação na vida de um crente. É o que está na Bíblia. Se isso não for suficiente, o próprio Jesus afirmou claramente: “Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós” (João 14:18 KJA). Eu não quero dizer isso de uma maneira sarcástica, de forma alguma, mas por favor, note que Jesus não disse que Maria viria a eles, ou que Ele traria Maria para eles, ou que Maria estaria orando por eles, ou que eles deveriam orar para Maria.
Há muitas questões na religião católica que não se alinham com a Bíblia, mas sugerir que “O cristão que não sente que a Virgem Maria é a sua mãe é um órfão” é uma afirmação obviamente herética que barateia a nossa salvação. Os cristãos são justificados pela fé (Rm 5:1) — pela Justiça de Deus em Cristo (2 Cor 5:21). Maria foi um instrumento abençoado que Deus escolheu para trazer o Messias ao mundo, mas Jesus não a exaltou e nem nós deveríamos.
Jennifer LeClaire é editora de notícias da revista Charisma. Ela também é diretora do Awakening House of Prayer (Casa de Oração Despertar) em Fort Lauderdale, Flórida, e autora de vários livros.
Traduzido por Dionei Vieira do artigo da revista Charisma: Pope Francis, Mary Is Not My Mother, and I Am Not an Orphan