sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

PREGADORES OU PROFISSIONAIS DO PÚLPITO?



Credito: Blog Evangelizai
Nada tenho contra eventos e a participação de pregadores convidados, embora continue a crer que tornar essa prática uma rotina na igreja local pode gerar todo tipo de consequências, entre elas a falta de substância, a perda de identidade, alem de uma exposição bíblica acidentada e fragmentada, em virtude das diferentes visões daqueles que vêm de fora. Tal fato se agrava quando ditos pregadores são profissionais de púlpito, portadores de um número limitado de mensagens - aquelas que mais agradam ao auditório - e por isso mesmo passam a pregar no "piloto automático", ou seja, de forma mecânica, com uma "graça" que não é graça, apelando a todos os chavões para movimentar a plateia. Com as exceções de praxe, sei que isso muitas vezes acontece por faltar na igreja local quem exponha de forma consistente a Palavra de Deus. Mas não deveria ser assim.

Este é o ponto que gostaria de focar nesta postagem.

Entendo que pregar é uma tarefa que nos impõe enorme responsabilidade. Não é simplesmente cumprir mais uma agenda, fazer uma exposição verborrágica e partir para o próximo compromisso. Não é massagear o ego dos ouvintes, enquanto os nossos bolsos são massageados com polpudos cachês. Não é contar um monte de histórias, a maioria delas inverossímeis, enquanto o nosso histórico é mais capenga do que carro dos anos 60 sem manutenção. Não é um exercício de oratória com o propósito de mostrar as nossas habilidades retóricas, que não passam de esqueletos sem carne e sem vida.

Afinal, o que é pregar?

Pregar significa, antes de tudo, comprometimento com Deus de tal maneira que nossa comunhão com ele seja como o nosso fôlego: se nos faltar, morremos. Isso implica em vida de oração, na qual a ênfase não é para o monólogo, onde falamos sozinhos, mas para o diálogo, onde a nossa intenção é ouvir mais e falar menos, mas dialogar com aquele que muitas vezes usa as janelas mais simples da vida para nos ensinar preciosas lições. Pregar implica, também, em ter prazer na leitura da Escritura. Não lê-la simplesmente com intuito acadêmico, mas com a finalidade de metabolizá-la e torná-la parte indissociável de nossas vidas. É saboreá-la assim como se saboreia a comida mais prazerosa que nos é oferecida. É cumprirmos um "rito" que se assemelha ao que usamos quando estamos diante de uma boa refeição. É degustar, enquanto comemos.

Afinal, o que é pregar?

Pregar significa deixar que a mensagem fale primeiro ao nosso coração antes de entregá-la ao povo. Não é um processo da noite para o dia. É laborioso, leva tempo, exige reflexão, meditação, assimilação e compreensão. Requer ousadia para permitir que ela - a mensagem - nos corrija e nos leve a um patamar de piedade em que somos expurgados de nossos pecados, o nosso "eu" é subjugado e o "eu" de Cristo predomine em plenitude. Enquanto a mensagem for algo pensado apenas para os ouvintes, terá menos valor até porque ela poderá produzir os seus efeitos, mas ficaremos de fora por não os experimentarmos nós mesmos. Precisamos pensá-la, antes, sobre de que forma ela se aplica em nós, quais os resultados  produzirá em nosso coração. Em uma frase: o pregador prega primeiro para si mesmo. Se não for assim, é melhor deixar de pregar.

Afinal, o que é pregar?

Pregar é expor todo o conselho de Deus sem se preocupar se o povo aceitará ou não a mensagem. É obvio que pregamos com o propósito de edificar os ouvintes, mas pode ser que, no primeiro momento, essa edificação não seja aceita de bom grado por expor as vísceras pecaminosas de cada um, por configurar uma forma de retirar os carrapichos das ovelhas. Pode ser um momento sofrido, de dor, extremamente desconfortável, que, na hora, poderá causa rejeição, mas depois a alegria virá multiplicada pelos efeitos que produziu. Com isso, não advogo a estupidez, o uso da franqueza para justificar a grosseria, mas a fidelidade à mensagem que precisa ser transmitida.

Afinal, o que é pregar?

Pregar não é agir como camaleão, que muda de cor de acordo com as circunstâncias. Se o ambiente é conservador, a mensagem é conservadora. Se, por outro lado, o ambiente é liberal, a mensagem é flexibilizada. Entendo que, de acordo com o lugar, temos de usar linguagem adequada com a finalidade de tornar compreensível a mensagem para o auditório ao qual pregamos. Não ponho também em dúvida a necessidade de contextualizá-la ao meio, que é extrair de um texto escrito há milhares de anos a mensagem que se aplica à realidade atual. Refiro-me, de fato, àqueles que mudam o teor, alteram o conteúdo, aliviam os conceitos ou fazem tudo ao inverso só porque querem ficar "bem na fita" no ambiente em que estão. Para esses não há outra maneira de qualificá-los: são simplesmente profissionais de púlpito.

Temos de pregar a tempo e fora de tempo. Mas precisamos estar dispostos a sermos apenas ferramentas nas mãos de Deus. Não somos "showman". Não somos a pessoa para a qual os olhos dos ouvintes devem estar voltados. Não somos produtores de espetáculo. A mensagem não é nossa. Somos apenas o meio para que a glória seja sempre de Deus.

LÁGRIMA DOS SANTOS PELOS PERDIDOS E PERSEGUIDOS.


Lágrimas pelos perdidos

E lhes fez a seguinte advertência: A seara é grande, mas os trabalhadores
 são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para
 a sua seara. (Lc 10:2)
Acho que algumas vezes nos esquecemos; e precisamos ser lembrados que o Reino de Deus não fica restrito ao seu quarto! Ou ao seu computador, irmão que é super crente no Facebook, mas não sai para evangelizar. Em diferentes graus, todos nós precisamos acordar para a realidade do mundo: neste exato momento há pessoas que nunca foram evangelizadas e que não adoram ao Rei Jesus e há cristãos sendo perseguidos e mortos. Agora! Há pessoas passando fome… mas talvez seja melhor você atualizar o seu notebook, que já tem 1 ano de uso, não? (se você acha que só estou apontando dedos, tem três voltados para mim).
O vídeo abaixo possui um trecho de uma pregação de John Piper e uma bela música do Leeland sobre missões (Tears of the Saints  – Lágrima dos Santos).

Lágrimas pelos perseguidos

Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te
demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos
 forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E quando te vimos
 enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá:
 Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus
 pequeninos irmãos, a mim o fizestes. (Mt 25:37-40)
Abaixo, está a classificação dos países com maior perseguição contra cristãos. Quero fazer um convite, igual ao que fiz no Facebook: quero convidar você a orar por um país perseguido. Escolha um número de 1 a 50 e ore pelo país. Sim! Agora mesmo. Não deixe pra depois… você sabe que provavelmente não irá orar. Você não pode doar 3 minutos do seu tempo para orar por cristãos que podem estar sendo torturados neste momento? (Sim, eu estou tentando fazer você se sentir culpado e não, não tenho vergonha disso.)
perseguidos


Leia mais: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2013/01/lagrimas-dos-santos-pelos-perdidos-e-perseguidos/#ixzz2HiHdapr8

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

MEDITEM NISTO


Coisas que as Pessoas Nunca Deveriam Dizer que Nunca Ouviram em Sua Igreja

Por Kevin DeYoung
Eu estremeço cada vez que ouço o testemunho de um cristão que cresceu na igreja e só mais tarde veio a entender alguns pontos fundamentais da fé. É claro que algumas coisas são difíceis de entender. Temos que beber leite antes de comermos carne. Não me desaponto com as pessoas que nunca aprenderam a palavra propiciação ou nunca souberam a diferença entre as obediências ativa e passiva de Cristo. Estes são conceitos incrivelmente importantes e devemos ensiná-los a partir das bases. Mas estou falando do básico, das coisas que todo cristão deveria saber de trás para frente, as coisas que deveríamos ouvir na igreja a todo tempo.
Certamente as pessoas não lembram tudo o que elas deveriam lembrar. É possível que a culpa repouse sobre os ouvintes tanto quanto nos oradores. Mas ainda assim, isso é apenas mais incentivo para tornar certas coisas claras como água. Não devemos assumir que nossos membros sabem o que eles precisam saber. Não podemos assumir que eles ouviram o que pensamos que já lhes dissemos.
Como pastor, há certas coisas que espero que os membros de minha igreja nunca dirão que nunca ouviram. Estas não são necessariamente as mais importantes doutrinas da fé (ainda que algumas sejam). Contudo, são coisas que nós facilmente assumimos que nossos membros sabem, mas frequentemente ainda deixam escapar.
E quando eles deixam escapar estas coisas, eles podem acabar perdendo todo o resto.
1. “Ser um cristão é mais do que ir à igreja e ser uma boa pessoa.” Nós temos que tornar essa aqui absolutamente e repetitivamente clara.  Posso lhe assegurar que há pessoas em sua igreja (e na minha) que pensam que o cristianismo consiste em comparecer em cultos religiosos com alguma regularidade e não cometer grandes erros. Certifique-se de que eles conhecem o evangelho, que Jesus Cristo viveu a vida que nós não poderíamos viver e morreu a morte que nós merecíamos para que, pela fé somente, nós pudéssemos ser reconciliados com Deus. Certifique-se de que eles possam articular o evangelho também.
2. “Devemos nascer de novo.” Estou chocado que a história mostra que avivamentos frequentemente seguem quando pregadores retornam a este tema vez após vez. Seus membros sabem que eles estão mortos em pecado e precisam do milagre da regeneração?
3. “Precisamos desenvolver um relacionamento pessoal com Cristo.” Nós podemos nos cansar do termo “relacionamento pessoal”, mas ele tenta chegar a algo crucial para a vida cristã. Devemos realmente conhecer a Cristo, amá-lo, caminhar com ele e ouvi-lo.
4. “Cristãos maduros desenvolvem hábitos para a vida toda de leitura bíblica e oração.” Isso pode ser totalmente minha culpa, mas de alguma maneira eu não sabia disso até conhecer alguns bons amigos batistas fundamentalistas no ensino médio que começavam cada dia com algo chamado “momento de silêncio.”
5. “Cristãos sofrem.” Nosso sofrimento se torna pior neste país porque ninguém nos diz que ele virá.
6. “Deus pode ter prazer em mim.” Os cristãos que entendem os números 1 a 5 frequentemente têm dificuldade de abraçar essa verdade. Diga a seus membros com frequência que Deus se compraz na obediência deles. Diga a eles que Deus é um Pai amoroso que se compraz em seus fieis, embora imperfeitos, filhos.
7. “Cuidado com os falsos mestres.” Nós não treinamos nossos jovens bem se eles deixam nosso ambiente seguro e assumem que todos os que se apresentam pelo nome de “cristão” ou publicam livros cristãos, ou ensinam em colégios cristãos são dignos de confiança.
8. “Há um Deus em três Pessoas.” O que é mais fundamental do que o próprio Deus? E ainda assim, quantas igrejas instruem adequadamente e frequentemente seus membros a respeito da Trindade?
9. “Há muitas pessoas no mundo que não pensam que o cristianismo é verdadeiro e algumas delas são muito legais e inteligentes.” Se temos estado em igrejas a vida inteira, podemos aprender que há outros que discordam de nós, mas suas crenças e argumentos são frequentemente apresentados de maneira fraca. É fácil as pessoas crescerem na igreja imaginando que outras cosmovisões são bem idiotas e/ou aqueles que as defendem são obviamente pessoas más. Prepare seus membros para que eles saibam que vão encontrar pessoas decentes e inteligentes que discordam deles. Prepare-os para pensar além dos estereótipos.
10. “Há uma razão pela qual nós cultuamos da maneira que cultuamos.” É claro que este pode não ser o caso em toda igreja. Alguns cultos são planejados sob o título básico de “o que quer que eu goste e pareça funcionar.” Mas é provável que sua igreja seja melhor que isso. Tome um tempo para explicar porquê vocês ainda cantam hinos antigos, porquê vocês tentam canções novas, porquê vocês têm uma oração de confissão, porquê há uma oração pastora, porquê o sermão é da maneira que é. O culto fica ridículo os membros nunca foram ensinados o motivo de cultuarmos da maneira que cultuamos.
Se você é um pastor, pai ou mãe, líder de estudo bíblico, professor de EBD, ou qualquer um que instrua aos outros na fé, não assuma que seus filhos ou seu grupo conhece estas coisas. Repita-as. Cante-as. Ore-as. Peça às pessoas que digam o que você acabou de dizer. Faça-as levantarem as mãos. Faça-as repetir depois de você. Faça o que for preciso para se certificar que seu grupo nunca diga que nunca ouviram as coisas mais importantes de você.

Por Kevin DeYoung. Copyright © 2013 The Gospel Coalition, Inc. Todos os direitos reservados. Original: Things People Should Never Say They Never Heard at Your Church
Tradução: Alan Cristie. Copyright © 2013 Editora Fiel. Todos os direitos reservados. Original: Coisas que as Pessoas Nunca Deveriam Dizer que Nunca Ouviram em Sua Igreja

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

SOFRER PELO EVANGELHO:A CARTA DE UMA MÃE COM CÂNCER


Esta é uma carta escrita por Laura Gaultney Black para seus 3 filhos de 4, 7 e 9 anos. Aos 32 anos de idade, Laura descobriu que tinha câncer de mama quando estava grávida de sua terceira filha. Ainda grávida, ela sofreu uma mastectomia e teve sua filha via cesariana ainda com 33 semanas de gravidez, a fim de começar imediatamente a quimioterapia. O câncer de Laura foi curado. Porém, 8 meses mais tarde, ele retornou e se espalhou para outros órgãos, como o pulmão. Durante 5 anos, Laura lutou contra esse inimigo silencioso que aos poucos a matava. Durante esses 5 anos, Laura esperou por um milagre de Deus, sabendo que não existia nada na medicina que pudesse curá-la. Diariamente, ela orava e pedia que Jesus a concedesse o privilégio de criar seus 3 filhos, mas que a vontade dEle fosse feita, e não a dela. Como uma serva boa e fiel, Laura combateu o bom combate. Com dignidade, ela completou a carreira e guardou a fé. Deus não concedeu o milagre que ela tanto pediu, mas como uma filha obediente ela foi fiel até a morte. Dois dias antes de morrer, Laura escreveu em seu blog, “chegou a hora de terminar essa corrida do câncer”, e morreu dizendo “eu terminei, mas eu não desisti”.
Num mundo em que o Evangelho tem sido usado como produto de barganha para ganho e benefício próprio, o testemunho dessa irmã de fé é um encorajamento, como também um tapa na cara de todos nos cristãos que vivem esperando de Deus uma vida confortável, cheia de saúde, riqueza e felicidade. Como Laura disse nessa carta, viveremos estas coisas plenamente quando estivermos na presença de Deus. Hoje, Laura entende completamente o que agora só entendemos em parte.
Marcela Soares Arledge
Queridos Will, Gracy e Caroline,
isso é o que eu quero que vocês saibam a respeito de sofrer pelo Evangelho.
Ninguém te avisa que talvez a parte mais difícil de viver seja morrer. Desde o dia 23 de abril de 2012, meu corpo tem continuamente falhado. Eu já não posso mais respirar sozinha sem a assistência de máscaras de oxigênio. Posso andar apenas curtas distâncias. Minhas costas muitas vezes travam. Estou cansada. Coisas que costumavam ser tão simples agora parecem muito difíceis. Parte meu coração não poder cuidar mais de minha família e até de mim mesma. Ah! Como eu adoraria ir pegá-los na escola mais uma vez. Como desejo poder sentar com todos vocês em uma mesa de restaurante e comermos uma refeição sem minhas crises de tosse ou sem estar conectada a um tanque de oxigênio. Só poder levá-los à piscina por uma tarde e assisti-los nadar seria delicioso. Este é certamente o momento mais difícil que já encarei.
Will, esta manhã acordei ao som do seu choro, deitado ao meu lado na cama. Quando lhe perguntei o que havia de errado, numa tentativa de me proteger, como você sempre faz, você simplesmente disse “Eu tive um pesadelo”. Mas eu te conheço, e eu sabia o que você estava pensando. Apesar de não termos conversado sobre isso, você consegue ver. Você e Gracy conseguem ver o que está acontecendo diante de seus próprios olhos. Mas pela graça de Deus, acho que Caroline ainda é muito novinha para entender. Ver-me assim parte seu coraçãozinho, e vê-lo assim parte o meu em mil pedaços. Eu simplesmente lhe segurei e disse “Não tem problema chorar. Eu já chorei. Papai já chorou. Isso tudo é muito triste. Mas não vamos desistir de ter esperança. Vamos continuar pedindo por um milagre”. Então nós dois oramos juntos. E aí, você dormiu.
Sim, meu corpo está morrendo. Não há qualquer esperança na medicina. Não há esperança em nada, apenas em um milagre. Mas isso já é suficiente. Deus é suficiente. Vou esperar nEle. Minha oração é exatamente a mesma de Cristo antes de encarar a cruz. “Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice; no entanto não seja feita a minha vontade, mas a Sua”. Apesar de ser muito difícil pra eu orar pedindo para que a vontade de Deus seja feita, porque quero muito viver, não ouso terminar essa oração de outro modo porque creio que pedir por qualquer coisa que não seja a perfeita vontade de Deus seria pedir por algo imperfeito para todos nós. Amo tanto vocês que não posso pedir nada que não seja a vontade perfeita do Pai. Não posso compreender como eu morrendo seria o melhor para todos nós, mas confio que se é isso o que Deus decidir, então é o melhor. Isso é apenas um pouquinho do que andar pela fé e não por aparências significa. Qualquer que seja o resultado, iremos louvar a Deus sabendo que é a sua vontade boa e perfeita.
Antes de ficar muito doente, fui convidada para dar um testemunho em um estudo bíblico de mulheres na igreja de Briarwood a respeito de sofrer pelo Evangelho. Depois que fiquei muito doente, percebi que provavelmente eu não poderia estar presente para dar esse testemunho. Por isso, decidi escrever o testemunho, para que outra pessoa lesse para o grupo de mulheres. Decidi que esse conceito é tão importante que seria bom o incluir em umas das cartas que estou escrevendo para vocês.
Paulo diz a Timóteo: “participa comigo dos sofrimentos, a favor do evangelho, segundo o poder de Deus, que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos, e manifestada, agora, pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual não só destruiu a morte, como trouxe à luz a vida e a imortalidade, mediante o evangelho, para o qual eu fui designado pregador, apóstolo e mestre e, por isso, estou sofrendo estas coisas;” (2 Timóteo 1:8-12). Então, no capitulo 2:3, Paulo diz: “Participa dos meus sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus.”.
Compartilhe no Facebook e ajude
outras pessoas que estão sofrendo
A primeira pergunta que você deve se fazer é: “Por quê?”. Por que um Deus amoroso permitiria que Seus preciosos filhos sofressem ou até mesmo os chamaria a sofrer? Quero dizer, Deus pode fazer qualquer coisa. Por que o Evangelho não pode ser: “Venha a mim e te darei saúde, riquezas e felicidade”? O Evangelho não podia ser assim? Alguns falsos pregadores da Palavra dizem ser esse o Evangelho. Nada poderia ser mais distante da verdade! Existem elementos de saúde, riquezas e felicidade na caminhada cristã, mas não acontece do lado de cá.
O problema é que somos criados com mentes finitas. Somos limitados em nossos pensamentos porque foi assim que Deus nos criou – limitados. Nenhum de nós pode entender plenamente a eternidade. Podemos tentar. Podemos chegar perto, mas não podemos realmente entender. Então, aqui estamos nessa terra, com nossas mentes finitas, tentando entender um conceito que realmente não podemos compreender – então falhamos. E, quando falhamos, começamos a focalizar e nos concentrar naquilo que compreendemos, no que sabemos: essa vida. E quando focalizamos nessa vida, tudo parece tão sofrido, toda nossa dor, todos nossos problemas parecem tão dolorosos, tão equivocados, tão abandonados por Deus. Quando, na verdade, sofrimento não deveria ser uma surpresa para nós. Deus não apenas nos diz para esperamos por sofrimento, Ele quer que vejamos o sofrer por Ele como um privilégio. Por quê?
Sofrimento acrescenta ao Reino. Nada atrai mais a atenção das pessoas do que ver alguém sofrendo e dando um testemunho cristão ao mesmo tempo. Vamos ser honestos, você pode cantar Aleluias quando você ganha na loteria, quando seu primeiro netinho nasce no dia do seu aniversário ou quando você foi promovido, mas quem se importa? Não estou dizendo que não é bom louvar a Deus por essas coisas. Claro que você deve louvá-Lo por essas coisas e se alegrar nelas, mas isso não leva as pessoas em direção à cruz. Quando você se alegra e O louva nos momentos bons, isso é esperado. Entretanto, quando você se alegra e louva a Deus em meio ao sofrimento, isso direciona as pessoas à cruz de Cristo. Não há nada em nós que escolheria fazer isso, então quando outros nos veem tomando uma atitude como esta, eles percebem que é somente pelo sangue de Jesus. Apenas o amor de Jesus, somente a fidelidade do Pai, poderiam atrair nossos corações para tão perto dEle durante essas situações.
É por isso que sofrer pelo Evangelho é um privilégio tão grande – esse sofrimento nos dá a chance de levarmos outras pessoas até Jesus. E não é para isso que existimos? Temos toda a eternidade para viver com Jesus em saúde, riquezas e felicidade. Mas temos apenas esse breve sopro de vida na linha do tempo da eternidade para levarmos pessoas até Cristo. E essa é a única chance que temos de criar qualquer tipo de impacto verdadeiro durante nossas vidas – levar pessoas a Jesus.
Se Deus tivesse me perguntado: “Ei Laura, você quer ter câncer por 5 anos e deixar seus preciosos filhos assistirem seu corpo adoecer e minguar enquanto se preocupam se vão ou não perder sua mãe, não tendo nada que você possa dizer ou fazer para confortá-los, por que você mesma não saberá se irei curá-la ou levá-la? Isso irá trazer pessoas até Mim, o que você acha?”. Não sei o que eu teria dito. Gosto de pensar que eu confiaria em Deus o bastante e teria fé o suficiente para dizer: “Qualquer coisa por Ti, Senhor”, mas não sei. Mas Deus não me deu uma escolha. Da mesma forma, na vida, vocês não terão uma escolha de sofrer ou não. Vocês, meus queridos filhos, já foram expostos ao sofrimento através dessa minha jornada. Vivemos num mundo falho e caído, e vocês irão sofrer. A pergunta é: vocês irão sofrer em vão ou irão sofrer pelo Evangelho? Escolham sofrer pelo Evangelho. O que isso significa é que quaisquer que sejam as circunstâncias que se apresentarem em suas vidas, vocês irão escolher lembrar que Deus sempre os ama e que Deus é sempre bom. Se vocês realmente acreditarem nessas verdades, então terão a fé necessária para andarem com segurança no meio da escuridão. Se tiverem a fé para continuarem andando, vocês O verão ao longo da jornada e acharão lugares dignos de louvor e ações de graças. Quando vocês acharem lugares ao longo da jornada dignos de louvor e ações de graças, então vão e compartilhem isso com outras pessoas, e isso as levará até Jesus. Se vocês direcionarem pessoas para Cristo, então vocês terão sofrido pelo Evangelho.
Deus não me deu a opção de andar ou não por esse caminho, mas Ele tem me dado a misericórdia, a compaixão e a graça para andar por esse caminho. Descobri ser realmente verdade que as Suas misericórdias se renovam a cada manhã. Sua compaixão nunca falha. Sua graça é realmente suficiente. Até mesmo esse caminho duro e longo que tenho seguido tem sido repleto de bênçãos sem medida. Houve muitas, muitas pessoas que sofreram pelo Evangelho e nunca viram a recompensa por seus sofrimentos até que chegaram ao céu. Deus tem sido gracioso ao me permitir ver alguns dos benefícios gerados através desse sofrimento. Pessoas já me disseram que vieram a conhecer a Cristo por causa do meu sofrimento, outras aprofundaram na fé por causa do meu sofrimento, que a fé delas é maior por causa do meu sofrimento. Isso é suficiente. Espero que seja suficiente para vocês também. Se Deus escolher me levar de volta ao lar, por favor, saibam que tudo isso não foi em vão. Por favor, saibam que Deus permitiu que o sofrimento de nossa família levasse pessoas até Ele. Espero que vocês se alegrem nisso. Eu sinto muito, muito mesmo pelo sofrimento de vocês. Nem tenho palavras que possam adequadamente expressar o quanto sinto por vocês. Mas minha oração é que a glória de Deus seja maior que a dor que vocês estão sentindo. Amo tanto vocês três. Obrigada por andar por esse caminho comigo. Obrigada por me amar, apoiar, orar comigo e por mim, e por estarem ao meu lado todos os dias. Vocês não fazem ideia do quanto isso me ajudou. Sou para sempre grata.
Amo vocês,
Mamãe.
Por Laura Gaultney Black Copyright © 1997-2012 CaringBridge®, a nonprofit organization.
Tradução: cedida gentilmente ao voltemosaoevangelho.com por Marcela Soares Arledge. Um agradecimento a irmã da Marcela, Débora Pereira por mandar esta pérola para nós!
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.


Leia mais: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2012/09/sofrer-pelo-evangelho-a-carta-de-uma-mae-com-cancer/#ixzz2GjL7zJ4m

ASSISTA ESTE VÍDEO

Neste emocionante vídeo, que não precisa de apresentações, Ian e Larissa encarnam a demonstração de que o casamento é primariamente uma questão de demonstrar o amor fiel entre Cristo e Sua Igreja.

Leia mais: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2012/12/o-melhor-do-ano-de-2012/#ixzz2GjGOdDal