quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

NORMAN GEISLER-9 RAZÕES PORQUE DEVEMOS CONHECER A DEUS.

O famoso escritor A. W. Tozer escreveu um livro falando que a coisa mais importante a seu respeito é aquilo que você sabe a respeito de Deus, seu conhecimento de Deus. Eu quero lhes dar várias razões de por que isso é verdade.
1. Ideias têm consequências e as ideias que você tem as respeito de Deus são as que têm maiores consequências.
Por sinal, “Ideias têm consequências” é um titulo de um famoso livro que fala sobre as ideias de Adolf Hitler e as consequências delas. Essas ideias e as consequências delas foram milhares de pessoas assassinadas. Karl Marx teve uma ideia e as suas ideias também levaram  ao assassinato em massa de milhões de pessoas. Muitas pessoas tiveram uma ideia chamada aborto e é uma vergonha dizer que nos EUA foram assassinados 50 milhões de crianças na década de 70. Não acredito que preciso convencê-los que ideias têm consequências. E se Deus é a maior ideia que alguém jamais pode ter, então Deus é a ideia que terá mais consequências que qualquer outra ideia que você possa ter. Então, o que você pensa a respeito de Deus é a coisa mais importante que você pode pensar a respeito de si mesmo.
2. Não podemos ser como Deus a não ser que saibamos como Deus é
A Bíblia nos diz que devemos ser como Deus. Aliás, esse é o subtema desta conferencia: “sejam santos, porque eu sou o Senhor, o Deus de vocês” (Levítico 20:7), Jesus é perfeito, como o Pai dele nos céus é perfeito e assim nós devemos ser (Mateus 5:48). Devemos ser como Deus e se não soubermos como Ele é, isso não será possível.
3. Não podemos conhecer o Deus verdadeiro a não ser que conheçamos a verdade a respeito de Deus.
Jesus disse “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” e que devemos adorar em espírito e em verdade, mas você não pode adorar ao Deus verdadeiro se você não conhecer a verdade a respeito de Deus. Aliás, quando Jesus disse que devemos adorar em verdade, Ele está dizendo que a não ser que digamos a verdade a respeito de Deus, não o adoramos verdadeiramente. Nós não podemos honrar e adorar a Deus dizendo coisas falsas as respeito dele. Se você diz coisas falsas a respeito de sua mãe, você não está honrando sua mãe. O mesmo com Deus.
4. Não podemos reconhecer falsos deuses a não ser que conheçamos o Deus verdadeiro
Você não conhece algo falsificado a não ser que conheça o verdadeiro e original. Na verdade, alguns especialistas na área de falsificação me disseram que eles não gastam tempo estudando as coisas falsas, mas as notas verdadeiras de dinheiro. Eles se tornam conhecedores profundos daquilo que é real, porque se eles não forem especialistas no genuíno não reconhecerão o falso. As pessoas dizem “eu creio em Deus”, e eu pergunto “em qual Deus você crê?”, porque nem todos os deuses são verdadeiros. E nós não conheceremos o Deus verdadeiro se não reconhecemos a verdade a respeito dEle e nós não reconhecemos os falsos deuses se não reconhecermos o Deus da escritura.
5. Todos os falsos deuses são ídolo e eles podem ser tanto de metal como da mente
A maioria das pessoas consegue reconhecer um deus de metal, mas às vezes não conseguimos reconhecer um falso deus mental. A bíblia diz que não devemos ter nenhum outro Deus diante dEle.
6. Temos uma tendência de nos tornar como aquilo que adoramos
Quando estava no ensino médio, eu praticava basquete, beisebol e corridas e para isso, eu precisava de um modelo. Você precisa de uma pessoa que você usará para modelar a sua vida conforme aquele modelo.  E se você observa as pessoas descobrirá que elas têm uma tendência para imitar os artistas e as estrelas que elas gostariam de ser; ou seja, elas têm uma tendência de se tornar como seu modelo. Ora, Deus é o mais alto modelo do universo, então temos que modelar nossas vidas de acordo com Ele. É isso que queremos dizer sobre “piedoso”, que é ser “como Deus”. Esse é um fato psicológico, tendemos a nos semelhar a nossos modelos. Então, se modelarmos nossa vida em Deus, seremos formados a imagem dEle.
7. Não podemos nos conhecer verdadeiramente a não ser que conheçamos verdadeiramente a Deus
Sócrates disse “conhece-te a ti mesmo”, o cristianismo diz “conheça a Deus”. Então, se, de fato, você quer se conhecer, não precisa ir atrás de um psicólogo, por que eles o apontarão a direção errada. Eles falarão para olhar para dentro de si e para o passado. Mas a única maneira de conhecer a si mesmo é olhar para cima. Por que isso? Por que a melhor maneira de entender uma cópia é estudar o original. Nós todos já olhamos para cópias ilegíveis. O que fazemos? Pegamos o original e tentamos encontrar a resposta. Nós somos cópias de Deus, criados a sua imagem e semelhança. Se você quer saber quem você é, olhe para o original. Se você quer saber quem você é, olhe para Aquele que o fez a Sua imagem.
8.  Se não vivermos de acordo com o que está acima de nós, o que está abaixo de nós sugará o que somos pra baixo.
É por isso que Paulo disse “pensai nas coisas lá do alto” (Colossenses 3:2), e disse em Filipenses 3 que ele corre para o alvo, que é Cristo (Filipenses 3:14). Eu tenho 6 filhos e enquanto eles cresciam queríamos que eles tivessem um bom modelo em suas vidas, queríamos que eles mirassem alto. Então, sempre que eles sentavam-se à mesa para comer, havia a foto de uma moça com uma maçã sobre a cabeça em nossa parede, com uma flecha na testa da moça e havia uma frase “para ter sucesso, mire mais alto”. A maioria de nós não mira alto na vida. Olhamos para outra pessoa e dizemos “quero ser como ela”, mas elas são pessoas caídas e pecadoras como nós e em algum momento irão desapontá-lo, como tudo neste mundo. Só existe uma pessoa que jamais irá desapontá-lo e é Deus! Se você quer ser como Ele, olhe para Deus; se você não quer que o que está abaixo de você o puxe, olhe para o que está acima.
Quando me tornei cristão, 62 anos atrás, eu aprendi minha primeira lição: “que a vida cristã não é difícil, mas é impossível de ser vivida na própria força”. Se não posso viver na minha própria força, posso viver a através de Cristo que me fortalece (Filipenses 4:13).
9. Um compromisso que é menos do que um compromisso final não irá satisfazê-lo completamente
Paul Tillich, um teólogo liberal, dizia que um compromisso real é um compromisso final. Mas este último compromisso tem que ser um compromisso com aquilo que é de fato final.
Meu livro favorito do Antigo Testamento é o Eclesiastes. No capitulo um, Salomão nos diz que ele provou de tudo debaixo do céu para satisfazer a si mesmo. Ele tentou mulheres, vinho, impiedade, trabalho, riqueza. Ele tinha tudo que podia ter, mas não tinha razão para viver. As únicas pessoas que acham que a riqueza pode trazer felicidade são os pobres, porque quem as tem sabem que as riquezas não trazem satisfação. O fato é o seguinte: o desejo interior que nós temos pelo infinito jamais será satisfeito pelo que é finito. O desejo pelo que é eterno jamais será satisfeito pelo temporal. Esse espaço no coração do homem que é do tamanho de Deus só pode ser preenchido por Deus. Existem formas básicas pelos quais os homens tem buscado satisfação e uma delas é o materialismo. Ele diz que a felicidade está no dinheiro e nas coisas, mas ninguém fica feliz ao acrescentar posses. Jesus diz que a vida do homem não consiste nas suas posses e Paulo disse que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Então, a felicidade não está no dinheiro.
Outros buscam a felicidade em religiões orientais. Os jovens vêm seus pais, ricos, mas infelizes, e, com isso, começam a procurar em Buda sua felicidade, que pregou que abrir mão de suas riquezas e prazeres o deixará feliz, em um nirvana. A questão é que mudar seus desejos não vai satisfazes você. Uma pedra não tem desejos, mas também não é feliz.
Como alguém pode ser feliz, então? É redirecionar suas paixões ao Deus Único que pode satisfazê-lo, porque apenas Aquele que é infinito pode satisfazer um desejo infinito. Deixe que o Deus eterno preencha seus desejos por eternidade. Nada menos que aquilo que é o máximo pode satisfazer seus desejos. Eu descobri isso quando adolescente. Eu cresci em uma família não-cristã e nunca fui para uma igreja. Meu tio favorito era ateu. Mas eu não era feliz. Eu procurava Deus. Uma igreja tinha um ônibus que levava jovens para a escola dominical e fui nele. Ouvi sobre Jesus, que disse “vim para que tenham alegria, e alegria completa” (João 17:13). Meu coração clamava por felicidade, e aquele vácuo que estava no meu coração foi preenchido por Deus. Entreguei minha vida a Jesus Cristo e agora, por mais de 62 anos, tenho O servido. Posso lhe dizer com certeza que só Jesus satisfaz. Nada mais vai preencher seu último desejo.
Deixe-me ilustra contando sobre como Ele fez isso por mim. Aos 17 anos entreguei minha vida Cristo, e foi uma transformação completa. Antes de me tornar cristão, vim de uma família sem qualquer cultura. Não tínhamos livros, meu pai só estudou até o quarto ano, minha mãe só até o sétimo. Eu me formei no ensino médio sem nunca ter lido nenhum livro. Eu fui expulso da minha sala de literatura por que a professora perguntou como a história terminava e eu não sabia. Mas Deus estava trabalhando em minha vida. Deus me mandou por todo o mundo, lendo um livro, falando de Jesus. O Brasil é o 31º país que visito e embora eu não tenha lido nenhum livro no ensino médio, hoje escrevi 80 livros.
Deus é grande e Deus é bom, e se você entregar sua vida a Ele, Ele encherá sua vida de satisfação e alegria abundante. Ele o tomará, equipará e usará. Você pode dizer que é pobre – nós éramos tão pobres que comemos nosso coelhinho de estimação, a Nancy. Você consegue comer um coelho, mas não seu de estimação (risos). Deus pode tirá-lo de qualquer lugar para satisfazer seu coração. Lembra-se de Moises? Ele disse para Deus que não era eloquente e pediu para alguém ir em seu lugar. Deus mandou Moisés jogar o cajado no chão, e ele se tornou vivo. Deus o mandou pegar de novo, e tonou-se um cajado. Deus fez sua mão ter lepra e deixar de ter, com um movimento de mão. Deus o mandou bater nas águas com o cajado, e as águas se dividiram. Moisés deu para Deus o que ele tinha, e Deus deu a Moisés o que ele não tinha.
Todos nós estamos aqui buscando a santidade – sem a qual ninguém verá o Senhor. Estamos buscando, também, felicidade. Felicidade esta que só é encontrada em Deus. E o mundo ainda está para ver o que acontecerá com uma pessoa totalmente satisfeita e dedicada a Deus. O versículo da minha vida é Filipenses 1:21: “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho”. Se Ele me deixar viver, viverei para Ele; se eu for morto, eu viverei com Ele. Você não pode superar essa filosofa.
Um bandido apontou uma arma para um cristão e ameaçou matá-lo se não desse o seu dinheiro. Ele respondeu: “você não pode me ameaçar com o céu”. A pior coisa que pode acontecer com você é a melhor coisa que pode acontecer com você, porque viver é Cristo e morrer é lucro.
9 razões porque devemos conhecer a Deus

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

RESTAURANDO O FERVOR ESPIRITUAL.


Texto base: Apocalipse 3:14-20

Introdução

Os anos dramáticos da perseguição haviam chegado. A igreja estava encurralada, entrincheirada por forças hostis, por violência desumana. Havia chacina e banhos de sangue por todo o império romano, onde vários crentes eram mortos e trucidados. Eles eram queimados em praça publica, comidos por leões e pisoteados por touros. Os imperadores morriam e eram sucedidos, um a um, mas a perseguição não cessava. Todos os apóstolos já estavam mortos quando o apóstolo João é deportado, já velho, para a ilha de Patmos – talvez, uma tentativa de eliminar o último representante do cristianismo. Enquanto o imperador tentava destruir a Igreja, Deus estava a edificando. Enquanto João estava cercado por águas, isolado, reduzido a uma solidão imperiosa, enquanto todas as portas se fecharam para ele, Deus lhe abriu uma porta nos céus. Foi em um dia de domingo que Ele teve a visão. Uma voz soou como trombeta por detrás dele, dizendo: “o que vê escreve neste livro”. Quando ele foi ver quem era, ela não viu quem falava, mas viu 7 candeeiros e 7 castiçais e um semelhante ao filho do Homem. A única maneira de o mundo ver a Jesus é por meio da Igreja. A Igreja é o corpo de Cristo. A Igreja revela a Cristo. É por isso que congressos como este são tão importantes, pois mostra a unidade do povo de Deus e a beleza do evangelho de Jesus Cristo.
Se não percebermos a presença do Cristo da glória entre nós, uma conferência nada mais é que um encontro religioso.
Quando João vê o filho do Homem ali, ele percebe que não é mais o Cristo fraco do Calvário, com o rosto sujo de sangue, com a voz embargada pela sede, cujos olhos estavam inchados, cujas mãos estavam rasgadas pelos pregos e cujos pés estavam cravados na rude cruz. Mas Seus olhos brilham como chamas de fogo, Seu rosto brilha como o sol, Seus pés são como o bronze polido. Ele é o Cristo Vencedor, que venceu a mote pela sua ressurreição, que governa a Igreja e que a tem em Suas poderosas mãos. Diz a escritura que João caiu como morto aos Seus pés com essa visão. Mas Deus o levantou e disse que Ele esteve morto, mas que agora vive! Nós adoramos um Cristo vivo que reina pelos séculos dos séculos.
A Bíblia diz que Jesus não está só dentro da Igreja, mas andando dentro dela. Ele anda por meio das igrejas para nos instruir, consolar, exortar, vigiar e nos fazer grandes promessas. Se não percebermos a presença do Cristo da glória entre nós, uma conferência nada mais é que um encontro religioso. Não são as pessoas ilustres, não são os preletores escolhidos com tanto carinho, nem as orquestras e as bandas que nos brindam com músicas tão boas… Somos atraídos para eventos como esse pela única consciência que Jesus Cristo, O Senhor da glória, está entre nós.
Nas sete cartas, Jesus sempre repete: “Eu conheço”. Ele anda entre nós para conhecer nossas obras e nossas vidas. Ele conhece seus atos, conhece sua vida, seu casamento, o modo como você trata seu marido, filhos e pais. Ele conhece o que sua igreja não conhece. Ele conhece a intimidade e os segredos do seu coração. E não se deixe enganar pelo desempenho e pela beleza de nossos gestos, Ele conhece a intimidade de nossa alma e os segredos de nossos corações.
Para igreja de Esmirna Ele diz que conhece sua tribulação. Jesus conhece sua dor,  suas lágrimas, suas dores, suas angustias, sua necessidade e os seus desafios. Já para a igreja de Pérgamo, Ele diz que conhece o lugar onde eles habitavam, onde estava o templo de satanás. Lá havia o templo do deus da cura, representado por uma serpente. Naquele primeiro século, a cura não era atribuída a Deus, mas a essa dita divindade. Além disso, esta era a primeira cidade a estabelecer o culto ao imperador. O Senhor conhecia onde eles habitavam. Jesus conhece onde você está.
Jesus tece apenas elogios a duas igrejas, e justamente as mais pobres. Como Jesus e diferente de nós. Ele anda no meio da sua igreja e a vê como nós não vemos. “Tu és pobre, mas aos meus olhos tu és rica”, disse o Senhor. Uma igreja pode ser considerada desprezível aos olhos da terra e ser rica no Senhor. Por outro lado, ele se dirige a igreja mais rica da Ásia e diz: “Tu és pobre, cega e nu”. Deus não se impressiona com aquilo que impressiona o homem, os céus não se impressionam com o que impressiona a terra. Ele elogia Filadélfia dizendo: “tens pouca força, mas coloquei diante de ti uma porta aberta”. Os recursos sempre nos são poucos para que sempre dependamos do braço divino, e não da força da carne.

As Críticas à Igreja de Laodiceia

Jesus elogia e critica várias igrejas, mas somente à de Laodicéia Jesus não tem elogio algum, apenas criticas. Vamos olhar para as figuras de linguagem que Jesus usou. Por que Jesus lê o texto e o contexto, ele vê o povo e a cultura. Precisamos conhecer o comercio da nossa cidade, a economia da nossa cidade, a cultura de nossa cidade para dar respostas para perguntas relevantes.
Primeiro, Laodicéia ficava no vale de um rio de águas térmicas. Pessoas do mundo inteiro vinham ser tratadas pelas águas quentes que saíram da fonte, na cidade vizinha de Laodicéia. As águas da outra cidade vizinha tinham águas frias, terapêuticas. Já as águas de Laodicéia vinham de um duto, que eram mortas, intragáveis e inúteis para a medicina. Jesus aplica isso: quem te dera fosse fria como as águas de Colossos ou quente como as de Hierápolis, mas tu és morna, vomitar-te-ei.
Segundo, Laodicéia era o centro bancário da época, que processava todo o ouro da Ásia. Jesus diz pra ela: você, que é orgulhosa do seu ouro, é pobre espiritualmente.
Terceiro, porque fala de roupas brancas? É por que eles eram o maior centro têxtil da Ásia. Lá se fabricava a famosa lã negra e era exportada para o resto do mundo. Jesus diz: “te aconselho que te vistas com roupas brancas”.
Quarto, por que ele fala de colírio? Por que eles eram o maior centro oftalmológico da Ásia menor, onde se produzia certo pó que cuidava dos olhos. Mas Jesus diz que eles podem ter ciência pra tratar dos olhos do corpo, e serem cegos para ver com a alma.
Não há como ser só amigo do evangelho ou frequentador nominal. Ou você se envolve de todo o coração a Deus, ou você se prostra diante do Senhor dos Senhores ou sua vida vai provocar náuseas em Jesus.
Jesus identifica falta de fervor espiritual, mas, primeiro, não havia denúncias de heresias naquela igreja, eles eram ortodoxos. Não há denuncias de imoralidade naquela igreja, eles eram bem morais. Terceiro, não há palavras de perseguição. Eles viviam em paz nas suas fronteiras. Não há sinal de pobreza material naquela igreja, eles eram ricos. Talvez ficássemos muitos orgulhosos de fazer parte de igrejas ortodoxas, ricas, éticas e em paz, mas a maior censura foi para eles. O que faltava era fervor espiritual. E o texto começa falando sobre o fervor da igreja.
Vivemos uma crise sem precedentes no Brasil. Cresce o liberalismo, cresce o misticismo, o sincretismo, a teologia da prosperidade, o copo d’água ungido, a rosa ungida mística e toda coisa que afasta o povo das verdades da Escritura. Mas, por outro lado, há o severo risco de igrejas éticas ortodoxas, ricas e pacificas viverem uma ortodoxia morta, sem vida, sem entusiasmo, sem calor. As coisas só acontecem. Você vai e volta da igreja, evangeliza, prega, mas perdeu o fervor, o primeiro amor, já não sabe o que é chorar pelos pecados ou ter um vislumbre da glória do Cristo crucificado e ressurreto em seu meio. Precisamos orar para que Deus inflame outra vez sua igreja. Precisamos nos voltar para a Bíblia, mas também voltar para o Deus da Bíblia para experimentarmos um avivamento na nossa nação brasileira.
Ao andar por todo o Brasil, eu sei que precisamos desesperadamente de um reavivamento em nossa nação e não adianta usarmos frases de efeito, precisamos de oração para que o calor de Deus volte a aquecer a nossa alma. Eu olho para a história da Igreja e vejo homens como George Whitefield e não consigo entender. Vejo a biografia de Moody, homem inculto e sem muita instrução, mas caminhava por Nova Iorque e o Espirito ia sobre ele. Eu preciso do fervor destes homens. Precisamos que Deus nos dê este fervor. Tudo o que conseguimos dizer é que no passado multidões seguiam a Cristo, mas hoje conseguimos pensar muito pouco sobre o que Deus está fazendo. Precisamos de uma restauração de nosso fervor. Existe muito fogo estranho por aí, mas o fogo de Deus precisa se alastrar sobre nós.

Os Conselhos à Igreja de Laodiceia

No texto bíblico, Jesus continua dando conselhos para a Igreja, se apresentando como um mercador. Ele diz: “compre de mim vestes e colírio”. A solução para a falta de fervor da igreja não é correr a traz da ultima novidade, mas em uma volta pra Jesus. Jesus é quem tem o remédio para a Igreja, quem restaura a Igreja, quem pode trazer um derramamento do Espirito para a Igreja. É a Ele que precisamos recorrer.
No verso 19, Jesus faz uma declaração e uma ordem. Ele diz que a despeito da nossa mornidão e falta de fervor, Ele diz que nos ama e que não desiste de nós. Ele não quer apagar o pavio que fumega, mas nos repreende por que nos ama e morreu por nós. Ele diz: “sê, pois zeloso e arrepende-te”. Não há como ser só amigo do evangelho ou frequentador nominal. Ou você se envolve de todo o coração a Deus, ou você se prostra diante do Senhor dos Senhores ou sua vida vai provocar náuseas em Jesus. Nós fomos salvos para o deleite de Deus, mas se vivermos sem fervor, provocaremos náuseas em Jesus. Por isso no verso 20, ele está à porta e bate. Ele está batendo e batendo e batendo. Ele está insistindo que você largue estas migalhas e vá para o banquete. O que Ele quer aqui é intimidade com você, na mesa dele, num lugar de comunhão intima, sem holofotes, sem auditório, sem palcos. É no seu quarto, de joelhos. Ele quer cear com você, olhar nos seus olhos, dar-lhe a liberdade de debruçar sua cabeça no peito dele e que você compartilhe suas mais intimas necessidades.
Que resposta você vai dar? Deixará que a igreja se reúna com Jesus fora dela? Podemos ter aparatos e grandes convidados, mas o mais importante pode estar excluído. Jesus está à porta e bate, se você ouvir a voz e abrir a porta, Ele ceará com você.
Em ultimo lugar, ele faz promessas. Ele diz que é o Amem, a testemunha de Deus, o principio da criação de Deus. Ele é a palavra de Deus, Ele pode fazer promessas. Ele é o primeiro de tudo.
Ele diz que ao vencedor, deixará que sentemos no trono com ele. Vamos sair da cumplicidade da mesa e vamos para a exaltação publica no trono. Ele não quer você apenas no céu, mas também no trono. As riquezas de Laodicéia eram nada diante da grandeza destas promessas. As riquezas da terra são completa escassez diante das riquezas do céu.
Hoje, onde existiam estas igrejas, só existem ruínas. Elas não ouviram a voz do Espirito e não atenderam a voz de Jesus. Não podemos deixar que nossas igrejas se tornem museus ou mesquitas. Precisamos ouvir o que o Espírito diz às igrejas.
Nós fomos salvos para o deleite de Deus, mas se vivermos sem fervor, provocaremos náuseas em Jesus.
Por Hernandes Dias Lopes na 14ª Consciência Cristã

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

TOME A SUA CRUZ E SIGA-ME.



E, chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se  a si  mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me.Porque qualquer que quiser salvar a sua vida perdê-la-á, mas qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará. Pois que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?(Mc8. 34-36).
Aceitar Jesus como Senhor e Salvador requer não somente crer na veracidade do evangelho, mas também assumir o compromisso de segui-lo com abnegação.
Cada dia é preciso considerar a resolução de negar-se a se mesmo, ou viver para seus próprios desejos egoístas.
Essa escolha determinará nosso destino eterno.
A cruz de Cristo é símbolo de sofrimento (I Pe2. 21- Porque para isto sois chamados, pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas),
 Morte (At 10.39), Vergonha (Hb 12.2),
Zombaria (Mt 27.39), Rejeição (IPe 2.4) e Renúncia pessoal (Mt 16.24).
Quando o crente toma sua cruz e segue a Cristo, ele nega-se a si mesmo
 (Lc 14.26,27) ele decide abraçar quatro classes de lutas e sofrimentos:
1.   Lutar até o fim contra o pecado (IPe 4.1,2; Rm 6) crucificando suas próprias concupiscências
(I Pe 2.11,21-24; Gl 2.20; 6.14; Rm 6; 8.13; Tt 2.12)
2.   Lutar contra Satanás e os poderes das trevas, para estender o reino de Deus
(2 Co10. 4,5; 6.7; Ef 6.12; 1Tm 6.12),
2.2e enfrentar a hostilidade do adversário e das hostes infernais (2Co 6.3-7; 11.23-29; 1Pe 5.8-10),
2.3 bem como a perseguição que surge por resistirmos aos falsos mestres que distorcem o verdadeiro evangelho
(Mt 23.1-36; Gl 1.9; Fp1. 15-17)
3.   Sofrer o opróbrio, o ódio e o escárnio do mundo 
(Hb 11.25,26; Jo 15.18-25)
3.1por testificarmos, com amor, que suas obras são más (Jo 7.7)
     3.2    Por separarmo-nos dele moral e espiritualmente e
     3.3 por rejeitarmos seus padrões e suas filosofias (1Co 1.21-27).
JESUS CONSIDERA O MUNDO E A SOCIEDADE EM QUE VIVEMOS COMO “GERAÇÃO ADÚTERA E PECADORA”.
TODOS OS QUE PROCURAM POPULARIDADE OU BOA ACEITAÇÃO NESTA GERAÇÃO MÁ, AO INVÉS DE SEGUIR A CRISTO E SEUS PADRÕES DE JUSTIÇA, SERÃO REJEITADOS POR ELE NA SUA VINDA 
(Mt 7.23; 25.41-46)
Fonte:BEP
Compilado por: Ev.Jorge Gonçalves do Nascimento

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

AS BEM-AVENTURANÇAS DOS "PASTORES IDIOTAS"

As bem-aventuranças dos "pastores idiotas"
 
Bem-aventurados sois vós, "pastores idiotas", quando fordes xingados com este epíteto simplesmente por acreditardes no que disse Jesus: "Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem consomem, e onde os ladrões minam e roubam" (Mateus 6.9). Tal ato insano, ao invés de vos maldizer, mostra que ainda estais firmes na verdade.
Bem-aventurados sois vós, "pastores idiotas", que não sucumbistes aos "encantos" da teologia da prosperidade por compreender que "os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína" (1 Timóteo 6.9). Não vos entristeçais, nem penseis que estais sozinhos. Há muitos outros "idiotas" convosco, inclusive o apóstolo Paulo.
Bem-aventurados sois vós, "pastores idiotas", por não vos curvardes aos arautos que vos maltratam em virtude de crerdes que aos ricos deste mundo a Palavra de Deus ordena: "Não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas" (1 Timóteo 6.7). Tal maldição é, na verdade, um reconhecimento de que pondes a vossa confiança não nas riquezas desta vida, mas na abundância que vos é dada para a glória de Deus.
Bem-aventurados sois vós, "pastores idiotas", que resistis aos apelos dos que vos querem enredar com o brilho do ouro que perece, porque vós bem sabeis que é vosso dever continuardes a ensinar às suas ovelhas "que façam o bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis" (1 Timóteo 6.18). Saibais que outros "pastores idiotas" iguais a vós foram já recebidos na glória e aguardam o precioso galardão.
Bem-aventurados sois vós, "pastores idiotas", porque não perdestes a visão da semeadura e, por isso mesmo, sabeis que não se ganham almas com o glamour das riquezas humanas, mas com a sementeira do evangelho. Sem esquecerdes da advertência da parábola do semeador, que diz: "Os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera" (Mateus 13.22).
Bem-aventurados sois vós, "pastores idiotas", por não perfilardes o triunfalismo da pregação humanista, centrada no homem, que enriquece a quem prega e defrauda a quem ouve. Ainda que vos pareça estardes "fora do modelo contemporâneo", alegrai-vos porque continuais apegados ao modelo bíblico, que diz: "Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo" (Gálatas 6.14).
Bem-aventurados sois vós, "pastores idiotas", que embora injuriados pela vossa pregação "arcaica", ainda carregais no bolso do vosso coração a credencial de servo do Altíssimo, enquanto alguns já a trocaram pelas credenciais de semideus, arrogante e soberbo e usam-na ao sabor das circunstâncias para se locupletarem em cima da lã de suas ovelhas.
Bem-aventurados sóis vós, "pastores idiotas", que, enquanto alguns voam os céus do mundo em modernos jatinhos, trafegam as grandes avenidas em luzentes automóveis e se deleitam nos mármores de grandes mansões, o vosso prazer é estar junto das ovelhas, alegrardes com elas e, se preciso for, dar por elas a vossa própria vida. Não vos esqueçais que outros "idiotas" iguais a vós se encontram já no Reino do Pai.
Bem-aventurados sois vós, "pastores idiotas", que preferis o "prejuízo" da coerência, da fidelidade a toda prova aos princípios imutáveis da Palavra de Deus, do que sucumbirdes - ainda que tentados - às lentilhas que se vos oferecem para amenizar eventuais necessidades imediatas. Mais vale o pão dormido da consciência tranquila do que os banquetes da consciência aprisionada.
Bem-aventurado sois vós, "pastores idiotas", pelo modo como sois tratados por amor do nome do Senhor e por não vos enredardes pelo brilho passageiro da glória humana. Não sois melhores por isso, mas também não sois piores. Todavia, enchei o vosso coração de alegria porque o vosso nome faz parte da galeria dos heróis da fé que professam somente a Cristo e têm Deus como o bem maior da vida. Tende como lema o que Paulo ensinou: "Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos" (Filipenses 4.4).
Assina um "idiota" como todos vós.
Fonte: http://geremiasdocouto.blogspot.com/2012/01/as-bem-aventurancas-dos-pastores.html