sábado, 31 de julho de 2010

3 PERGUNTAS SOBRE O FIM DOS T EMPÓS.

"Tendo Jesus saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos para lhe mostrar as construções do templo. Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada. No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estais coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século. E ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos. E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares; porém tudo isto é o princípio das dores. Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome. Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros; levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo. E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá o fim. Quando, pois, virdes o abominável da desolação de que falou o profeta Daniel, no lugar santo (quem lê entenda), então, os que estiverem na Judéia fujam para os montes; quem estiver sobre o eirado não desça a tirar de casa alguma coisa; e quem estiver no campo não volte atrás para buscar a sua capa. Ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Orai para que a vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado; porque nesse tempo haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais. Não tivessem aqueles dias sido abreviados, ninguém seria salvo; mas, por causa dos escolhidos, tais dias serão abreviados. Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: Ei-lo ali! Não acrediteis; porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grande sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos. Vede que vo-lo tenho predito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto!, não saiais. Ou: Ei-lo no interior da casa!, não acrediteis. Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra no ocidente, assim há de ser a vinda do Filho do Homem. Onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão os abutres" (Mt 24.1-28).
Sobre os acontecimentos dos tempos finais, é recomendável ler também os versículos restantes de Mateus 24 e todo o capítulo 25. A respeito, vamos perguntar-nos:
1. A quem Jesus dirigiu, em primeiro lugar, as palavras de Mateus 24 e 25?
A resposta é: basicamente aos judeus – e não à Igreja
• Nessa ocasião a Igreja ainda era um mistério. Somente no Pentecoste ela foi incluída no agir de Deus e, posteriormente, revelada através de Paulo.
• Portanto, o texto também não está falando do arrebatamento, quando Jesus virá para buscar Sua Igreja, mas trata da volta de Jesus em grande poder e glória para Seu povo Israel, após a Grande Tribulação (Mt 24.29-31). Jesus só falou do arrebatamento mais tarde, pouco antes do Getsêmani, como está registrado em João 14. Até então os discípulos, como judeus, só sabiam da era gloriosa do Messias que viria para Israel (por exemplo, Lucas 17.22-37).
• Os discípulos a quem Jesus Se dirigiu em Mateus 24 e 25 evidentemente eram judeus. Em minha opinião, eles simbolizam o remanescente judeu fiel, que crerá no Messias no tempo da Grande Tribulação.
• No sermão profético do Senhor Jesus no Monte das Oliveiras, Ele predisse como será a situação dos judeus no período imediatamente anterior à Sua volta.
• Falsos profetas e falsos cristos, como são chamados em Mateus 24.5,23,26, representam um perigo para Israel. A Igreja enfrenta outros perigos, pois deve preocupar-se mais com falsos mestres, falsos apóstolos e falsos evangelistas e em discernir os espíritos (2 Co 11.13; 2 Pe 2.1; Gl 1.6-9). Filhos de Deus renascidos pelo Espírito Santo certamente não vão sucumbir às seduções de falsos cristos e cair nesses enganos.
• O "abominável da desolação" (Mt 24.15) diz respeito claramente à terra judaica, ao templo judaico e aos sacrifícios judeus. Já o profeta Daniel falou a respeito. E Daniel não falava da Igreja, mas de "teu povo... e de tua santa cidade" (Dn 9.24).
• A frase: "então, os que estiverem na Judéia fujam para os montes" (Mt 24.16), é bem clara. Trata-se nitidamente da terra de Israel. Pois no Novo Testamento a Igreja de Jesus nunca é conclamada a fugir para os montes.
• Igualmente o texto que fala do sábado diz respeito aos judeus, aos seus costumes e suas leis (v. 20).
• Também a parábola da figueira (v. 32) é uma representação simbólica da nação judaica. Do mesmo modo, a expressão "esta geração" (v. 43) aplica-se a Israel.
2. A que época o Senhor se refere em Mateus 24?
A resposta à pergunta anterior nos conduz automaticamente ao tempo em que esses fatos acontecerão. Trata-se da época em que Deus começará a agir novamente com Seu povo Israel de maneira coletiva, levando o povo da Aliança ao seu destino final (v. 3), que é a vinda do seu Messias e o estabelecimento de Seu reino. O centro de todas as profecias de Mateus 24 e 25 é ocupado pelos sete anos que são os últimos da 70ª semana de Daniel (Dn 9.24-27). Devemos estar cientes de que esse período é a consumação do século, o encerramento de uma era, e não apenas o transcorrer de um tempo. O sinal do fim dos tempos é a última semana, a 70ª semana de Daniel.
Todos os sinais que o Senhor Jesus predisse em Mateus 24, que conduzirão à Sua vinda visível (v. 30), têm seus paralelos no Apocalipse, nos capítulos de 6 a 19. Mas nessa ocasião a Igreja de Jesus já terá sido arrebatada, guardada da "hora da provação" (Ap 3.10).
Os últimos sete anos – divididos em três etapas (Mt 24.4-28)
1. Os versículos 4-8 descrevem, segundo meu entendimento, a primeira metade da 70ª semana de Daniel. O versículo 8 diz claramente: "porém tudo isto é o princípio das dores". As dores não dizem respeito a uma época qualquer, elas definem especificamente o tempo da Tribulação, comparado na Bíblia "às dores de parto de uma mulher grávida" (1 Ts 5.3; veja também Jr 30.5-7). O princípio das dores são os primeiros três anos e meio da 70ª semana. Assim como existem etapas iniciais e finais nas dores que antecedem um parto, também esses últimos 7 anos dividem-se em duas etapas de três anos e meio. Há um paralelismo e uma concordância quase literal entre Mateus 24.4-8 e Apocalipse 6, onde o Senhor abre os selos de juízo:
• Falsos cristos (Mt 24.5) – primeiro selo: um falso cristo (Ap 6.1-2).
• Guerras (Mt 24.6-7) – segundo selo: a paz será tirada da terra (Ap 6.3-4).
• Fomes (Mt 24.7) – terceiro selo: um cavaleiro montado em um cavalo preto com uma balança em suas mãos (Ap 6.5-6).
• Terremotos (Mt 24.7), epidemias (Lc 21.11) – quarto selo: um cavaleiro montado em um cavalo amarelo, chamado "Morte" (Ap 6.7-8).
2. Nos versículos 9-28 temos a descrição da Grande Tribulação, ou seja, a segunda metade (três anos e meio) da 70ª semana de Daniel.
• Nesse tempo muitos morrerão como mártires (Mt 24.9) – quinto selo (Ap 6.9-11).
• Coisas espantosas e grandes sinais no céu anunciam a chegada do grande dia da ira do Senhor (Lc 21.11) – sexto selo (Ap 6.12-17).
• Em Israel, muitos trairão uns aos outros (Mt 24.10, veja também Mt 10.21).
• O engano e a impiedade se alastrarão, o amor esfriará, significando que muitos apostatarão de sua fé (Mt 24.11-12, veja 2 Ts 2.10-11). Quem perseverar até o fim verá a volta do Senhor e entrará no Milênio (Mt 24.13).
• O Evangelho do Reino será pregado por todo o mundo (v. 14). Ele não deve ser confundido com o Evangelho da graça, anunciado atualmente. O Evangelho do Reino é a mensagem que será transmitida no tempo da Tribulação pelo remanescente e pelos 144.000 selados do povo de Israel, chamando a atenção para a volta de Jesus, que então virá para estabelecer Seu Reino (compare Apocalipse 7 com Mateus 10.16-23).
3. Mateus 24.15 refere-se à metade da 70ª semana de Daniel, o começo dos últimos três anos e meio de tribulação.
A "abominação desoladora" não teve seu cumprimento na destruição do templo em 70 d.C., pois refere-se à afirmação de Daniel, que aponta claramente para o fim dos tempos (Dn 12.1,4,7,9,11).
• A profecia da "abominação desoladora" de Daniel teve um pré-cumprimento aproximadamente em 150 a.C., na pessoa de Antíoco Epifânio. Daniel 11.31 fala a respeito.
• A "abominação desoladora" cumpriu-se parcialmente em 70 d.C. através dos romanos, que destruíram o templo.
• Mas "abominável da desolação" de que Jesus fala em Mateus 24.15 será estabelecido apenas pelo anticristo, vindo a ter seu cumprimento pleno e definitivo na metade dos últimos sete anos (como profetizado em Daniel 12). Essa profecia de Daniel é claramente para o tempo do fim (vv. 4,9), referindo-se a um tempo de tão grande angústia como jamais houve antes (v. 1), que durará "um tempo, dois tempos e metade de um tempo". É dessa Grande Tribulação, desse período de imenso sofrimento e angústia, que Jesus fala em Mateus 24.21 (veja Jr 30.7).
Nos versículos a seguir, de 16 a 28, o Senhor Jesus explica como o remanescente dos judeus deve comportar-se durante a Grande Tribulação:
• Eles devem fugir (veja Ap 12.6).
• Esses dias serão abreviados para três anos e meio, para que os escolhidos sejam salvos.
• Falsos cristos e falsos profetas farão milagres e sinais (veja Ap 13.13-14).
• Mas então, finalmente, diante dos olhos de todos, o Senhor virá "como o relâmpago sai do oriente e se mostra até no ocidente". Esses dias da ira de Deus (Lc 21.22), ou melhor, esses dias da ira de Deus e do Cordeiro (Ap 6.17), são descritos assim: "Onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão os abutres" (Mt 24.28). O "cadáver" representa o judaísmo apóstata, afastado de Deus, e o sistema mundial sob a regência do anticristo, no qual reinará a morte e o "hades". Os "abutres" simbolizam o juízo de Deus.
Como já foi mencionado, não creio que em Mateus 24.15 o Senhor Jesus esteja referindo-se à destruição do templo em 70 d.C., mas penso que Ele está falando do tempo do fim. Ele menciona a destruição do templo e de Jerusalém em Lucas 21, fazendo então a ligação com os tempos finais. Aliás, este é o sentido dos quatro Evangelhos: apresentar ênfases diferenciadas dos relatos. Os Evangelhos tratam da profecia como também nós devemos fazê-lo, manejando bem a palavra da verdade (2 Tm 2.15).
Em Lucas 21.20 e 24 o Senhor diz: "Quando, porém, virdes Jerusalém sitiada de exércitos, sabei que está próxima a sua devastação. Cairão ao fio da espada e serão levados cativos para todas as nações; e, até que os tempos dos gentios se completem, Jerusalém será pisada por eles." Isso cumpriu-se em 70 d.C.
Mas Mateus 24 menciona algo que não aparece no Evangelho de Lucas, pois cumprir-se-á apenas nos tempos do fim: "o abominável da desolação" (v. 15).
No Evangelho de Lucas, que trata primeiro da destruição do templo em 70 d.C., está escrito: "...haverá grande aflição na terra" (Lc 21.23) (não está escrito: "grande tribulação"). Mas em Mateus 24, que em primeira linha fala dos tempos do fim, lemos sobre uma "grande tribulação" "como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais" (v. 21). A expressão "grande tribulação" diferencia nitidamente a angústia de 70 d.C. da "grande tribulação" no final dos tempos.
3. Qual é a mensagem desse texto bíblico para nós hoje?
Essa passagem tem forte significado para os crentes de hoje, pois sabemos que os impressionantes acontecimentos da Grande Tribulação lançam suas sombras diante de si e que, por essa razão, o arrebatamento da Igreja deve estar muito próximo.
• Nosso mundo está muito inquieto. Há conflitos em muitos países e torna-se mais e mais evidente a possibilidade de guerras devastadoras em futuro próximo. Mais de 400.000 cientistas estão atualmente ocupados em melhorar sistemas bélicos ou em desenvolver novos armamentos.
• Grande parte da humanidade passa fome.
• Terremotos, tempestades, inundações e doenças imprevisíveis, além de outros fenômenos e catástrofes da natureza, aumentam dramaticamente em progressão geométrica, como as dores de parto da que está para dar à luz.
• Grande parte dos cristãos é perseguida. Muitos chegam a falar de uma "escalada" nas perseguições nos últimos anos.
• Também a sedução e o engano através de falsas religiões é comparável a uma avalanche. O clamor pelo "homem forte" torna-se mais audível. Qualquer coisa passa a ser anunciada como "deus" ou "salvador" – e as pessoas agarram-se ansiosas a essas ofertas enganosas. Ao mesmo tempo acontece uma apostasia nunca vista, um crescente afastamento da Bíblia e do Deus vivo.
As dores da Grande Tribulação anunciarão a vinda do Filho do Homem. Não nos encontramos diante do fim do mundo, mas nos aproximamos do fim de nossa era (Mt 24.3). O Filho de Deus não nos trará o fim, mas um novo começo. Jesus Cristo não é apenas a esperança para o futuro do mundo, mas a esperança para toda pessoa, para cada um que invocar Seu Nome! (Norbert Lieth - http://www.chamada.com.br)
Publicado anteriormente na revista Notícias de Israel, setembro de 2000.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

NÓS REALMENTE ESTAMOS NO FIM DOS TEMPOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

LEIAM E ME DIGAM SE JESUS CRISTO ESTÁ SATISFEITO COM O QUE ESTÃO FAZENDO???

Igreja frequentada por Kaká organiza competição de lutas em São Paulo - Vale Tudo na Renascer

Pastores da Renascer transformam torneio em grande culto para atrair novos fiéis; no octógono, xingamentos aos adversários estão proibidos.
Luis Gustavo Rodrigues, o Buda, não vai à igreja. Aos 24 anos, o jovem paulista, morador do bairro de Vila Sílvia, na Zona Leste de São Paulo, trabalha em uma empresa de Tecnologia de Informação e se empenha, no tempo livre, nas aulas de artes marciais. Na noite da última sexta-feira, porém, ele foi até a sede de Osasco da Igreja Apostólica Renascer em Cristo, que tem como um de seus mais ilustres fiéis o craque Kaká, do Real Madrid. O objetivo não era se converter. Convidado, ele ia disputar sua primeira luta profissional na categoria Muay Thai do Reborn Fight II, competição organizada por membros da congregação evangélica.
 Buda confessa que estava nervoso no momento que subiu no ringue. Antes da luta, no entanto, um amigo puxou o grito de “Gordinho” e logo a maioria das quase mil pessoas que assistiam ao evento estava do seu lado. Incentivado, Luis se mostrou incansável e foi declarado vencedor moral do confronto, apesar do resultado oficial dos juízes ter sido o empate.
Depois da luta, o jovem posou para fotos com os amigos, foi cumprimentado pela torcida e dizia não acreditar no que tinha feito. “Ele tinha o braço pesado”, afirma, sobre o seu oponente. Buda diz não se importar com o fato de sua estreia nos ringues ter sido dentro de uma igreja. Ele diz não ser frequentador por causa das histórias que costuma ouvir, como a do casal fundador da Renascer, preso em 2007 nos Estados Unidos com US$ 56 mil não declarados. Mesmo assim, elogiou a organização do “Reborn Fight”.
- Achei muito bonito. Não venho por causa dos “esquemas” que a gente sabe que acontece. Mas isso aqui foi muito bacana. Tem uma estrutura muito boa – disse Luis, que conta com a ajuda de seus amigos de academia para poder treinar.
A estrutura montada para o evento realmente era impressionante. No centro do local onde são realizados os cultos da igreja, foi erguido um imenso ringue, com o padrão do octógono usado no UFC, maior competição de luta livre do mundo. No altar, um DJ tocava músicas eletrônicas para o público Esta foi a segunda vez que Osasco sediou um torneio de artes marciais da Renascer – a outra foi em fevereiro deste ano. No total, já foram nove edições.
Nesta sexta-feira, a escala de lutas contava com 26 nomes, entre homens e mulheres, mas uma atleta não compareceu. Apenas três lutadores eram membros da sede de Osasco. A grande maioria veio de outras congregações ou, então, não fazia parte da Igreja. Um dos organizadores do evento, o pastor Douglas Vieira, ou Dogão, como é conhecido, admite que o maior objetivo é atrair fiéis para a religião.
- Existem pessoas que nunca pisariam em uma igreja se não fosse pelo evento. A grande maioria vem pelo trabalho que a gente faz. E, depois, acaba ficando. Quem teve a ideia já era lutador. Então, está no sangue. É o desejo de usar a luta para rebanhar fiéis. Temos uma convocação agressiva no nosso nicho.
Dogão prega para os lutadores dentro do octógono (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)
Para que a estratégia funcione, Dogão e outros membros da igreja, como o Bispo Kleber Falcone, transformam o evento em um imenso culto. Antes do início da competição, os dois reúnem os lutadores para fazer a chamada e uma oração, sempre pedindo o respeito entre eles. Depois, na apresentação em cima do ringue, o pastor faz uma nova pregação, desta vez convocando o público. Pede para que todos tenham calma e que os ânimos se esquentem apenas sobre o tatame. O pedido é para que não aconteça o que é comum nos eventos de luta livre ao redor do mundo, com brigas entre as torcidas.

Ingressos a R$ 15 e patrocinadores prestigiados
Para assistir o evento, cada pessoa paga R$ 15. Dogão explica que o objetivo não é arrecadar dinheiro para a Igreja, mas arcar com todos os gastos da estrutura. Para isso, também conta com uma série de patrocinadores, que são chamados após o término de cada luta para entregarem os troféus ao vencedor e ao perdedor do combate.
Além do prêmio, cada lutador recebe uma quantia simbólica em dinheiro, não revelada pelo pastor. No ringue, estão proibidos xingamentos e ofensas aos adversários. Ao contrário das lutas oficiais, na categoria MMA (artes marciais mixadas, em inglês), também não são permitidos socos no rosto quando o rival estiver caído no chão, nem cotoveladas.
Os organizadores garantem que não costuma haver casos de lutadores da igreja envolvidos em brigas nas ruas. Para o Bispo Kleber, a filosofia ensinada nas artes marciais é posta em prática também na vida particular de cada um de seus atletas.
- Nós pregamos a consciência, tanto fora quanto dentro do ringue. Não tem nada a ver essa imagem que as pessoas têm de que o lutador é um “bad boy”. A filosofia é outra. No esporte, assim como na vida, temos que ter disciplina, respeito e outros valores. O espírito daqui consegue ligar o esporte à igreja. A luta é muito desvalorizada no Brasil, apesar de o país ser um de seus grandes incentivadores, através da Família Gracie. Falta consciência. A luta pode salvar muita gente. É respeito, não exige nada de violência. Quer brigar, não vai fazer na rua, vai fazer no tatame.
Membro da igreja na sede de Alphaville, Jorge Luis Bezerra, o Michelan, foi um dos que encontraram na luta uma forma de sair da marginalidade. Depois de seu combate, do qual saiu perdedor, o lutador pediu a palavra no ringue e, em uma espécie de testemunho de vida, declarou ter sido usuário de drogas, mas disse que hoje estava bem. Com o filho Levi, de 1 ano e quatro meses, nos braços, ele elogiou a iniciativa do evento.
- O objetivo não é arrecadar dinheiro. Muita gente critica sem saber. Nosso objetivo é Deus, é resgatar essas vidas para Cristo. É um esporte impactante para quem não conhece as regras, mas quem passa a conhecer, vê que não é assim – disse Michelin, que, além do filho, levou a mulher para vê-lo no ringue.
As mulheres da igreja ajudam na organização do evento (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)
Damaris Batista, a Gringa, foi uma das quatro mulheres inscritas na competição. É também uma das maiores defensoras do ensino de lutas na igreja.
- Antes, meu paradigma era rígido quanto à igreja. Depois, percebi que não era assim. Quando a gente não cuida do templo, vai contra as regras de Deus. As pessoas olham para mim e criticam por ser lutadora. Mas, quando dou meu testemunho de vida, as pessoas querem fazer igual a mim.
O Pastor Dogão, no entanto, confessa que a ideia não foi bem aceita pelos membros de início. Agora, porém, afirma que todos elogiam, tanto que já está previsto um novo “Reborn Fight”, para fevereiro do ano que vem.
- Um ou outro estranhou no início. Mas é um esporte que está ganhando espaço no mundo inteiro. Tem gente que acha diferente, mas o que importa é ganhar vidas para Jesus Cristo. Quando perceberam isso, aceitaram bem.

Globo Esporte/Notícias Cristãs

SOU ÉTICO! Cito as fontes. Copiado do Site Notícias Cristãs. Link Original: http://news.noticiascristas.com/2010/07/igreja-frequentada-por-kaka-organiza.html#ixzz0uqglKpY7
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial



domingo, 11 de julho de 2010

A teologia da prosperidade (dita evangélica) ou confissão positiva

Esta religião lançou suas bases na leitura herética das Sagradas Escrituras por Kenneth Erwin Hagin, autor de O Toque de Midas e pai do Movimento Palavra de Fé: Uma falsa doutrina que retorna a fé pela fé e transforma as Escrituras em um rol de de promessas escritas por um “deus” menor. Versos interpretados fora de seu contexto histórico, social ou de qualquer espécie, mas na literalidade, com validade para a aplicação imediata por coerção da fé declarada.

Bem assim, pode aquele que subscrever tal crença, independente de qualquer coisa ou concessão dada pelo subscritor (o “deus”) das referidas promessas, tornar-se credor das mesmas e, por: enfatizar dizer, declarar, ou confessar positivamente tais versos encontrados na Palavra de Deus, torna O Autor das promessas obrigado a cumpri-las, em menor prazo possível, ou em função do "tamanho" da fé do credor ou de sua determinação em "tomar posse" das promessas a que faz jus - Tudo chancelado, por direito de posse, garantido pelo sacrifício de Jesus na Cruz, que não é apenas expiatório e salvifico, mas a garantia fiduciária das promessas de prosperidade e abundância dos crentes neste mundo.

Jesus, portanto, morreu na Cruz, para todos os efeitos deste mundo e do presente século, para que os crentes tenham BMWs e mansões e seus pastores aviões e helicópteros.

A evolução doutrinária desta religião se dá pela contribuição de expoentes como Mike Murdock e Morris Cerrullo que ensinam lições de sabedoria inspiradas na Bíblia em reforço à fundamentação mística de técnicas de auto-ajuda, em especial, a programação neurolinguistica, visando oferecer aos seguidores um impulso extra de ordem religiosa às técnicas de liderança e sistemas cooperativos e motivacionais.

      Crente vitorioso pronto para receber a coroa de Salomão em evento de Renê Terra Nova. 


Os mentores desta estranha religião não hesitam buscar exemplos de grandes lideres bíblicos em diversas áreas (Salomão, riqueza; José, perseverança e liderança; Salomé, sensualidade e astúcia; etc.) de forma a reforçar positivamente determinados comportamentos dito "vitoriosos" (ou posturas pró-ativas na direção de objetivos financeiros, sociais, empresariais e outros) devidamente cercados de forte aura de misticismo de inspiração veterotestamentária e, se necessário, fazem uso de conceitos de outras fontes como: a cabala, a numerologia e outros conhecimentos ocultistas.

                                                                 De forma a obter lucros na exploração destas idéias e práticas, os líderes desta religião vendem livros, seminários e, mais recentemente, liberam "unções" especiais (alegadamente vindas de "deus") em troca de altas somas de dinheiro. Tais unções prometem a transferência de poder mistico do lider para o comprador e podem ser destinadas ao público em geral ("unções financeiras" e "unções de salvação para entes queridos") ou a ministros de diferentes escalões de poder "celestial", dando ao comprador os poderes místicos do vendedor, como foi no caso recente em que Morris Cerrullo "ungiu" Renê Terra Nova com a "unção de Abraão", promovendo-o de apóstolo à paipóstolo.   

              Os principais expoentes desta nova religião utilizam-se dos mais poderosos instrumentos de programação neurolinguistica, entre estes: os desafios pessoais, onde o "crente" coloca-se em situação de buscar objetivos difíceis, desafiado (pela "fé") por apostas de alto risco e forte estimulo externo de seus líderes. Na religião da confissão positiva, estes estímulos são sempre financeiros. O desafiado é levado a investir dinheiro na “cobertura espiritual” de seu líder, em troca de apoio espiritual para o cumprimento de suas idéias e projetos pessoais.

Para o líder carismático, contudo, o tal “propósito”, também chamado de plantar sementes, torna-se fonte de renda, um negócio de alto rendimento impulsionado através de propaganda de massa com forte emprego de técnicas de hipnose, reforço e motivação, mensagens submilinares e terrorismo psicológico. Tudo disfarçado de programação televisiva de cunho religioso, desviando a atenção do poder público e de muitos inocentes úteis nas hostes evangélicas acreditando que alguns poucos minutos de sã doutrina na pregação do Evangelho e o entoar de alguns louvores de orientação antropocêntrica nos intervalos de horas de cassino religioso na TV justificam o apoio velado aos ministérios envolvidos:
"Ao menos falam de Jesus..."


        Franqueadores fornecem know-how, marca e tradutores especializados, mas não se responsabilizam pelo lixo tóxico.

O grande mal desta prática é
o estimulo da construção da fé nas bases irreais de uma interpretação ardilosa das Sagradas Escrituras, o que, certamente, levará à apostasia aqueles que tiverem seus sonhos frustrados. Ademais, carrega os prosélitos a um falso entendimento do Evangelho, que incentiva crenças em falsas promessas, estimula entendimentos equivocados e não leva ao arrependimento e a transformação pessoal necessários à salvação, ao contrário, dissemina o engano e a condenação. Isto, sem contar a repulsa dos não convertidos à Fé verdadeira, função do péssimo testemunho.

A disseminação desta religião se dá por sistema de franchising onde o detentor do know-how do logro religioso coopta líderes religiosos do terceiro mundo, em geral engajados em teologia frágil, frustrados na busca da liderança denominacional e ambiciosos ao extremo.

Pequenos aspirantes à liderança nesta religião podem contar com pacotes de franquia econômicos onde um ônibus temático substitui os caros aviões executivos. Contudo, os latinos costumam sofrer preconceito e são levados a mudar a sua aparência.

Aos franqueados da religião de mamon, os detentores do sistema oferecem apoio logístico, participação pessoal e “endorcement internacional" às campanhas de arrecadação, baseadas em sementes de prosperidade e liberação de bençãos financeiras. Ademais, oferecem subsídios de reforço moral para realizações pessoais, tais como a compra de jatinhos e mansões. Tudo após os pagamentos de royalties, claro. Exemplo de sucesso no Brasil: Silas Malafaia.

Genizah


sexta-feira, 9 de julho de 2010

Quando a escolha do “menos pior” garante o apodrecimento das futuras eleições

Primeira semana: O cidadão vai ao açougue e pede carne de boi, e o açougueiro lhe dá três opções: Uma carne 60% podre, outra 50% podre e a última 40%.
“Você vai querer qual?” diz o açougueiro.
O cidadão fica em dúvida: “Não posso ficar sem comer carne. Tenho de escolher a menos pior!”
Segunda semana: O cidadão vai ao açougue e pede carne de boi, e o açougueiro lhe dá três opções: Uma carne 80% podre, outra 70% podre e a última 60%.
O cidadão repete: “Tenho de escolher a menos pior!”
Nas próximas semanas, a mesma decisão e o mesmo final: ele sai do açougue com carne de má qualidade, tendo a convicção de que é obrigação comprar. E ele ainda não entende o motivo por que sua saúde vem se deteriorando gradativamente.
Ele come carne podre, reclama; come, reclama, e sempre volta a fazer a mesma coisa.
Na realidade, “o menos pior” é geralmente uma escolha inadmissível no açougue, mas vem sendo escolhida sistematicamente por milhões quando o assunto é eleições. O eleitor vota em candidatos podres, reclama e repete a mesma coisa em eleição após eleição.
Qualquer açougue que venda carne podre que for aceita por seus clientes continuará vendendo produtos de qualidade cada vez mais baixa. E prosseguirá na sua cara de pau — até que haja um boicote.
De forma semelhante, desde o primeiro dia em que os cidadãos brasileiros aceitaram candidatos podres, eles colaboraram para a degradação das eleições. A atitude de escolher “o menos pior” empobrece, prejudica, enfraquece e apodrece a qualidade de qualquer categoria, produto, empresa ou evento, inclusive político.
A chave para a boa qualidade está na atitude do cidadão. Quando um estabelecimento comercial oferece produtos de má qualidade, a obrigação do cidadão é boicotar. Essa é a sua única obrigação. O boicote forçará o comerciante a oferecer produtos de boa qualidade.
A chave para a boa qualidade política é boicotar todos os candidatos podres. Não há candidato de boa qualidade, predominantemente pró-família e pró-vida nestas eleições? Boicote! Cada boicote produzirá próximas eleições com candidatos cada vez menos podres e forçará o aparecimento de um candidato realmente de valor.
Nossa postura para com os candidatos deveria ser: “Quer ser podre, seja, mas não com meu voto. Não vou prejudicar a mim mesmo e minha família com sua podridão”.
Os políticos só respeitam eleitores que exigem qualidade superior e boicotam candidatos de má qualidade moral.
Quem decide se políticos podres governarão o Brasil é você. Quem decide se as eleições futuras serão piores ou melhores é você. Não tenha, pois, medo de sair do açougue safado sem nada nos braços.

Julio Severo