quinta-feira, 24 de junho de 2010

O DOM INEFÁVEL DE DEUS E O PRESENTE DOS HOMENS

Stanley Jones conta de um menino que foi questionado pelo seu professor na época do Natal:
"O que você mais gostaria de ganhar no Natal?" O menino pensou no quadro emoldurado com a foto do seu falecido pai, pensou no pai que ele amava muito. Então ele disse baixinho: "Eu gostaria que meu pai saísse da moldura e estivesse conosco outra vez."
Foi justamente isto que nosso Pai celestial fez no Natal. Ele rompeu as barreiras e veio até nós. Da eternidade inatingível, Ele veio e se tornou nosso Pai em Jesus Cristo. "Vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai" (Gl 4.4-6). Na cruz do Calvário, Deus tirou o elemento separador, o pecado: "Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Co 5.21). Quando Jesus morreu na cruz pelos pecados, o véu no Santo dos Santos do templo foi rasgado. Por isso o acesso a Deus ficou livre! Voltemo-nos, entretanto, para o episódio do Natal observando os magos do Oriente. Deles está escrito: "E, vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo. Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra" (Mt 2.10-11). Estes homens do Oriente são uma ilustração profética para os muitos gentios que, no decorrer do tempo, – depois do Natal – encontraram o Filho de Deus. Da mesma forma eles apontam para as nações que virão ao Rei dos judeus, a Israel no Milênio (comp. Mt 2.2). No Salmo 72.10-12, o ainda futuro e glorioso reino do Messias é descrito com as seguintes palavras: "Paguem-lhe tributos os reis de Társis e das ilhas; os reis de Sabá e de Sebá lhe ofereçam presentes. E todos os reis se prostrem perante ele; todas as nações o sirvam. Porque ele acode ao necessitado que clama e também ao aflito e ao desvalido". Igualmente em Isaías 60.6: "A multidão de camelos te cobrirá, os dromedários de Midiã e de Efa; todos virão de Sabá; trarão ouro e incenso e publicarão os louvores do Senhor".
Quando os magos do Oriente seguiram a estrela e encontraram a casa em que o Rei dos judeus havia nascido, está escrito: "Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe as suas ofertas: ouro, incenso e mirra" (Mt 2.11). Estes três presentes descrevem de maneira singular o que Jesus Cristo é e o que Ele fez.
Prímeíra oferta: ouro
"Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe as suas ofertas: ouro..." O ouro caracteriza aquilo que Jesus é desde a eternidade: o Rei. Além disso o ouro representa a Sua divindade, Sua perfeição e Sua absoluta pureza. Mas o ouro também nos mostra a finalidade de Sua vinda, isto é, estabelecer o Seu reino divino sobre esta terra. O ouro é mencionado em primeiro lugar porque este é o alvo perfeito e original de Deus.
Nos tempos antigos foi usado muito ouro para o tabernáculo e seus utensílios (comp. Êx 25). Também o traje do sumo sacerdote consistia em grande parte de ouro (comp. Êx 28). Tudo isto aponta para Jesus. Mais tarde foi também usado muito ouro no templo salomônico (1 Cr 22.14). Do mesmo modo, o governo de Salomão é um exemplo do vindouro governo de Jesus Cristo no Milênio. Entre outras coisas, o ouro também caracteriza os bens espirituais que um dia resistirão à prova de fogo diante do tribunal de Cristo (comp. 1 Co 3.11ss).
É um desejo do Senhor que nos tornemos semelhantes a Ele nesta maneira pura e "áurea". Pois um dia reinaremos com Ele como reis e sacerdotes (Ap 1.5-6; 20.6). Por isso o Senhor também se apresenta como um ourives que quer derreter e purificar o ouro (Ml 3.2-3). Os magos lhe renderam homenagem com ouro (Mt 2.2 e 11) porque sabiam quem Ele era. Será que nós também temos tido essa mesma consciência?
Segunda oferta: íncenso
"Prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe as suas ofertas: ouro, incenso..." A palavra hebraica para incenso é derivada das palavras "branco, brilhante". O incenso tem um alto teor de óleos voláteis e propaga um aroma agradável que fica impregnado nas vestes como perfume.
No tabernáculo e mais tarde no templo, o incenso foi usado como aroma agradável diante de Deus e fazia parte da oferta de manjares (Lv 2.1-16), mas no sacrifício pelos pecados era expressamente proibido (Lv 5.11).
O incenso representa espiritualmente o aroma da vida de Cristo. Ele agradou a Deus, pois procurava fazer a vontade de Seu Pai: "...contudo, não se faça a minha vontade, e sim a tua" (Lc 22.42). Por isso Ele foi "...obediente até à morte e morte de cruz" (Fp 2.8). O incenso simboliza a perfeição da vida de Jesus, totalmente sem pecado. Ele, o Filho de Deus, foi o "Cordeiro sem defeito e sem mácula", branco e brilhante, puro e perfeito (comp. 1 Pe 1.19). Em tudo o que Jesus fez e disse, em todos os Seus passos e obras, Ele foi um aroma agradável diante de Seu Pai.
Como cristãos somos chamados a nos tornar semelhantes ao Senhor em obediência e fidelidade, para sermos um "aroma suave de Cristo". Por isso precisamos escutar muito bem o que Ele nos diz em Sua Palavra, para o que somos exortados em Mateus 17.5: "Falava ele ainda, quando uma nuvem luminosa os envolveu; e eis, vindo da nuvem, uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi". Por exemplo, podemos proporcionar alegria a Deus:
– exercendo misericórdia: "Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não holocaustos" (Mt 9.13a).
– vivendo separados do pecado para que não se diga de nós o que foi escrito outrora sobre os israelitas: "Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram prostrados no deserto" (1 Co 10.5).
Terceíra oferta: mírra
"Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas; ouro, incenso e mirra." A mirra provém de um arbusto espinhoso de madeira cheirosa. O gosto dela é amargo como fel e dentre outras coisas era usada como anestésico.
Esta erva amarga fala dos sofrimentos de Jesus, cuja vida toda foi um aroma suave diante do Pai, mas que foi perseguido por Herodes ainda como bebê, de modo que seus pais tiveram de fugir com ele para o Egito (Mt 2.13). Mais tarde, os homens de Nazaré, onde ele havia sido criado, quiseram precipitá-lo de cima de um monte (Lc 4.29). E quando Ele curava enfermos e possessos, os fariseus e escribas O perseguiam (por exemplo, Jo 5.16) e até tentaram matá-lO (v. 18). Antes da crucificação deram a Jesus "vinho com mirra, ele, porém, não tomou" (Mc 15.23). Ele se tornou pecado por nós (2 Co 5.21), e carregou "em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados" (1 Pe 2.24) até as últimas conseqüências. Quando esteve pendurado na cruz, consumando a salvação para todo o mundo, Ele sofreu dores atrozes no corpo, na alma e no espírito. E quando José de Arimatéia tirou o corpo de Jesus da cruz em estado deplorável, lemos: "E também Nicodemos, aquele que anteriormente viera ter com Jesus à noite, foi, levando cerca de cem libras de um composto de mirra e aloés. Tomaram, pois, o corpo de Jesus e o envolveram em lençóis com os aromas, como é de uso entre os judeus na preparação para o sepulcro" (Jo 19.39-40). Na sua primeira vinda, Jesus foi como que envolvido por mirra, Ele foi cercado de muitos sofrimentos.
Mas quando a Bíblia fala sobre a segunda vinda de Jesus, a mirra não é citada e somente são mencionados ouro e incenso, por exemplo, em Isaías 60.6: "A multidão de camelos te cobrirá, os dromedários de Midiã e de Efa; todos virão de Sabá; trarão ouro e incenso e publicarão os louvores do Senhor." Por que a mirra não é mencionada aqui? Porque neste texto o profeta Isaías fala sobre a vinda de Cristo em grande poder e glória e a respeito do Seu reino de paz sobre a terra. Então não haverá mais mirra para o Senhor Jesus, e Ele não sofrerá mais. Pois na primeira vez Ele veio como Aquele que carregou os pecados e foi sacrificado uma vez para nos limpar dos pecados. Mas na segunda vez Ele não virá mais como Cordeiro sofredor, e sim aparecerá como o Senhor e Rei para salvação de todos os que esperam por Ele (Hb 9.27-28). (Norbert Lieth)
Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, dezembro de 1998.

sábado, 19 de junho de 2010

Autoridades inglesas desistem de acusações contra pregador que chamou de pecado os atos homossexuais‏

As autoridades desistiram de suas acusações contra Dale Mcalpine, um pregador de rua evangélico de Workington na Cumbria. Ele havia sido preso em 20 de abril depois de ser denunciado pela polícia por um agende policial de apoio a comunidade (APAC) que era homossexual. Mcalpine tinha, em conversas particulares com um transeunte durante seu dia de pregação, dito que a atividade homossexual é pecado, de acordo com o ensino da Bíblia.

O Instituto Cristão relata que depois de rever a evidência, promotores federais decidiram desistir de suas acusações de “vandalismo”.

“Foi uma acusação ridícula. Eu jamais deveria ter sido preso. Estou aliviado que eles tenham visto a sensatez”, disse Mcalpine.

Mcalpine, de 42 anos, diz que já vai voltar à sua pregação de rua, uma tradição que data do século XVII na Inglaterra. “Essa é uma vitória para a liberdade de expressão”, disse ele. “Espero que não estejamos decaindo para uma sociedade com uma polícia estatal e com uma polícia que trata como crime as opiniões pessoais. Não vejo a hora de voltar às ruas para pregar a Palavra de Deus”.

Mcalpine disse que está considerando possível ação contra a polícia, com a assistência legal do Instituto Cristão. “Sou um homem cristão. Perdoo a polícia. Mas é importante que isso não aconteça com ninguém mais”.

Um porta-voz da Procuradoria Federal disse: “Mantemos os casos sob constante revisão e seguindo uma revisão adicional de todas as evidências nesse caso não estávamos mais satisfeitos de que havia evidência suficiente para fornecer uma probabilidade realista de condenação e temos pois cessado as medidas legais contra o Sr. Mcalpine”.

Em declaração após sua prisão, Mcalpine disse: “Não sou homofóbico. Não odeio gays. Então eles disseram que é contra a lei dizer que a homossexualidade é pecado. Fui preso. Isso é loucura, não?”

Mike Judge, porta-voz do Instituto Cristão, disse: “A polícia da Cumbria não pode simplesmente sair-se assim como se não tivesse feito nada de errado. Eles prenderam e acusaram um homem inocente apenas porque ele expressou pacificamente suas convicções religiosas”.

“E essa perseguição vem ocorrendo em outras partes do país também. Portanto, não há a menor dúvida de que há um problema no sistema e tem de ser corrigido”, continuou ele.

Steve Johnson comandante da polícia de West Cumbria, defendeu as ações da polícia, dizendo: “Nossos policiais e equipe muitas vezes fazem decisões difíceis enquanto pesam a lei e os direitos das pessoas”.

Johnson continuou, dizendo que embora “as opiniões e interpretações sejam diferentes”, ele queria assegurar ao público “que respeitamos, e temos o compromisso de sustentar, o direito fundamental à liberdade de expressão. Temos o compromisso de manter a paz e impedir as pessoas de se sentirem alarmadas ou angustiadas com as ações de outros em locais públicos”.

Quando foi preso, Mcalpine disse que a polícia notou que parte do delito pelo qual ele estava sendo preso era ter dito que a homossexualidade é pecado numa voz “suficientemente alta que poderia ser ouvida” por outros. Depois de sua prisão, Mcalpine foi colocado numa cela por sete horas. Durante esse tempo, ele pediu sua Bíblia. “Eu a li e cantei hinos como Maravilhosa Graça tão alto quanto eu podia”, disse ele.

Sam Adams, o APAC que chamou a polícia para prendê-lo, é um ativista homossexual que se identificou para Mcalpine como o agente responsável pelas relações da polícia com as lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros.

A Lei de Ordem Pública de 1986, sob a qual Mcalpine foi preso, tinha o objetivo de lidar com o problema do vandalismo das torcidas de futebol, mas recentemente foi usada para controlar a liberdade de expressão. Em abril do ano passado, a polícia acusou Ben e Sharon Vogelenzang, hoteleiros cristãos, sob a Lei, alegadamente por “insultarem” uma hóspede muçulmana em seu hotel de Liverpool. Embora tenham sido inocentados das acusações, o casal disse que o incidente provocou muita publicidade negativa, e levou seu negócio à falência.

A Lei também foi usada em 2002 contra o aposentado Harry Hammond, que foi condenado sob a Seção 5 depois de pregar em Bournemouth. Hammond segurava um cartaz que dizia: “Detenham a Imoralidade. Detenham o Homossexualismo. Detenham o Lesbianismo. Jesus é Senhor”.

Em 2006, a polícia prendeu e acusou o ativista cristão Stephen Green por entregar folhetos num festival de Orgulho Gay em Cardiff.

A prisão de Mcalpine ocorreu apenas poucas semanas depois que Shawn Holes, um pregador americano que estava visitando a Escócia, foi preso e multado em 1.000 libras em Glasgow por dizer, em resposta a uma pergunta direta, que a atividade homossexual é pecado. Holes, que não contestou a acusação, pagou a multa e voltou aos EUA.

Sam Webster, advogado do Instituto Cristão, disse que não é crime expressar a convicção de que a conduta homossexual é pecado. “Um cristão que permanece em local público e expressa suas convicções religiosas na esperança de persuadir as pessoas que passam acerca de suas convicções — isso é liberdade de expressão.

“Sim, a polícia tem o dever de manter a ordem pública, mas eles também têm o dever de defender a legítima livre expressão dos cidadãos. Não cabe à polícia decidir se as opiniões de Mcalpine estão certas ou erradas. A jurisprudência decidiu que a convicção cristã ortodoxa de que a conduta homossexual é pecado é uma convicção digna de respeito numa sociedade democrática”.
Julio Severo