quinta-feira, 30 de abril de 2009

Presidente Lula buscará “criminalizar palavras e atos ofensivos à homossexualidade”

Líder homossexual Luiz Mott exorta homossexuais a “matar em legítima defesa”

Matthew Cullinan Hoffman

Belém, 30 de abril de 2009 (LifeSiteNews.com) — O presidente Lula está prometendo aos líderes homossexuais que ele continuará a buscar a criminalização de expressões verbais que critiquem o homossexualismo.

Num discurso escrito para o 3º Congresso da Associação de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Lula denunciou os grupos — a maioria cristãos — que se opõem a planos de criminalizar tais expressões, chamando esses grupos de “hipócritas”.

“Alguns setores atrasados e ao mesmo tempo hipócritas… têm criticado nosso governo por apoiar iniciativas que criminalizam palavras e atos ofensivos à homossexualidade”, escreveu ele. “Isso não tem importância. Continuarei — com o apoio de todo o Governo — a manter essa atitude”.

Conforme LifeSiteNews noticiou no passado, há vários anos Lula vem tentando aprovar uma “lei anti-homofobia” que transformaria em crime criticar a conduta homossexual.

Embora ele não tenha até o momento conseguido alcançar sua meta, em muitos casos os tribunais brasileiros já usam as leis existentes como se proibissem tal expressão. Grupos e indivíduos religiosos estão sendo censurados e multados por criticarem a conduta homossexual, inclusive com um caso onde uma organização teve sua campanha pró-família cancelada por ordem judicial.

Julio Severo, um dos ativistas pró-vida e pró-família mais famosos do Brasil, fugiu do país recentemente depois que investigadores buscaram seu endereço depois que uma queixa de “homofobia” foi feita contra ele. Ele vive agora no exílio num lugar não revelado (veja a cobertura completa aqui:http://juliosevero.blogspot.com/2009/04/proeminente-ativista-pro-familia-julio.html)

Na mesma conferência, o líder homossexual mais influente do Brasil, Luiz Mott, exortou os homossexuais a matar agressores em “legítima defesa”, de acordo com o site homossexual A Capa.

Citando estatísticas que indicam um aumento no número de assassinatos de homossexuais durante o ano anterior, Mott declarou que “se na próxima pesquisa esse numero aumentar, nós temos que radicalizar. E para isso vamos fazer uma campanha onde diremos ‘Mate em legitima defesa, se proteja’”.

Embora a organização de Mott, o Grupo Gay da Bahia, afirme que os assassinatos “homofóbicos” sejam elevados, suas contas definem todos os assassinatos de todos os homossexuais como atos de “homofobia”, mesmo quando envolvem prostitutos evidentemente mortos por um cliente dos próprios prostitutos.

Além disso, o índice total de assassinatos de homossexuais documentado por Mott é significativamente mais baixo do que o índice de todas as mortes, per capita, no Brasil, conforme LifeSiteNews noticiou anteriormente. Embora o índice total seja 28 por 100 mil pessoas, o índice de assassinatos de homossexuais no Brasil é 1.31 por 100 mil, de acordo com as estatísticas de Mott.

Líderes homossexuais reagiram com espanto às declarações de Mott, conforme A Capa.

Caio Varela, assessor da Senadora Fátima Cleide, se queixou de que “ele não entende que amanhã uma bicha lá do fim do mundo pode ler isso em algum site ou jornal e cometer um crime”.

Veja cobertura relacionada de LifeSiteNews:

Proeminente ativista pró-família Julio Severo foge do Brasil para escapar de acusações de “homofobia”
http://juliosevero.blogspot.com/2009/04/proeminente-ativista-pro-familia-julio.html

Líder do movimento homossexual brasileiro sob investigação por pedofilia (em inglês)
http://www.lifesitenews.com/ldn/2007/jul/07073011.html

Homossexuais brasileiros acusados de manipular estatísticas para promover sua agenda política (em inglês)
http://www.lifesitenews.com/ldn/2008/jun/08062510.html

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/apr/09043008.html

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Ahmadinejad no Brasil

Ingo Haake

A visita do presidente iraniano ao Brasil está prevista para o dia 6 de maio. Ele é um dos principais negadores do Holocausto na atualidade. Ahmadinejad também não perde uma oportunidade para manifestar seu ódio a Israel e seu desejo de destruir o Estado judeu[1]. Sendo assim, a simpatia do governo brasileiro por ele faz-nos lembrar do ditado: “Dize-me com quem andas e te direi quem és”.

Algumas informações sobre o Irã[2]: desde a posse de Ahmadinejad em 2005, a situação dos direitos humanos no país piorou dramaticamente (com elevado número de execuções, muitas delas por apedrejamento ou enforcamento públicos). Um esboço de código penal estipula a pena de morte por apostasia (isto é, para quem deixar o islã). Os cristãos[3] e outras minorias religiosas têm sofrido severas restrições e perseguições. As autoridades iranianas também suprimem a liberdade de expressão e opinião, prendendo jornalistas, controlando publicações e a internet, além das atividades acadêmicas.

O Irã é promotor do terrorismo mundial e financiador do Hezb'Allah (o Partido de Alá, no Líbano) e do Hamas (na Faixa de Gaza). Essas duas milícias islâmicas radicais têm atacado Israel a mando do Irã e cometido inúmeras matanças de civis. Sua ação, porém, não se limita ao Oriente Médio: a Argentina acusou formalmente o Irã pelos violentos atentados contra instituições judaicas em Buenos Aires (em 1992 e 1994). Na América do Sul, a atuação iraniana é crescente, principalmente através da aliança com Hugo Chávez e Evo Morales.

O Irã também está em fase adiantada de desenvolvimento de tecnologia nuclear e de mísseis balísticos, representando uma séria ameaça para todo o Oriente Médio e o mundo. Dessa forma, o crescente armamento e a influência iraniana despertam fortes temores entre as próprias nações muçulmanas (principalmente na Arábia Saudita, no Egito e em alguns países do Golfo). Apesar da aparente unidade islâmica, há profundas desconfianças e conflitos entre muitos países árabes (dos quais, a maioria é sunita) e os iranianos xiitas (que são persas, e não árabes).

Quanto a Israel, as afirmações e provocações do presidente e de outros líderes iranianos são bem conhecidas: “Israel deve ser riscado do mapa...”', "Israel está destinado à destruição...”', “Israel é um tumor canceroso...”'[1]. Sua última investida ocorreu na abertura da vergonhosa conferência da ONU (em Genebra) que, supostamente, deveria ser anti-racista. Como foi manipulada para atacar Israel, vários países[4] negaram-se a participar dela desde o princípio. Ironicamente, apesar do seu histórico, o presidente iraniano foi um dos principais oradores. Quando começou sua diatribe contra Israel e negando o Holocausto — justamente na véspera do Yom HaShoah, o dia em que se lembra o assassinato de 6 milhões de judeus no tempo do nazismo! — os delegados da União Européia se retiraram em protesto. Ficaram os representantes dos países que parecem concordar com Ahmadinejad, entre eles os brasileiros, ouvindo até o final o discurso de ódio aos judeus[5]. Assim, mais uma vez, o Brasil escolheu as más companhias.

É importante lembrar que o Irã (a Pérsia) tem grande destaque na Bíblia (veja os livros dos profetas Daniel, Ageu, Esdras, Neemias e de Ester). A Pérsia foi um dos impérios da visão da grande estátua do rei Nabucodonosor — interpretada pelo profeta Daniel, essa imagem representa todo o desenrolar da história das nações, até o estabelecimento do reino de Deus (Daniel 2, veja o Apocalipse). Os persas também são citados como aliados de Gogue na invasão de Israel “nos últimos dias”' (Ezequiel 38.5). Portanto, as profecias bíblicas revelam o papel do Irã no cenário mundial e nos permitem entender o que realmente há por trás do comportamento atual desse país. Ao estreitar seus laços com ele — enquanto se distancia de Israel — o governo brasileiro se expõe ao juízo anunciado em Gênesis 12.3: “...amaldiçoarei os que te amaldiçoarem” .

As pessoas e os países podem escolher com quem se relacionar e andar – mas as más companhias revelam a inclinação de quem as procura e, quando não há afastamento delas, o final sempre é trágico. Você gostaria que seus filhos andassem com quem tem um “currículo” semelhante ao do presidente iraniano? Sem dúvida, a má escolha dessa amizade é extremamente preocupante. (Ingo Haake — http://www.Beth-Shalom.com.br)

Vídeo da abertura da conferência da ONU em Genebra e do discurso de Ahmadinejad:
http://www.youtube.com/watch?v=FA6DCrBRrZI

Notas:

1. O Irã promoveu as conferências “Um Mundo sem Sionismo” (em outubro de 2005) e de questionamento do Holocausto (em dezembro de 2006, com a presença de destacados revisionistas e anti-semitas de todo o mundo). Há uma longa lista de declarações anti-israelenses dos líderes iranianos e, especialmente, de Ahmadinejad, em encontros e eventos: http://en.wikipedia.org/wiki/Mahmoud_Ahmadinejad_and_Israel

2. Antes que alguém se ofenda, achando que se trata de “acusações” contra o “povo iraniano”: nenhuma delas se refere aos iranianos como pessoas, mas ao regime que os governa, do qual eles são as primeiras vítimas. Além disso, trata-se de fatos amplamente noticiados e conhecidos.

3. A Open Doors USA (Portas Abertas) relata: "A partir de 2008 houve forte endurecimento com as igrejas que se reúnem nos lares. Mais de 50 cristãos foram presos por sua fé numa das sociedades mais repressivas do mundo. Um casal cristão morreu após ser interrogado por funcionários governamentais... Apenas as igrejas armênias e assírias podem instruir seus conterrâneos em sua própria língua, mas é proibido ensinar pessoas de origem islâmica (que falam farsi). Muitos cultos são monitorados pela polícia secreta... Por pressão das autoridades, os cristãos são oprimidos e têm dificuldades em achar empregos e mantê-los logo que se descobre sua religião". (extraído de http://www.opendoorsusa.org/UserFiles/File/Open%20Doors%20World%20Watch%20List%202009.pdf)

4. Israel, EUA, Austrália, Alemanha, Canadá, Itália, Suécia e Polônia.

5. As notas posteriores de crítica do discurso de Ahmadinejad não parecem muito convincentes, pois não era difícil prever que na conferência, manipulada para servir de plataforma de condenação de Israel, só poderia haver esse tipo de manifestação.

Fonte: Beth-Shalom

Divulgação: www.juliiosevero.com

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Será que eu sou homo-fóbico?

Rev. Wayne Perryman

O dicionário define homossexualidade como: “que deseja alguém do mesmo sexo [gênero] ou o ato de ter sexo com alguém do mesmo sexo [gênero]”. Em outras palavras, é uma conduta sexual feita com alguém do mesmo sexo. O dicionário não definiu esse termo como duas pessoas do mesmo sexo que por acaso se amam.

Simplificando: tanto a homossexualidade quanto a heterossexualidade tratam de sexo. Uma expressão sexual está perfeitamente em harmonia com a maneira como a natureza designou nossos corpos para propósitos reprodutivos (heterossexualidade), enquanto a outra não (homossexualidade). Nenhuma das duas expressões sexuais tem algo a ver com amor. Ambas são condutas sexuais expressas por meio de contato físico entre duas ou mais pessoas.

A atividade sexual pode ser uma expressão de amor, mas o próprio sexo não é amor. Todos os adultos maduros sabem que sexo e amor são duas coisas diferentes. O amor puro não é expresso na maior parte das vezes de forma sexual.

Pais que amam seus filhos darão a vida por eles, mas eles nunca têm sexo com os filhos. Soldados deram a vida — a expressão máxima de amor conforme a Bíblia (João 15:13) — por um colega de farda (do mesmo sexo), mas eles nunca tiveram sexo com seu colega. Irmãos e irmãs têm sacrificado a vida por seus irmãos doando os próprios órgãos para salvar a vida do outro, enquanto outros têm deixado sua herança inteira para seus irmãos, mas em ambos os casos essas expressões de amor jamais incluíram sexo.

O ato sexual é meramente um ato físico que é na maior parte das vezes expresso na privacidade do lar. Portanto, esse ato não deve ficar sob a proteção de leis de direitos civis. Seu devido lugar de proteção são as leis de privacidade, não leis de direitos civis. As leis deveriam ser criadas para desestimular condutas criminosas, não apoiar condutas sexuais privadas.

Quando gays disseram que nasceram desse jeito e se compararam com negros, uma criança negra escreveu:

Meu ato sexual não me fez negro

Isso é algo que os gays não podem dizer

Pois é fato que o ato sexual deles

É o que os faz gays

A homossexualidade e a heterossexualidade são comportamentos sexuais que se expressam. Não são condições físicas como a cor negra ou branca.

Havendo dito isso, será que sou homo-fóbico se eu não gostar, não aceitar ou não me sentir bem com a expressão (conduta) sexual dos gays? Homo-fóbico significa temer ou odiar o indivíduo gay ou homossexual que se engaja em tal conduta? Antes de responder a essa pergunta, por favor permita-me compartilhar com você outras condutas com as quais não me sinto bem.

* Não gosto de (ou não me sinto bem com) heterossexuais que se exibem com gestos escandalosos em público quando podem fazê-lo na privacidade de seus lares. Será que sou hetero-fóbico e odeio heterossexuais?

* Não gosto de (ou não me sinto bem com) indivíduos que traem o cônjuge. Isso significa que tenho fobia e ódio dos que traem seus cônjuges?

* Não gosto (ou não me sinto bem) quando meus filhos se comportam como membros de gangue. Será que odeio ou temo meus filhos? Será que isso é fobia dos próprios filhos?

* Não gosto (ou não me sinto bem) quando motoristas fazem ultrapassagens perigosas em outros motoristas. Será que tenho ódio ou fobia de motoristas?

* Não gosto (ou não me sinto bem) quando meus irmãos e irmãs negros usam a palavra “preto”. Isso significa que tenho medo e ódio de meus irmãos e irmãs afro-americanos?

* Não gosto de (ou não me sinto bem com) muitos dos meus maus hábitos. Será que tenho ódio e medo de mim mesmo?

Imagino que você está entendendo o que estou querendo dizer. Só porque não gosto de certas condutas ou não me sinta bem com certas condutas, isso não significa que temo ou odeio a pessoa que se engaja em tal conduta.

Não devemos permitir que outros nos rotulem ou coloquem em nós um peso de culpa naqueles entre nós que não gostamos, não aceitamos e não nos sentimos bem com o estilo de vida homossexual. Tenho certeza de que mesmo dentro da população homossexual há certas condutas que eles não gostam, mas isso significa que eles temem ou odeiam as pessoas que demonstram tal conduta?

Eu odeio ou temo gays? Absolutamente não! Se eu visse alguém tentando prejudicar fisicamente um gay, como cristão e tal qual o “Bom Samaritano” da Bíblia, eu seria um dos primeiros a socorrê-lo, não porque o indivíduo prejudicado é gay, mas porque ele, como eu mesmo, é amado por Deus. (João 3:16)

Considerações finais: Conforme declarei antes, os gays muitas vezes comparam sua experiência com a experiência dos negros, mas os negros nunca tiveram a opção de esconder sua pele negra no armário para escapar ou evitar perseguição. E nós nunca fomos odiados por causa de nossa conduta. Nós éramos odiados simplesmente porque éramos negros.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: Americans for Truth

A Importância da Bíblia para dias atuais

Dr. Paulo Romeiro

A Palavra de Deus - viva, infalível, eterna - é totalmente fidedigna. É somente ela que deve nortear as decisões, que sacia a fome do coração e preenche as lacunas da alma. Ela revela quem é o Criador, quem é Satanás, exibe o plano de Deus para salvação dos perdidos e expõe os erros que vão surgindo, frutos dos pecados e imperfeições humanas.

Os fatos históricos demonstram que os relatos e os ensinos bíblicos são de origem divina. A Bíblia contém uma revelação divina. Não se trata de uma fé cega, calcada no subjetivismo. Trata-se de uma fé objetiva que pode ser analisada e explicada. A pessoa que abraça o cristianismo não precisa aposentar a cabeça. Ela deve continuar pensando e exercendo o seu senso crítico. A fé cristã, embora transcenda a razão, não é irracional. Ela faz sentido. Alguém (não me lembro quem) até colocou isso muito bem com a seguinte frase: "O meu coração não consegue se alegrar totalmente com aquilo que a minha mente não entende a contento".

Existem aqueles que afirmam não crer na Bíblia por que ela foi escrita por homens. Quando alguém me diz isso, pergunto logo: "E você, queria que ela tivesse sido escrita por um cavalo? Aí sim, não daria para crer". A Bíblia foi de fato escrita por homens, e o próprio apóstolo Pedro não negou isso ao escrever: "Antes de mais nada, saibam que nenhuma profecia da Escritura provém de interpretação pessoal, pois jamais a profecia teve origem na vontade humana, mas homens falaram da parte de Deus, impelidos pelo Espírito Santo" (II Pedro 1.20, 21).

UM LIVRO INCOMPARÁVEL

O que vem a seguir sãos algumas declarações que demonstram ser a Bíblia Sagrada um livro sem paralelo, diferente de todos que já foram escritos:

A Bíblia é o único livro no mundo que oferece provas objetivas de ser a Palavra de Deus. Somente a Bíblia fornece provas reais de ser divinamente inspirada.

A Bíblia é a única Escritura sagrada que oferece salvação eterna como um Dom totalmente gratuito da graça e da misericórdia de Deus.

A Bíblia contem os mais elevados padrões morais dentre todos os livros.

Somente a Bíblia apresenta o mais realístico ponto de vista sobre a natureza humana, tem o poder de convencer as pessoas de seus pecados e a habilidade de transformar a natureza humana.

Somente a Bíblia oferece uma solução realística e permanente para o problema do mal e do pecado humano.

As características internas e históricas da Bíblia são excepcionais em sua unidade e consistência interna, apesar dela ter sido produzida por um período de mais de 1,500 anos, por mais de 40 autores diferentes, em três línguas, em três continentes, discutindo uma enorme quantidade de assuntos controvertidos, e ao mesmo tempo mantendo uma harmonia entre eles.

A Bíblia é o livro mais traduzido, mais comprado, mais memorizado e o mais perseguido em toda a história.

Somente a Bíblia tem resistido dois mil anos de intenso escrutínio pelos seus críticos, não apenas sobrevivendo aos ataques, mas prosperando e tendo a sua credibilidade fortalecida por tais críticas.

A Bíblia tem moldado a história das civilizações mais do que qualquer outro livro. A Bíblia tem tido mais influência no mundo do que qualquer outro livro.

Somente a Bíblia tem uma Pessoa específica (centrada em Cristo) como assunto em cada um de seus 66 livros, detalhando a vida dessa Pessoa através de profecias e tipos, por um período de 400 - 1,500 anos antes dela nascer.

Somente a Bíblia proclama a ressurreição de sua figura central (Jesus Cristo), provada na história. [1]
A IMPORTÂNCIA DA HERMENÊUTICA

O mundo vive cercado de um desenvolvimento tecnológico e científico sem precedentes na história da humanidade. E apesar de todos os avanços conseguidos até agora, o ser humano continua sendo um fracasso moral e espiritual desde o Éden. Por esta razão, a Bíblia Sagrada tem sido, e sempre vai ser, um livro indispensável.

Por se tratar de um livro de extrema importância, é preciso, ao mesmo tempo, interpretá-lo de acordo com as regras da hermenêutica, a ciência que estuda a interpretação de textos.

Assim, pode-se dizer que a Bíblia é como uma navalha. Com ela se faz a barba, mas com ela se corta também o pescoço. Depende da maneira como ela é usada. Quando os princípios da hermenêutica e da exegese bíblica são abandonados, os abusos, as manipulações e os ensinos controvertidos começam a se multiplicar ao redor da Palavra de Deus.

A ética desaparece do ministério cristão e da vida dos adeptos do cristianismo. Infelizmente, a situação atual reflete bastante este abandono da fidelidade bíblica, gerando mau testemunhos, suspeita, heresias e transtorno para o progresso do evangelho. Parte disso será tratado, a partir de agora, neste artigo.

O leitor vai constatar que vários segmentos do evangelicalismo brasileiro abandonaram os princípios sólidos de interpretação bíblica, sucumbindo as pressões do marketing, do mercado e do capitalismo, em suas formas de atuar e de desenvolver o ministério cristão.


O QUADRO ATUAL

Uma das características de uma boa parte da Igreja Evangélica Brasileira é a sua avidez por novidades. Muitas igrejas hoje, ditas evangélicas, não se contentam mais com a sã doutrina pregada pelos apóstolos e pais da Igreja - mais tarde defendida pelos reformadores - e vivem numa busca constante de novidades e modismos doutrinários.

Uma das últimas novidades a invadir o arraial evangélico brasileiro chegou de Bogotá, na Colômbia. Idealizado por César Castellanos Dominguez, o G 12 (Grupo dos Doze) é um movimento que propõe o crescimento das igrejas através de células, com reuniões nas casas. Até aí, tudo bem! De fato, não existe nada de errado em dividir a igreja em células ou grupos familiares para reuniões nos lares ou outros locais. Muitos grupos ao redor do mundo tem feito isso e até com bons resultados. Pode dar certo para uma igreja, enquanto que para outra não. Depende das circunstâncias, do contexto geográfico, social ou de outros fatores.

Agora, o que preocupa em relação ao G 12 é o emprego de práticas e ensinos contrários a Palavra de Deus, tais como quebra de maldições hereditárias, cura interior, mapeamento espiritual e liberar perdão à Deus. O G 12 é ainda apresentado como o último avivamento de Deus na terra. É de fato, muita pretensão!

Outra coisa curiosa é a facilidade com que muitos líderes têm de criar os locais sagrados de peregrinação. Enquanto o catolicismo romano conta com Aparecida do Norte, Lourdes, Fátima, o movimento da Nova Era com a Fundação Findhorn, na Escócia, o Instituto Esalen, na Califórnia, Machu Pichu, no Peru, muitos evangélicos partiram em caravanas para Toronto, no Canadá, em busca da gargalhada sagrada.

Outros foram em grupos para Pensacola, nos Estados Unidos, em busca de avivamento. E agora, por último, a febre virou-se para Bogotá, na Colômbia, em busca, segundo eles, da única fórmula capaz de fazer a igreja crescer aos milhões. Qual será a próxima onda?

A igreja evangélica hoje, em sua grande maioria, é uma igreja mundana, que segue os mesmos padrões de mercado e competição do mundo secular. Há uma mudança da visão bíblica para a visão empresarial.

Antigamente, as qualidades valorizadas num líder cristão eram a sua vida de oração e ética, as suas habilidades e dons para interpretar e transmitir a Palavra de Deus, o seu convívio com as ovelhas, cuidando de suas feridas e levando as suas cargas.

Hoje, o líder bem sucedido deve ser um animador de auditório, um especialista em marketing, sempre apressado, vestido com roupas de grife, freqüentando os melhores restaurantes e vivendo em mansões, com uma agenda cheia, sem tempo para orar, meditar e conviver com as ovelhas. Aliás, há muitos líderes hoje que amam a multidão e odeiam os indivíduos. Eles gostam da massa, mas nunca têm tempo para as pessoas. Os tempos realmente mudaram!

Assim, as pressões do mercado levam os líderes e as igrejas a se tornarem extremamente criativos na tarefa de arregimentar seguidores. Estes já não são vistos como uma vida, uma alma pela qual Cristo morreu, mas como uma fonte de renda para encher os cofres de uma instituição que vai saciar a ganância e a luxúria de seus dirigentes. Surgem assim as sete sextas-feiras do poder, as sete quartas-feiras da prosperidade, os cultos de libertação, a reunião dos empresários. Etc.

Outra coisa preocupante é o grande uso de símbolos, práticas e artefatos para se pregar o evangelho. Há de tudo: tapete ungido, arruda, sal grosso, corredor do amor, vassoura de fogo, mirra para embelezamento do corpo, cair, soprar, sandália de fogo, uma série enorme de correntes (da prosperidade, libertação, saúde, do amor etc.).

Ora, o evangelho não foi feito para os olhos. O evangelho foi feito para o coração e para o intelecto, para a mente. Tanto que a fé cristã tem poucos símbolos. Ela tem os símbolos do batismo e da ceia. Não há preocupação com uma variedade de símbolos, pois o cristão adora a Deus em espírito (ou Espírito) e em verdade.

Isto quer dizer que o nosso serviço a Deus deve ser segundo a orientação do Espírito Santo em dentro dos parâmetros da Palavra de Deus, que é a verdade (Jo 17.17). Assim, uma grande necessidade do momento no mundo evangélico é uma volta ao fundamento firme da Palavra de Deus.

DE VOLTA À BÍBLIA

Quando o apóstolo Paulo chegou a Mileto, enviou um recado aos anciãos de Éfeso para que se encontrassem com ele, pois queria falar-lhes. O texto de Atos 20.17-38 revela vários aspectos do caráter de Paulo e algumas de suas prioridades ministeriais. O texto também fala de sua humildade, suas lágrimas e tentações na pregação do evangelho.

Paulo relata aos líderes de Éfeso que, nas suas viagens, ele nunca sabe o que vai lhe acontecer, senão aquilo que o Espírito Santo lhe revela, de cidade em cidade, dizendo que lhe esperam prisões e sofrimentos (v. 23).

Assim, pode-se perceber que não existe na vida do apóstolo a preocupação com o conforto, a busca do luxo ou de reconhecimento. Ele nem mesmo considera a sua vida importante. Para ele, o mais importante é cumprir a sua carreira e dar testemunho do evangelho (v.24). Por isso, Paulo nunca deixou de anunciar-lhes toda a vontade de Deus (v.27).

Em seguida, Paulo faz uma séria advertência: "Sei, que depois da minha partida, lobos ferozes penetrarão no meio de vocês e não pouparão o rebanho. E dentre vocês mesmos se levantarão homens que torcerão a verdade, a fim de atrair os discípulos para si. Por isso, vigiem! Lembrem-se de que, por três anos, jamais cessei de advertir a cada um de vocês, noite e dia, com lágrimas" (Atos 20.29-31).

Por um lado, vejo hoje o crescimento das seitas e a infiltração de heresias no seio da igreja evangélica com muita tristeza. Por outro lado, sou obrigado a reconhecer de que se trata de um cumprimento profético.

A Bíblia diz que isso iria acontecer. Ao escrever à Timóteo, Paulo declara: "O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios" (1Timóteo 4:1).

Na Segunda vez que escreveu a Timóteo, o apóstolo volta ao assunto. Mesmo sabendo que sua morte estava próxima, a preocupação de Paulo ainda é com a sã doutrina. Observe suas palavras:

Na presença de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos por sua manifestação e por seu Reino, eu o exorto solenemente: pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda paciência e doutrina. Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos. Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos.
(2Timóteo 4.1-4).

Paulo não diz à Timóteo: pregue sonhos, visões, revelações ou experiências. Embora haja espaço para tudo isso na vida espiritual, a ênfase do apóstolo é na Palavra de Deus.

Não foi apenas Paulo quem se preocupou com a sã doutrina. O apóstolo Pedro também tratou do assunto na sua segunda carta, ao escrever:

Mas surgiram também profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos destes homens, e por causa deles, será difamado o caminho da verdade.
(2Pedro 2.1-2).

Talvez esteja aqui a resposta que muitos me têm feito ao redor do Brasil. Por que os movimentos religiosos controvertidos e as igrejas evangélicas que abrem suas portas para ventos de doutrinas crescem tanto? A resposta é: por que é bíblico. A Bíblia disse que muitos seguiriam os seus falsos ensinos. Muitos hoje querem dar validade bíblica a um movimento por causa do seu crescimento.

Ora, o crescimento numérico não é um critério válido para definir se algo é de Deus ou não. Se assim fosse, como ficaria o dilúvio, quando a maioria estava fora da arca e apenas uma minoria dentro dela? Se a quantidade fosse um critério válido, teríamos então que admitir que o Islamismo é a única verdade de Deus na terra, pois não há grupo maior ou que cresce mais.


Multidões de Muçulmanos em Meca

O argumento da quantidade é muito usado pelos líderes do G-12. Ora, se juntássemos todas as igrejas do G-12, o movimento não seria maior do que a Igreja Mórmon. Logo, quantidade não pode ser a evidência de que Deus esteja aprovando algum movimento.

Como é bom constatar que os líderes de Éfeso levaram a sério as palavras de Paulo em Mileto. Quando lemos a carta à Igreja de Éfeso, no Apocalipse, vamos encontrar a seguinte declaração do Senhor:

Conheço as suas obras, o seu trabalho árduo e a sua perseverança. Sei que você não pode tolerar homens maus, que pôs à prova os que dizem ser apóstolos mas não são e descobriu que eles eram impostores. Você tem perseverado e suportado sofrimentos por cauda do meu nome e não tem desfalecido.
(Apocalipse 2.2, 3).

Diante dos textos mencionados aqui e ao olhar o cenário evangélico brasileiro hoje, nada se torna mais importante para igreja evangélica do que uma volta à Palavra de Deus.

A Igreja no Brasil precisa, urgentemente, de voltar a pregar o evangelho da salvação e não da solução. A enfatizar os tesouros eternos e não o sucesso presente.

Lamentavelmente, há igrejas hoje mais interessadas em fabricar milionários do que transformar pecadores em santos. Infelizmente, em muitos púlpitos evangélicos, Satanás já levou a melhor. Que Deus tenha misericórdia de nós!

--------------------------------------------------------------------------------

[1] Essas declarações foram extraídas da Encyclopedia of Cults and New Religions (Enciclopédia de Seitas e Novas Religiões), de John Ankerberg e John Weldon, Harvest House Publishers, Eugene, Oregon, EUA, 1999, pp. 670 - 671.



--------------------------------------------------------------------------------

Copyright © 2006 Agência de Informações Religiosas

Igreja Evangélica - Mais propensa a sentir do que pensar

Dr. Paulo Romeiro

Pergunta: O crescimento dos evangélicos no Brasil, principalmente dos neopentecostais, está sendo acompanhado por uma formação teológica eficaz? A Igreja Evangélica pode provocar mudanças na Igreja Católica Romana?

Resposta: Não! O crescimento da presença evangélica no Brasil não está sendo acompanhado por uma formação teológica adequada! Uma das coisas que tem contribuído para esta resposta negativa é a proliferação de escolas e institutos bíblicos despreparados, por toda a parte, sem bibliotecas.

Assim, continuaremos tendo uma igreja muito mais propensa a sentir do que a pensar ou refletir, tudo isso reforçado por um antiintelectualismo que permeia, atualmente, grande parte dos evangélicos.

Acho que a teologia evangélica não pode influenciar a igreja católica. Roma tem posições definidas e vem mantendo com sucesso, ao longo do tempo, seus dogmas e posições. Basta verificar o comportamento dos últimos papas, João Paulo II e Bento XVI.

Aonde quer que João Paulo II tenha ido, ele jamais cedeu às pressões mudar as posições do catolicismo em relação à ordenação de mulheres, às questões do aborto, homossexualidade e do controle de natalidade.

É verdade, no entanto, que a igreja evangélica, principalmente o seu segmento pentecostal, tem influenciado a teologia e a liturgia da renovação carismática católica.

O uso intenso de símbolos, os mesmos cânticos e gestos — a aeróbica do Senhor — têm sido transportados, com sucesso, do ambiente neopentecostal para as missas do padre Marcelo Rossi e de outros.

Às vezes, alguns modismos ou desvios doutrinários influenciam um ou outro líder católico, mas de forma isolada. É o caso do padre Alberto Gambarini, que usa os mesmos métodos de arrecadar fundos de alguns televangelistas: vende medalhas, apresenta ensinos questionáveis tais como quebra de maldições hereditárias e outros na área de batalha espiritual.

Dá a impressão de que ele é um pastor tentando agradar católicos ou um padre tentando agradar evangélicos. Creio que a postura do catolicismo, de não negociar suas posições, deveria servir de exemplo para evangélicos que não hesitam em incorporar novos modismos teológicos e práticas heterodoxas, baixando o padrão de suas pregações para conseguir mais adeptos e inchar suas igrejas.


CRISE ÉTICA

Pergunta: Que influência os políticos evangélicos têm tido sobre o quadro político brasileiro?

Resposta: A chegada de políticos evangélicos a cargos públicos não tem feito diferença na ética política do país, pois o universo político evangélico não constitui, pelo menos por enquanto, uma referência ética para a sociedade.

Basta ver que, nos últimos anos, o envolvimento da maioria dos evangélicos com a política produziu mais males do que benefícios. A própria CPI do Orçamento revelou o triste fato de deputados e organizações evangélicas roubando o tesouro público.

Vários políticos evangélicos sucumbiram aos subornos, mentiram, venderam votos e tor naram-se assuntos de piada por parte dos incrédulos. A CPI do Mensalão é mais uma prova disso.

Recentemente, um bispo da Igreja Universal do Reino de Deus renunciou ao seu mandato para não ser cassado. Creio que a crise da ética vivida por grande parte da igreja atualmente exige de seus líderes respostas e ações urgentes.

Muitos jovens evangélicos colam nas escolas e acham que não há nenhum problema em fazê-lo. Conheço pastores que, quando alguém liga para sua casa, instruem os filhos a dizer no telefone que o pai não está, já ensinando-os a mentir.

Basta ir às livrarias evangélicas para constatar o grande número de cheques sem fundos emitidos por crentes. Como vamos ensinar aos políticos brasileiros algo que não praticamos?

Sei que há, pelo Brasil afora, líderes evangélicos e cristãos sinceros, mas não são a maioria e nem têm visibilidade midiática. Infelizmente, os que aparecem não representam a melhor parte do mundo evangélico.

A igreja precisa, com urgência, colocar o ensino e a prática da ética bíblica na sua agenda de prioridades. Ensinar e viver a ética cristã é o caminho a ser percorrido por nós, se quisermos, de fato, ser o sal da terra e a luz do mundo (Mt 5:13–16).

Lamentavelmente, a atual ética política evangélica representa um retrato negativo, oposto ao que devemos ser enquanto cidadãos e cristãos evangélicos.


-----------------------------------------------------------------------------------------------------------


Copyright © 2006 Agência de Informações Religiosas

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Manipulação da Mente

Dr. Paulo Romeiro

Um breve estudo sobre o processo de sedução
nos novos movimentos religiosos 

I - INTRODUÇÃO

Qualquer pessoa que se mantém informada com o que se passa ao seu redor vai perceber, sem dificuldades, que a presente época é também marcada por uma explosão de misticismo e novos movimentos religiosos. 

Nas últimas décadas, uma avalanche de pessoas, em sua maioria, jovens, foi seduzida por diferentes seitas e grupos religiosos. É, de fato, surpreendente, que, numa época como esta, depois de ter feito tanto progresso tecnológico, depois de todo fantástico desenvolvimento da ciência, o ser humano ainda continue disposto a se tornar escravo, espiritual e mentalmente, um de outro. Como isso acontece e o que leva uma pessoa a comportar-se assim, é o tema deste artigo.

Este trabalho fará uma breve análise sobre o emprego do termo seita, terminologia esta bastante controvertida nos dias atuais. Depois, o papel do líder no processo de manipulação. Por último, algumas formas de controle e manipulações produzidas por alguns grupos, além das considerações finais e uma bibliografia sobre o assunto.

II - O TERMO SEITA

De acordo com a Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã, o termo “seita ‘vem do latim, secta, derivado do particípio passado de secare (cortar, separar) ou de sequi (seguir), e tem o sentido de partido, escola, facção (...) 

A palavra seita tem sido normalmente usada para referir-se a grupos que se separam de outros já existentes, como foi o caso dos primeiros cristãos que se separaram do judaísmo (...) Nos círculos evangélicos, porém, o termo seita tem adquirido o sentido de grupo herético”. [1] Para Van Baalen, seita é “qualquer religião tida por heterodoxa ou espúria”. [2] Walter Martin define seita como “um grupo de indivíduos reunidos em torno de uma interpretação errônea da Bíblia, feita por uma ou mais pessoas”. [3]

Margaret Singer, conhecida autoridade sobre os novos movimentos religiosos na América do Norte, prefere usar a frase “cultic relationships” (relacionamentos de seita) para explicar mais precisamente os processos e interações que acontecem dentro do grupo. 

Para ela, isso acontece quando “uma pessoa, intencionalmente, induz outras tornarem-se totalmente ou quase totalmente dependentes dele ou dela para quase todas as principais decisões da vida e inculca nesses seguidores a crença de que ele ou ela tem algum talento, dom ou conhecimento especial”. [4]

Para a senhora Singer, o rótulo seita tem a ver com três fatores:

A origem do grupo e a figura do líder.  
A estrutura de poder, ou o relacionamento entre o líder (ou líderes) e os seguidores.  
O emprego de um programa coordenado de persuasão (chamado de reforma de pensamento, mais conhecido como lavagem cerebral).  
Margaret Singer comenta ainda:

O que é rotulado como seita por um pesquisador, pode não ser identificado como tal por outro. Por exemplo, alguns pesquisadores consideram apenas os grupos de cunho religioso, descartando a miríade de grupos formados ao redor de uma variedade de doutrinas, teorias e práticas. 

Usando os três fatores de líder, estrutura e reforma de pensamento permitem-nos avaliar a natureza cultual de uma situação ou de um grupo em particular, independente do seu sistema de crença. [5]

Na conferência da American Family Foundation em 1985, em Los Angeles, vários eruditos e representantes da polícia americana, adotaram a seguinte definição de seita:

"Um grupo ou movimento exibindo grande ou excessiva devoção ou dedicação a alguma pessoa, idéia, ou coisa, e empregando técnicas manipuladoras antiéticas ou coercitivas de persuasão e controle (ex.: isolamento de antigos amigos e da família, debilitação, uso de métodos especiais para elevar a sugestionabilidade e subserviência, poderosas pressões do grupo, gerenciamento de informações, suspensão da individualidade ou julgamento crítico, promoção de total dependência do grupo e medo de sair dele), destinadas a alcançar os alvos dos líderes do grupo, num possível detrimento dos membros, suas famílias ou da comunidade". [6]

III - O LÍDER NO PROCESSO DE MANIPULAÇÃO

Geralmente, o líder da seita é dotado de carisma, magnetismo irresistível, aparência de vencedor, demonstrando grande entusiasmo pela causa que defende ou pelo produto que vende. Em seu livro Ensaios de Sociologia, Max Weber traz um comentário interessante sobre o fator carisma:

A expressão “carisma” deve ser compreendida como referindo-se a uma qualidade extraordinária de uma pessoa, quer seja tal qualidade real, pretensa ou presumida. “Autoridade carismática”, portanto, refere-se a um domínio sobre os homens, seja predominantemente externo ou interno, a que os governados se submetem devido a sua crença na qualidade extraordinária da pessoa específica. 

O feiticeiro mágico, o profeta...o chefe guerreiro...o chefe pessoal de um partido são desses tipos de governantes para os seus discípulos, seguidores, soldados, partidários, etc. 

A legitimidade de seu domínio se baseia na crença e na devoção ao extraordinário, desejado porque ultrapassa as qualidades humanas normais e originalmente considerado como sobrenatural. A legitimidade do domínio carismático baseia-se, assim, na crença dos poderes mágicos, revelações e culto do herói. [7]

O fascínio e poder que um líder pode exercer sobre seus adeptos pode ser notado também nas observações de Michael Green:

Os fiéis, na verdade, endeusam o líder; ele é supremo e a sua vontade term que ser obedecida. De fato, sua posição corresponde quase que exatamente àquela do imperador romano que exercia completo poder político sobre o mundo conhecido e era adorado por seus subjugados. 

Da mesma forma Hitler declarou ser o emissário do Todo-Poderoso e o fundador do reino de mil anos. Os nazistas morriam invocando o seu nome e sua personalidade era considerada transcendente. 

O mesmo aconteceu com Mao. Ele não era apenas um líder; ele era divindade. Ele foi adorado. As pessoas se ajoelhavam diante dele. Elas recitavam seus pensamentos. Elas acreditavam que ele as curava através das mãos de um cirurgião. Ele tomou o lugar de Deus. [8]

Os fiéis do Tabernáculo da Fé seguem os ensinos de William Marion Branham, um controvertido pregador de cura divina nos Estados Unidos, já falecido. Branham declarou ser o anjo do Apocalipse 3:14 e 10:7 e que o arrebatamento da Igreja e a destruição do mundo aconteceriam em 1977. 

Seus seguidores exibem, com muito orgulho, uma foto de Branham tirada em Houston, Texas, em 1950, em que aparece uma auréola de luz sobre a sua cabeça, enquanto falava do púlpito. 

Depois de falecer, em 1965, seus devotos acreditavam que ele ressuscitaria. Alguns de seus discípulos criam ser ele o próprio Deus, enquanto outros afirmavam que ele havia nascido através de uma virgem (nascimento virginal). Alguns oravam a ele e outros batizavam em seu nome.

Um dos exemplos mais chocantes do relacionamento doentio entre um líder e seus seguidores pôde ser constatado no grupo Ramo Davidiano, de David Koresh, em Waco, Texas, nos Estados Unidos.
 
Em abril de 1993, o FBI cercou, por vários dias, o rancho onde Koresh e seu grupo estavam reunidos, enquanto a sociedade acompanhava os fatos pela mídia, aguardando um final feliz. Infelizmente, o final feliz não aconteceu.
 
Depois de perceberem que a polícia invadiria o local, Koresh e seu grupo preferiram transformar o rancho em chamas do que entregar-se ao FBI. No dia 19 de abril de 1993, cerca de 80 pessoas morreram, incluindo aproximadamente 25 crianças, sacrificadas por causa da agenda e megalomania de um líder doentio. Nove pessoas sobreviveram.

Dois autores dão mais informações sobre o caráter de David Koresh:

No seu cartão pessoal estava impresso “Messias” e ele é citado como tendo declarado em inúmeras ocasiões: “Se a Bíblia é verdade, então eu sou o Cristo”. Alguns acreditaram nele.

Ele foi capaz de convencer os maridos a entregarem-lhe suas esposas, famílias a entregarem-lhe dinheiro e filhos. Seu estilo de vida paradisíaco permitiu-lhe viver da renda dos outros. Em 19 de abril de 1993, havia quase cem pessoas dispostas a morrer com ele pela promessa de uma vida no céu após a morte. [9]

Outros grupos já provocaram tragédias parecidas, apresentando padrões de liderança mais ou menos parecidos, tais como Heaven’s Gate, Aum Shinrikio e seu guru Shoko Asahara. 

Entretanto, de todas as tragédias envolvendo seitas, a mais notória até agora aconteceu no fim de 1978, nas selvas da Guiana. Na ocasião, o líder do Templo do Povo, Jim Jones, levou mais de 900 pessoas a um suicídio coletivo. Um repórter que acompanhou os fatos constatou vários aspectos nocivos da personalidade de Jim Jones e os relatou assim:

O Reverendo Jim Jones, nos dias finais da colônia do Templo do Povo na selva da Guiana, era um personagem que poderia perfeitamente ter sido criado por Joseph Conrad. 

Era o messias paranóico de uma congregação aterrorizada, mas devota, cujo fim ele previa todas as noites, pelas forças das trevas e ameaçadoras que os cercavam: CIA, Ku Klux Klan, racismo, fascismo, holocausto nuclear...

Declarava às vezes ser o herdeiro espiritual de Cristo e/ou Lenin. Pregava uma doutrina de socialismo apostólico ao mesmo tempo em que se apropriava para o seu Templo de um tesouro de milhões de dólares em bens imóveis, dinheiro, cheques de seguro e assistência social do rebanho. 

Nos últimos anos de sua pregação em São Francisco e depois na Guiana, Jones tornou-se um dos mais macabros líderes de cultos religiosos da história americana. Se houvesse alguma atenção nacional à sua mensagem e aos brados de alerta dos primeiros membros que romperam com a seita, talvez fosse possível prever o trágico desenlace na Guiana e se tomar alguma providência para evitá-lo. [10]

Um outro exemplo vem do mormonismo. O testemunho de um mórmon sempre vai incluir uma reverência ao fundador do movimento, Joseph Smith. Geralmente, o adepto, ao dar o seu testemunho, no púlpito ou fora dele, dirá: “Creio que a Igreja Mórmon é a igreja verdadeira e que Joseph Smith é um profeta de Deus”. Os mórmons rendem louvores ao seu fundador com o hino 108 do seu hinário oficial, intitulado, “Hoje ao Profeta Louvemos”!

No livro intitulado O Império Moon, um jornalista francês, Jean-François Boyer, fez uma análise da agenda econômica e política da Igreja da Unificação do Reverendo Moon. Boyer faz revelações impressionantes sobre o relacionamento doentio de Moon com seus adeptos:

Logo que aceito na “família”, o novo membro só tem uma preocupação: provar que ama Moon mais do que a si próprio; pois o “Novo Messias” jamais escondeu que ele esperava muito de seus filhos. 

Há mais de vinte anos que se dirige a seus fiéis e tem delineado, de discurso em discurso, o retrato falado do moonista perfeito. “Se vocês me amam, mostrem-me que vocês me amam”, diz em 1977 a seus fiéis americanos. 

E cada um busca nos textos sagrados - uma coletânea de locuções em inglês intitulada “O Mestre fala” - a fim de procurar saber sobre as regras de conduta que farão deles filhos dignos do amor do “Pai”. [11]

Na Seita Moon, existe até mesmo a perspectiva de dar a vida pela igreja e pelo líder, como pode ser observado nas palavras do “Pai”:

“Procurar sempre o mais difícil é uma maneira de pensar”, diz Moon, por ocasião de um seminário teológico em 1979. “Vocês poderiam mesmo se perguntar”, acrescenta à sua atenta platéia, “quando o reverendo Moon vai me pedir para morrer? Pois nada é mais difícil do que isso”. 

E um dos principais pregadores, Ken Sudo, vai ainda mais longe. Diante de uma platéia extasiada, composta por jovens casados naquele mesmo ano pelo “Pai”, diz: “Agora é minha vez de dar a vida pelo ‘Pai’... Sou voluntário para morrer... Se você sente verdadeiramente que é uma alegria morrer pelo ‘Pai’, não somente em palavras, mas em atos, isso é formidável!” [12]

Pelas pesquisas de Boyer, pode-se notar que a Seita Moon não propõe à humanidade um ideal para a eternidade como a maioria das religiões, mas um projeto em curto prazo: a instauração de uma teocracia. 

Moon deve estabelecer o reino de Deus sobre a Terra antes de morrer, senão terá falhado em sua missão, como o fez Cristo a quase dois mil anos. O projeto Moon não foi feito para ser efetivado em longo prazo. 

A Igreja da Unificação é uma igreja apressada; ela tem necessidade, então, de um sem-número de pessoas, prontas a se sacrificarem pelo profeta, mas não poderia vencer sem o aliciamento rápido e decisivo de pessoas importantes nas cidades a serem conquistadas: magistrados, advogados, professores, jornalistas e políticos. [13]

Os discípulos do Rev. Moon carregam consigo uma foto do líder para garantir a proteção dos anjos e do bom mundo espiritual (revista Mundo Unificado, maio/junho de 1984, p. 8). As orações no grupo são feitas em nome dos verdadeiros pais, isto é, o Rev. Moon e a sua esposa. Moon se intitula o Senhor do Segundo Advento.

Os aspectos negativos da figura do líder dentro de um grupo religioso aparecem bastante também na figura e no comportamento de David Berg (chamado de Moisés Davi ou Mo), fundador do grupo Os Meninos de Deus, conhecido, hoje, como A Família. 

A própria filha de David Berg, Deborah (Linda Berg) Davis, que viveu muitos anos dentro da seita e saiu chocada com os ensinos e o estilo de vida de seu pai, escreveu um livro revelador, expondo os abusos dentro do grupo. 

Por várias vezes, no livro, Deborah cita um professor de sociologia, Roy Wallis, da Queen’s University de Belfast, que estudou David Berg e os Meninos de Deus sob a perspectiva do carisma. Wallis examina a dinâmica do carisma na liderança, a necessidade que as pessoas têm de aceitação, e a disposição de prestar toda a devoção e apoio a um homem como seu pai:

Tornar-se carismático não é algo que acontece de uma vez e para sempre. É uma característica crucial do carisma que ele exista somente no seu reconhecimento por outros. Ele deve ser constantemente reforçado e reafirmado ou deixa de existir. 

O líder carismático, e aqueles ao seu redor, devem encontrar, constantemente, meios de garantir a reafirmação requerida. Berg obteve este reconhecimento contínuo da mesma forma que ele o produziu originalmente, isto é, através de um sistema de trocas.
 
Berg selecionava as pessoas que seriam alvo de atenção especial, afeição e elogios; elas também acreditavam estar alcançando o que aspiravam, isto é, dedicar suas vidas ao serviço de Deus. Tendo rejeitado os padrões mundanos, somente através da aprovação de Berg elas poderiam ter certeza de que estavam fazendo a vontade de Deus. 

Lisonjeadas por receberem tanta atenção e cuidado por parte do profeta, elas, por sua vez, estavam muito dispostas a aceitar o status que lhes foi proposto, e assim confirmar o status de Mo como oráculo de Deus, reafirmar o conceito que ele tinha de si mesmo, apoiar suas aspirações, e encorajá-lo em qualquer situação em que ele se sentisse desanimado, mal sucedido, ou quando surgia na sua mente que as coisas não aconteceriam como ele havia pensado. [14]

Pelas informações relatadas acima, pode-se observar que os líderes de seitas são pessoas autoritárias, gananciosas, gostam de controlar os outros e garantem que possuem uma missão especial para desenvolver na terra.

IV - CONTROLE E MANIPULAÇÕES

O desenvolvimento da tecnologia e da mídia tem fornecido as seitas  tantas ferramentas sofisticadas que se tornou quase impossível para qualquer pessoa escapar de suas propagandas ou manipulações. A Enciclopédia de Psicologia define manipulação como:

O gerenciamento e a direção dos seres humanos pelo uso hábil de seus desejos e qualidades com o propósito de controlá-los com fins sociais, científicos ou políticos, contrários as suas próprias escolhas. [15]

Pode ser dito que a sociedade hoje não está sujeita apenas às manipulações sociais, científicas ou políticas, mas bastante vulnerável às manipulações religiosas e espirituais em todas as partes do mundo.

No filme “Deceived”, Mel White mostra como Jim Jones usou várias técnicas de manipulações para alcançar seus alvos: o abuso do tempo, de dinheiro, disciplina e intimidade, foram largamente usados a fim de manter seus seguidores sob controle, mesmo até a morte. 

Houve, nas últimas quatro décadas, uma multiplicação de grupos religiosos, dos quais muitos tornaram-se nocivos ao indivíduo, à família e à sociedade em geral, representando, ao mesmo tempo, um desafio para as igrejas históricas tradicionais.

Por que tais grupos alcançam tanto sucesso? Como conseguem tantos adeptos? Como vários novos movimentos religiosos tornam-se, política e financeiramente, tão poderosos? 

É óbvio que tais grupos possuem diversos recursos que são estratégicos para o crescimento, principalmente, numérico. Uma das táticas é o assalto que os líderes de tais seitas fazem à mente humana, manipulando-a para a sua própria vantagem.

A posição de Jim Jones e o seu poder de manipular e controlar as pessoas em sua igreja foi contada, num livro, por dois jornalistas do jornal San Francisco Chronicle. A agenda política de Jim Jones, sua vida sexual promíscua, seu relacionamento com a imprensa e, praticamente, todos os atos de Jones são chocantes. Em tudo havia abusos, terror, desonestidade. A hierarquia funcionava assim:

No topo do império estava, naturalmente, Jones, cujo poder era incontrastável. O conselho jamais votaria contra ele. E ninguém tinha a pretensão de demover Jones de uma decisão qualquer, uma vez tomada. 

Em torno dele havia talvez entre uma dúzia e vinte pessoas, que constituíam o seu círculo imediato. Na sua maioria eram mulheres. Abaixo desse segundo escalão, vinha o terceiro, a comissão de planejamento, composta de uma centena de dignitários da igreja. 

No seio desse grupo havia uma elite, cerca de 12 “secretários” ou “conselheiros”. Reuniões da comissão de planejamento, ou P.C. (planning comission) constituíam o centro da vida do Templo. Eram sessões de estratégia, realizadas à noite, em dias de semana, e presididas por Jones, do alto do seu pódium. 

Nos primeiros anos da década de 1970 essas reuniões já se haviam transformado em verdadeiras maratonas que duravam a noite inteira. Nessas reuniões, Jones passava a maior parte do tempo presidindo sessões de “catarse”: longos interlúdios em que os membros da P.C. eram dissecados emocionalmente - uma experiência extenuante. 

Por que a senhora usa essas roupas novas, quando há tanta gente faminta? Não é exato que o senhor quis conquistar a mulher de outro homem? Admita-o! Como poderá qualquer um queixar-se de trabalhar até de madrugada quando o Pai se sacrifica tanto por todos? [16]

Por várias vezes, Jim Jones serviu bebida, supostamente envenenada, às pessoas ao seu redor, como se fosse um ato de brincadeira. Ele chegou a fazer isso com a sua comissão de planejamento. 

Depois que obedeceram, Jones disse-lhes que haviam tomado veneno e que estariam mortos dentro de 45 minutos. Quando o tempo se esgotou, disse-lhes que não se preocupassem, pois estava apenas testando a fé de cada um deles. Sem dúvida, essas “brincadeiras” prepararam o caminho para a grande tragédia que aconteceria anos depois. [17]

Os Meninos de Deus são conhecidos por exercer intensa pressão e atividade grupal sobre os convertidos em potencial. Palestras, estudos bíblicos, cultos longos e muitas horas assistindo vídeos contendo os ensinos do movimento, são parte de uma constante atividade para envolver o adepto na sua nova vida.
 
De acordo com os depoimentos de ex-adeptos das seitas, algum tipo de privação sensorial acontece - normalmente, dietas com poucas proteínas e poucas horas de sono a cada noite, diminuem as defesas físicas e psicológicas da pessoa, tornando-a receptiva à nova doutrina. Flo Conway e Jim Sigelman comentam:

Sob pressões cumulativas de controle físico, emocional e intelectual, o autocontrole e crenças pessoais cedem. Isolado do mundo e cercado de armadilhas exóticas, os convertidos absorvem os estilos alterados de pensamento e da vida diária da seita. 

Em pouco tempo, antes de perceberem o que está acontecendo, os novos adeptos entram num estado mental em que não são mais capazes de pensar por si mesmos. [18]

Através da história grupos extremistas têm aplicado, com muito sucesso, esse tipo de ataque à mente e às emoções, adquirindo assim, o controle sobre membros de tribos, sociedades e até nações inteiras, reduzindo o valor da personalidade individual do ser humano. Um ex-adepto de uma seita informa:

As seitas destroem a mente por completo. Elas destroem a sua habilidade de questionar as coisas, e ao destruir a sua habilidade de pensar, destroem também a sua habilidade de sentir. Pensar, para o membro de uma seita, é exatamente como ser apunhalado no coração. É muito doloroso, pois foi-lhe dito que a mente é Satanás e pensar é uma maquinaria do Diabo. [19]

Quando alguém se junta aos Meninos de Deus, a pessoa é completamente separada o mundo exterior. Não lhe é permitido ir a qualquer lugar sem a companhia de um irmão ou irmã do grupo. 

Qualquer pessoa de fora da seita é classificada como um “sistemista” (de sistema). Moisés Davi, ou Davi Berg, o fundador, sempre usou um rosário de adjetivos pejorativos para descrever os de fora: “sistemistas”, servos de Satanás, podres, decadentes, decrépitos, hipócritas, etc.

Um outro aspecto intrigante desse grupo é que o adepto adota um novo nome, geralmente da Bíblia. No início, ele é chamado “bebê”. Após três meses, ele é admitido no treinamento de liderança. 

A forma como ele chega à liderança é sendo o que a seita quer que ele seja, sem qualquer reclamação ou questionamento, fazendo exatamente as coisas que são esperadas dele.

As seitas destroem a individualidade da pessoa e o seu senso crítico. Um dos meios que Moisés David usou para fazer isso foi através de suas cartas, chamadas “Cartas de Mo”, como informa sua própria filha:

Ao declarar tais cartas como a Palavra de Deus, ele sufocou os poderes mentais criativos de seus seguidores. Eles não precisam mais pensar por si mesmos, ler a Bíblia e aplicá-la, dinamicamente, às suas vidas pessoais, ou fazer qualquer oração criativa. 

A única função deles é ler as cartas de Mo, deixar que Mo faça toda a comunicação com Deus, e seguir o que Mo escreve. É simplesmente uma questão de obediência. Suas mentes devem ser como computadores, e ele é o programador. Todos os novos dados e informações entrarão em suas mentes apenas através do seu trabalho. Eles são um pouco mais do que robôs incapazes de criar. [20]

Depois de entrar na seita, o novo discípulo é protegido de toda informação negativa que circula do lado de fora sobre o grupo. O uso de termos especiais é empregado para facilitar a manipulação dos membros. 

Quase todas as seitas estimulam seus membros a não pensar, praticam o controle da mente ou alguma forma de manipulação mental como parte de uma atividade. Para neutralizar os questionamentos de seus adeptos, o Reverendo Moon declarou: “Eu sou um pensador. Eu sou seu cérebro”. [21]

O império financeiro da Seita Moon é de fato impressionante. A Igreja da Unificação tem feito um grande sucesso na América Latina, principalmente no Uruguai. Os moonistas referem-se à cidade de Montevidéu como Moontevidéu. 

Possuem ali o melhor jornal, a melhor estação de rádio e o melhor hotel do país. Moon é tão sutil que, no primeiro semestre de 1996, conseguiu levar mais de 800 pastores do Brasil para suas reuniões no Uruguai.

A Igreja da Unificação tem sido muito criticada pelos seus métodos de levantamento de fundos. Normalmente, um moonista arrecada entre 100 e 500 dólares por dia, vendendo canetas, flores, envelopes e papel de carta. 200 dólares é a média. 

É dito, muitas vezes, que o dinheiro será usado na recuperação de viciados em droga, menores abandonados ou alguma outra obra filantrópica. É comum o moonista começar bem cedo as suas atividades e trabalhar até depois da meia noite. Nenhum membro pode questionar o destino do dinheiro. Por outro lado, muitos adeptos da seita sabem que a família Moon vive no luxo.

A mente é um dos alvos principais das seitas, pois o seu controle garante o sucesso do grupo. Steve Hassan, (ex-adepto do Reverendo Moon), um conhecido pesquisador de seitas nos Estados Unidos, define assim o controle mental:

Na realidade, o controle mental é um conjunto de métodos e técnicas, tais como hipnose ou interrupção de pensamento, que influencia como uma pessoa pensa, sente e age. 

Ao ser empregado por seitas destrutivas, o controle mental procura nada menos do que desfazer a identidade autêntica de um indivíduo - comportamento, pensamentos, emoções - e reconstruí-la na imagem do líder da seita. Isso é feito controlando, rigidamente, a vida espiritual, física, intelectual e emocional do membro. 

O controle mental da seita é um processo social que encoraja obediência, dependência e conformidade. O processo desencoraja autonomia e individualidade ao imergir os recrutados num ambiente que reprime a livre escolha. O dogma do grupo torna-se a única preocupação da pessoa. Qualquer coisa ou qualquer pessoa que não se encaixe na sua realidade reformada torna-se irrelevante. [22]

A Ciência Cristã ensina aos seus adeptos que o pecado, a doença e a morte são todos ilusões da mente que precisam ser corrigidas pela maneira correta de pensar. Mary Baker Eddy, a fundadora, cunhou uma frase interessante que dizia: “Não existe realidade na dor e nem dor na realidade”. Seus ensinos enfatizam também a negação da existência física. Para ela, tudo o que existe é uma ilusão da mente. Dr. Walter Martin informa:

Existe na Ciência Cristã uma supressão da mente, uma expulsão consciente da mente da pessoa de certas coisas que são desconcertantes para a configuração total dos padrões psicológicos de condicionamento. Os adeptos da Ciência Cristã são condicionados a crer na inexistência do mundo material, ainda que os seus sentidos testifiquem de sua realidade objetiva. [23]

Os novos movimentos religiosos procuram atrair os seus convertidos em potencial com uma grande quantidade de atenção e afeição. O sentimento, e não a razão, é a armadilha. Há uma estratégia usada pelas seitas que os estudiosos chamam de “love bombing” (bombardeio do amor), como informa o jornalista Jean-François Boyer:

Para acolher os candidatos nas melhores condições psicológicas possíveis - na calma, longe da família, dos amigos e tentações - a igreja necessita de casas afastadas, espaçosas e, se possível, atraentes...

Isso explica o porquê de o Movimento possuir em todo o mundo e em tão pouco tempo um rico patrimônio imobiliário. Como recusar um convite com tudo pago ao castelo de Mauny, a um dos pequenos castelos campestres da região de Lyonnais, ou mesmo a um casarão na zona sul de Paris, que tem como ornamento o parque de Sceaux? 

Como recusar um retorno quando, à beleza da paisagem, se soma o calor da acolhida? Pois, retomando uma fórmula do reverendo Moon, os novos chegados devem ser “bombardeados de amor”. E eles o são! [24]

Os sentimentos ou emoções não se constituem em critérios válidos para se analisar uma seita. Um mórmon, por exemplo, afirma saber que o Livro de Mórmon é a palavra de Deus porque, orientado pelo bispo da igreja, ele perguntou para Deus, em oração, se tal livro é inspirado por Deus. 

De acordo com o mormonismo, se a pessoa perguntar com fé e sinceridade, ela vai sentir um arder no peito. Dali em diante, ela permanecerá cega e surda às evidências históricas, arqueológicas, literária, ou qualquer outra, que denuncie a falta de confiabilidade do Livro de Mórmon e outras obras oficiais do mormonismo.
 
Existem mórmons que chegam a afirmar que se eles soubessem, sem qualquer sombra de dúvida, que Joseph Smith, o fundador da Igreja Mórmon, foi um falso profeta, que a Igreja Mórmon é falsa, mesmo assim, eles não deixariam o mormonismo. 

Pode-se perceber que não se trata mais de uma questão da razão, mas da vontade. Não que não entendam, ou que não saibam, mas porque não querem. Assim, de uma forma surpreendente, tais devotos conseguem colocar a vontade e o sentimento acima da razão.

Em várias seitas, após a mente do novo adepto ser neutralizada, inicia-se o período de doutrinação. Para garantir o sucesso do programa, emprega-se uma série de mecanismos, entre eles, a privação quanto às necessidades básicas do ser humano - pouca comida com baixa caloria e horas de sono bastante reduzidas, são algumas delas.
 
Em seguida, o iniciado torna-se mentalmente, emocionalmente e espiritualmente dependente da seita para sua sobrevivência, decisões e direção. O quadro ameaçador pintado pela liderança da seita sobre o mundo exterior, um mundo inseguro controlado por Satã e condenado à destruição pelo juízo de Deus, força o novo adepto a permanecer na seita para sua própria segurança.

Logo no início, os laços que o prendem aos seus pais, irmãos ou qualquer outro parente, são bastante danificados. Muitas vezes, é dito ao novo discípulo que as pessoas que Satã mais vai usar para tirá-lo do novo e verdadeiro caminho que lhe foi revelado por Deus são as pessoas mais íntimas de sua família. Apesar de hoje adotar o nome A Família, os Meninos de Deus já separaram muitos casais e filhos.

V - CONSIDERAÇÕES FINAIS

No encerramento da conferência da American Family Foundation, em maio de 2001, na cidade de Nova York, o Dr. Langone, diretor executivo da organização, declarou, com razão, que as seitas chegaram para ficar. De fato, elas são protegidas pelo sistema legal de muitos países, arrecadam somas imensas de dinheiro, tornando-se grandes impérios financeiros.

Seria bom que as autoridades governamentais prestassem mais atenção à problemática dos novos movimentos religiosos, criando legislação que possa coibir os abusos de tais grupos, evitando assim danos à pessoa ou à sociedade em geral, a exemplo de vários países europeus como Alemanha, Bélgica e França, que já o estão fazendo.

As igrejas também precisam fazer a lição de casa, incluindo o estudo sobre os novos movimentos religiosos na programação de suas atividades, promovendo a conscientização dos seus membros quanto às investidas de tais grupos. É preciso alertar principalmente os jovens, muitas vezes, presas fáceis desses movimentos que atuam também no ambiente estudantil.

------------------------------------------------------------------



Mulher é agredida e expulsa de casa por ser cristã

  

SUDÃO (30º) - Quando Halima Bubkier da cidade de Sinar se converteu do islamismo para o cristianismo no ano passado, seu marido aceitou sem nenhum problema. 

“Depois de assistir o filme ‘Jesus’, senti que precisava de uma mudança em minha vida sem esperança e sem sentido”, disse a mãe de 35 anos. “Eu vivi uma vida de alcoolismo e falta de controle, então, tentei o cristianismo e ele funcionou para mim. Eu compartilhei essa visão com meu marido, e ele me apoiou e permitiu que frequentasse os cultos.” 

As notícias de sua conversão se espalharam rapidamente, e no dia 14 de setembro ela ficou frente a frente com extremistas que sentiram que sua conversão era um ato de traição. Algumas semanas depois, durante os banquetes do Ramadã, os islamistas proibiram que seu marido participasse das refeições por causa da fé dela. 

“Meu marido foi totalmente rejeitado pelos colegas. Eles se recusaram a comer a comida que eu havia feito para ele, dizendo que muçulmanos não podem comer alimentos feitos por infieis”, disse ela. 

Bubkier disse que nunca imaginava que sua mudança de fé iria provocar essa prova. 

“Ele estava tão bravo que jogou uma cadeira em mim, e feriu minhas costas. Como se isso não fosse o suficiente, ele retirou todos os pertences dele de dentro da casa e a incendiou. Depois de perder tudo o que eu tinha, ele me expulsou”, conta. 

Ela decidiu se refugiar com seu irmão mais velho, Nur Bubkier, que, quando soube da conversão de Halima a agrediu e tentou esfaqueá-la. 

Maria Mohamud e um diácono da Igreja de Cristo no Sudão conseguiram resgatá-la, mas Halima Bubkier ficou presa na delegacia por três dias, sob as acusações de “desrespeito ao islã”. Durante esse período, Mohamud cuidou de seu filho de 2 anos. 

Depois dos três dias, ela esperava ser julgada. 

“Antes de minha audiência, um pastor copta [identificado apenas como Sheed], soube do meu caso e conversou com um policial, afirmando que, de acordo com a lei, ninguém deve ser preso por causa da religião. Então, fui solta.” 

Bubkier deixou seus filhos de 6 e 8 anos com seu marido, que parece ter casado com outra mulher. Ela disse que apesar de estar muito preocupada com a segurança de seus filhos, ao menos está escondida e seu marido não sabe onde ela está. 

“Esperava que meu marido apreciasse minha mudança positiva, mas ao invés disso, ele respondeu negativamente. De fato há algo errado com o islã, em que o bem é recompensado com o mal”, diz Halima. “Mas eu me sinto normal. Agora eu tenho uma vida melhor para viver. Estava perdida na escuridão. Deixe que Deus perdoe todos aqueles que me prejudicaram. Eu sei que não posso voltar atrás.”


Tradução: Deborah Stafussi 



terça-feira, 21 de abril de 2009

Gnomos e Duendes

Dr. Paulo Romeiro

UM FASCÍNIO CONSTANTE





Na carta que escreveu aos crentes de Roma (1:18-25), o apóstolo Paulo descreve o estado da humanidade alienada de Deus e indiferente ao seu amor com as seguintes palavras:







Portanto, a ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis; porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe rederam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e o coração insensato deles obscureceu-se. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos e trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis. Por isso Deus os entregou à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos do seu coração, para a degradação do seu corpo entre si. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito pra sempre. Amém.

Embora o apóstolo estivesse descrevendo a situação da sociedade dos seus dias e ao seu redor, suas palavras se encaixam muito bem naquilo que crêem e o que fazem muitos atualmente.

A prova disso foi a febre esotérica que tomou conta de grande parte da sociedade nos anos que precederam a virada do último milênio. Todos os tipos de crenças e superstições encontraram guarida em quase todos os segmentos da vida moderna. Passou-se a crer em tudo: pirâmides, cristais, florais de Bach, fadas, cromoterapia, Gnomos, Duendes, Elfos e Delfos, anjos cabalísticos, e muito, muito mais. Parece que a lista não tem fim.

Esperava-se que após o ano 2000, a onda do misticismo arrefecesse. Tal coisa ainda não aconteceu. Estão aí os livros e o filme de Harry Potter para mostrar que o ser humano da era científica e do avanço tecnológico continua fascinado pela magia e superstição. Recentemente, um jornal de São Paulo publicou uma reportagem sobre Vila Madalena, classificando-a como o bairro mais esotérico da cidade. Num artigo intitulado O lado oculto da Vila Madalena, o jornal informa

O lado oculto da Vila se revela aos olhos de qualquer um que circule pelo bairro durante o dia. Há várias lojas de penduricalhos para casa, cursos de danças étnicas, remédios alternativos, massagens que prometem dar um trato em auras e chakras, magos que interpretam mapas astrais, lêem as mãos e até mesmo os pés. Tudo mais real do que fadas ou duendes, mesmo porque o oculto custa reais. Para os mais céticos, toques, banhos e perfumes que transportam ao paraíso [1]

De acordo com jornal, os proprietários das lojas esotéricas contam com o astral como o maior aliado. O artigo acrescenta:

Para acabar com a solidão, bastam cinco gotinhas de flor de laranjeira, mais cinco de sândalo e outras de ylang-ylang, uma essência da ilha de Madagascar. Com essa porção, que custa aproximadamente R$ 25, é possível atrair qualquer objeto do desejo. Pelo menos é o que prometem as vendedoras da Aromagia, loja de óleos essenciais da Rua Girassol (em mais um endereço apropriado). Para ver se o destino conspira a favor, uma consulta aos Carlos do Instituto de terapias Vibracionais. As perguntas podem ser feitas aos astros, às mãos, em consultas por volta de R$ 100. Tem cursos também para quem também quer ganhar dinheiro com a ajuda do oculto. Em torno de R$ 360. Se nada disso ajudar, o jeito é apelar para os santos. [2]

Quem são os gnomos?

Em meio à diversidade de crenças, práticas e entidades esotéricas, os gnomos serão o foco deste artigo. Para alguns autores de livros e revistas que promovem tais entidades, gnomos e duendes são a mesma coisa. Para outros, a diferença está na função que desempenham. Os gnomos são protetores do reino mineral, presentes nas pedras e rochas, tendo aspecto de velhinhos que inspiram sabedoria e amor. Os duendes são protetores do reino vegetal, presentes em florestas, jardins e plantas, sendo jovens e travessos. [3]

Esses seres invisíveis da natureza continuam notórios. Há alguns anos atrás, São Paulo e várias outras cidades também foram invadidas por um adesivo colado nos vidros de milhares de carros, que dizia: “Eu acredito em Duende”.

A crença nos duendes e gnomos foi  mais difundida ainda com um filme da Xuxa, a rainha dos baixinhos da Rede Globo. Com o título de Xuxa e os Duendes, parte do roteiro teve por base suas experiências pessoais, pois Xuxa afirma que vê Duendes. Assim, ela passa a ser também a rainha dos Duendes.

Segundo informa a revista Chiques e Famosos, o filme foi produzido por Xuxa Produções e Diler Trindade & Associados. Xuxa e os Duendes foi orçado em 3 milhões e 800 mil reais. É o filme mais caro que ela já fez. O retorno esperado é de 10 milhões de reais. Mas Xuxa quer mais, como informa a revista:

Mas nem só das bilheterias virão os lucros para engordar ainda mais o cofrinho de Xuxa. De olho no retorno que podem proporcionar os seres mágicos que serviram de tema para o filme, ela também está lançando uma série de produtos com apelo místico, além de fantasias, esmaltes, batons, copos e sorvetes inspirados nos duendes. [4]  

Numa página da Internet que promove o filme da Xuxa, encontra-se a seguinte definição de Duendes:

Os duendes são criaturinhas mágicas, espertas, travessas e muito inteligentes. Eles são espíritos da natureza e podem viver até mil anos, mas não aparentam a idade que têm. Eles trabalham muito para proteger as florestas e os animais e por isso o melhor lugar para encontrá-los é embaixo das árvores ou das plantas. [5]  

A obra mais completa encontrada sobre os assim chamados elementais da natureza tem por título Gnomos, publicada pela Editora Siciliano. Trata-se de um trabalho rico de detalhes e ilustrações, num colorido muito bem feito. Infelizmente, o livro não tem numeração de páginas. Entretanto, dali foram extraídas muitas informações. [6]

De acordo com esse livro, os gnomos surgiram em torno do ano 1200 d.C., quando o sueco Frederik Ugarph encontrou uma estátua de madeira na casa de um pescador na cidade de Nidaros (atualmente Trondheim), Noruega. A estátua de 15 cm de altura, sem contar o pedestal, trazia gravadas as seguintes palavras: NISSE Rktig Stfrrelse que significa: “Gnomo, estatura real”. O livro diz ainda:

A estátua estava em poder do pescador há muitos anos e Ugarph só conseguiu comprá-la depois de muitas negociações. A estátua pertence agora à coleção da família Oliv, em Upsala. Exames radiográficos vieram a comprovar que a estátua tem mais de 2000 anos... Segundo consta, a inscrição no pedestal foi feita muitos séculos após a estátua ter sido esculpida. A descoberta dessa estátua serve para ilustrar aquilo que os gnomos sempre afirmaram: que suas origens são escandinavas. [7]

O livro informa que existem seis espécies de gnomos: o gnomo da floresta, o gnomo do deserto, o gnomo do jardim, o gnomo doméstico, o gnomo da fazenda e o gnomo siberiano. O livro informa a estatura e o peso dos gnomos da floresta: 15 cm sem o chapéu. Papai gnomo pesa 300 gramas e mamãe gnomo pesa de 250 a 275 gramas.

Quanto à constituição física dos gnomos maiores, há muitas informações interessantes: são sete vezes mais fortes do que o homem, o coração é relativamente grande (equivale ao de um cavalo de corridas). Geralmente vivem até 400 anos de idade. Alguns conseguem atingir a idade de 500 anos. A capacidade do cérebro do gnomo é maior do que a do homem. O gnomo é capaz de segurar a urina por um dia inteiro. O gnomo, assim como os animais, "enxerga" a maior parte do seu mundo pelo nariz. A transmissão do cheiro ao cérebro ocorre da mesma forma que a do cachorro e da raposa.

As informações sobre os gnomos são muitas e variadas: a aparência, suas roupas, a vida em família, os diferentes tipos de gnomos, suas lendas, suas casas, alimentação, lazer, música, atividades principais, o relacionamento com a fauna e a flora em geral. Não há espaço suficiente neste artigo para tratar com mais detalhes sobre entidades tão intrigantes e controvertidas.

Duendes, gnomos e a Bíblia

Diferente da crença nos duendes e gnomos ou qualquer outro tipo de superstição, a fé cristã, embora transcenda a razão, não é irracional. Ela faz sentido, pois o coração não deve se alegrar com aquilo que a mente não entende a contento. A pessoa que abraça o cristianismo não precisa aposentar a cabeça. Ela deve continuar pensando e usando o senso crítico.

A Bíblia é um livro que pode ser analisado objetivamente. Sua autenticidade tem sido constatada pela análise histórica, geográfica, literária e arqueológica. Alguém até já disse que "toda vez que os arqueólogos abrem um buraco no Oriente, é mais um ateu sepultado no Ocidente". Escrita durante um período de mais de 1500 anos por mais de 40 autores, sendo que a maioria deles não esteve junta, ela trata de diversos assuntos, pessoas e datas, revelando uma linguagem progressiva e harmoniosa.

A quantidade de manuscritos da Bíblia existentes hoje facilitam uma verificação objetiva satisfatória, fortalecendo a confiabilidade dos textos do Antigo e do Novo Testamento. Josh McDowell, conhecido apologista americano, declara:

Atualmente sabe-se da existência de mais de 5.300 manuscritos gregos do Novo Testamento. Acrescentem-se a esse número mais de 10.000 manuscritos da Vulgata Latina e, teremos hoje mais de 24.000 cópias de porções do Novo Testamento. Nenhum outro documento da História antiga chega perto desses números e dessa confirmação. Em comparação, a Ilíada de Homero, vem em segundo lugar, com apenas 643 manuscritos que sobreviveram até hoje. [8]

R.C. Sproul, renomado teólogo americano acrescenta:

A área da investigação histórica, mais que qualquer outra, nos tem dado motivos para encararmos com otimismo a questão da confiabilidade das Escrituras... Descobertas levadas a efeito no século XX, como as de Ugarite, Cumrã e Ebla, foram muito úteis no sentido de aprofundar nosso conhecimento da antigüidade. As lâminas Nuzi e Amarna resolveram inúmeros problemas do Velho Testamento. A obra de Ramsey, investigando as viagens de Paulo como registradas por Lucas, comprovou de tal forma a exatidão de Lucas como historiador, que os historiógrafos seculares modernos o chamaram de melhor historiador da antigüidade. Os historiadores bíblicos suportaram melhor o escrutínio e a crítica do que outros dos tempos antigos, como Josefo e Herótodo. [9]

Por que crer em duendes e gnomos?

Talvez, um dos fatores que determinam toda essa corrida atrás de duendes e gnomos, e outras crenças ligadas ao esoterismo seja o contexto social em que vive a sociedade brasileira. Grande parte dela já fez a sua escolha. Vai continuar acreditando em lendas, em fábulas, na astrologia, na reencarnação, Florais de Bach, pirâmides, cristais, mesmo que não haja comprovação científica para tais coisas ou evidências de que elas realmente funcionam.

O Brasil é um país obcecado com o sobrenatural e qualquer coisa que se prega nas igrejas ou fora delas está fadada ao sucesso. Como as pessoas gostam de crer, não importa em quê!

Há uma onda de frustração em toda parte. O homem moderno está frustrado com tanta guerra, tanta violência, terrorismo, injustiças, modelos de governo que não dão certo – e isso o leva a buscar ajuda em qualquer lugar. Parece uma geração de náufragos dispostos a agarrar-se em qualquer coisa como se fosse uma tábua de salvação.

Na sua busca por uma saída, o homem moderno parece não estar preocupado com o senso de certo e errado, demonstrando possuir um escasso discernimento entre verdade e mentira. Muitas vezes, os mesmos executivos que não dispensam as verdades científicas para desenvolver programas de informática, para trabalhar com as leis da física, e para fazer pesquisas na área da genética, quando chegam em casa, estão dispostos a sentar-se debaixo de uma pirâmide para receber suas energias ou ir ao jardim para encontrar o seu gnomo. Mesmo sem qualquer verdade verificável sobre todas essas superstições, ele continua disposto a crer. Logo, o homem moderno é extremamente capaz quanto ao conhecimento científico e extremamente ingênuo quanto aos valores espirituais.  

Uma outra razão pode ser a própria crise existencial que domina grande parte da sociedade atual. O homem moderno é caracterizado pelo vazio espiritual. E isso deve ser visto do ponto de vista da teologia. O ser humano foi feito para Deus e nunca vai viver feliz fora dele. Assim, o homem moderno, na ansiedade de preencher o vazio produzido pela ausência ou ignorância do Criador, estará receptivo a quase tudo: vícios, velocidade, poder, dinheiro, sexo, superstições, gurus. Nesse momento, verdade e bom senso pouco importam.

Existe também, à luz da Palavra de Deus, uma dimensão espiritual. A salvação acontece quando Deus, pelo Espírito Santo revela Jesus Cristo em nós, como afirmou Paulo numa de suas epístolas: "Mas Deus me separou desde o ventre materno e me chamou por sua graça. Quando lhe agradou revelar o seu Filho em mim para que eu o anunciasse entre os gentios..." (Gálatas 1:15, 16). Se isso não acontece, Paulo explica o motivo: "O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus" (II Coríntios 4:4).

Considerações finais

Os duendes e gnomos não podem salvar ou reconciliar o ser humano com Deus. De acordo com as Escrituras, somente Jesus pode fazê-lo: Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Romanos 5:1). Jesus é o único caminho para Deus. Foi ele mesmo quem disse: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai a não ser por mim" (João 14:6). O apóstolo Pedro também confirmou isso ao declarar: "Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos" (Atos 4:12).

Não é de hoje que o ser humano escolhe viver alienado de Deus. Muitos vão até além, chegando a trocar a verdade de Deus pela mentira, adorando e servindo a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amem. (Romanos 1:25). Jeremias, um dos profetas de Deus no Antigo Testamento, já havia constatado essa triste realidade nos seus dias, ao escrever: "O meu povo cometeu dois crimes: eles me abandonaram, a mim, a fonte de água viva; e cavaram as suas próprias cisternas, cisternas rachadas que não retêm água" (Jeremias 2:13). Somente Jesus tem as palavras de vida eterna (João 6:68).

 

--------------------------------------------------------------------------------

[1] - Jornal da Tarde, SP Variedades, 16 de novembro de 2001, p. 1C

[2] - Ibid.

[3] - Jornal Shopping News, São Paulo, 1o de março de 1992, p. 12.

[4] - Revista Chiques e Famosos, no 134, 23 de novembro de 2001

[5] - Download da Internet.

[6] - HUYGEN, Wil. Gnomos. Editora Siciliano. São Paulo. SP.

[7] - Ibid.

[8] - McDOWELL, Josh. Evidência que Exige um Veredicto. Editora Candeia, São Paulo, 1986, p. 20.

[9] - SPROUL. R. C. Razão Para Crer. Editora Mundo Cristão. São Paulo, 1986, p. 20.

 

--------------------------------------------------------------------------------
   
 Copyright © 2006 Agência de Informações Religiosas