quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Céu e Inferno - “Estado ou Lugar?”

 Existem muitas opiniões controversas sobre o Céu e o Inferno, contudo, não podemos fundamentar um assunto tão importante em opiniões de pessoas. Devemos buscar a resposta na maior de todas as autoridades, a Bíblia – Única e Sagrada Palavra de Deus.
 O próprio Jesus Cristo comentou acerca do Céu e do Inferno. Na verdade, Ele (Jesus Cristo), falou mais do Inferno do que do Céu. Para ser mais preciso, para cada vez que Jesus falou sobre o Céu, falou onze (11) vezes sobre o Inferno. Tal fato ocorre porque Jesus sabe, melhor do que qualquer pessoa, o tipo de sofrimento que uma pessoa enfrenta ao entrar no Inferno, e Ele sabe também que após entrar lá não há mais como ser salvo, não há mais como escapar.
 O texto de Hebreus 9:27 é bastante claro quanto a isso:



“E, como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo”


 O texto deixa duas coisas muito claras:
   1) Não existe reencarnação: “aos homens está ordenado morrerem uma só vez”
   2) Depois da morte vem o juízo!
 É importante observarmos, ainda, outros textos bíblicos.
 Encontramos no Evangelho segundo Lucas, capítulo 16 e versículos 19 à 31, uma história bastante conhecida: Lázaro e o rico.
 A passagem foi falada por Jesus Cristo e relata a história de um homem rico que foi condenado ao Inferno, e um mendigo chamado Lázaro, que foi salvo e levado ao Paraíso (Seio de Abraão).
 Veremos a passagem com mais detalhes na frente, contudo, quero destacar agora o versículo 26 desse texto, que diz:



“E além disso, entre nós e vós está posto um grande abismo, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem os de lá passar para nós.”


 O texto mostra que quem está no inferno não pode sair dali!
Não pode sair para o Paraíso, nem tão pouco para a terra – o mundo dos vivos! Está preso!



 Queremos deixar claro que o objetivo desse texto não é dar destaque e exclusividade ao Inferno, mas, como o Senhor Jesus falou mais sobre o Inferno seguiremos o exemplo do Mestre.


 O inferno recebe outros adjetivos na Bíblia. Assim sendo, alguns textos que falam sobre o Inferno usam títulos como: Lugar de Tormento, Fogo inextinguível ...
 Sabemos que a Bíblia foi escrita em Hebraico (Antigo Testamento) e Grego (Novo Testamento) e, ainda, algumas pequenas porções em Aramaico. Por isso, precisamos recorrer ao idioma original para entendermos as expressões que são usadas como inferno e sepultura no português.
 Três palavras são usadas para descrever o local do castigo esterno: seol, hades e geena.

  •   SEOL. Significa: túmulo, sepultura. Esse foi o termo hebraico usado no Antigo Testamento (Jó 24:19; Sl 16:10; Is 38:10) para designar o lugar dos mortos, que acreditavam que ficava abaixo da terra.
  • HADES. Significa: o reino dos mortos. É uma palavra grega usada para designar o Inferno. Esse termo foi usado no Novo Testamento (Mt 16:18; Ap 1:18, 20:13,14) com o mesmo sentido da palavra SEOL.
  •   GEENA. Esse termo passou a designar o Inferno porque era o nome dos filhos de Hinom, que ficava nas proximidades de Jerusalém, onde crianças eram sacrificadas no fogo em homenagem aos deuses pagãos (2 Rs 23:10; 2 Cr 28:3).
  • O GEENA é o lugar físico descrito como “fogo eterno” (Mt 5:22, 10:28; Mc 9:43; Lc 12:5; Tg 3:6; Ap 19:20) preparado para o Diabo, seus anjos e todos aqueles que não crêem em Jesus Cristo (Sl 9:17; Mc 16:16; Jo 8:24, 11:40, 17:8,20, Rm 10:8-11, Ap 20:9-10).


 Vejamos algumas características do Inferno:


  1. Lugar de seca e extremo calor (Jó 24:19)
  2. Lugar de juízo (Sl 9:16-17)
  3. Lugar de angústia (Sl 116:3)
  4. Lugar com muito espaço para caber todos os condenados (Pv 27:20; Is 5:14-15)
  5. Lugar de separação eterna de Deus – perecer (Mt 10:28)
  6. Lugar de condenação (Mt 23:33)
  7. Lugar de tormento eterno (Mt 25:41,46)
  8. Lugar onde o fogo nunca se apaga (Mc 9:43)
  9. Lugar de escuridão (2 Pe 2:4)
  10. Lugar de eterno ardor e dor (Ap 19:20)


 Uma das principais discussões acerca do Céu e do Inferno na atualidade é se eles são um lugar físico ou apenas um estado.
 Quando alguém diz que o Céu ou o Inferno são um estado está contradizendo a Bíblia, pois a Palavra de Deus identifica tanto o Céu como o Inferno como lugares reais e físicos. Notem as expressões usadas na Bíblia:



INFERNO
“porque tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham eles também para este lugar de tormento.” (Lc 16:28)



CÉU
“Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.” (Jo 14:2)



 Observe que em todas as passagens bíblicas que se referem ao Céu ou ao Inferno sempre são citados de forma literal. Jesus sempre teve a preocupação de falar do Céu e do Inferno como lugares reais, literais.
 Observe o texto de Mateus capítulo 10 e versículo 28:



 “E não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo.”


 Note bem o texto, pois Jesus disse que até o corpo seria lançado no inferno!
 Mas como isso é possível, se o corpo fica na sepultura, na cova?
 A Palavra de Deus nos ensina que no Fim dos Tempos, no Grande Juízo – que é chamado de “O Trono Branco” – todas as pessoas mortas que não foram salvas, que estão no Inferno, irão ressuscitar e comparecer diante do Trono de Deus (At 17:32). Lá, elas serão julgadas pelo próprio Deus e serão transferidas para um lugar pior do que o Inferno. Um lugar que a Palavra de Deus chama de Lago de Fogo. Na verdade até o próprio Inferno será lançado dentro do Lago de Fogo:



“E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiram a terra e o céu; e não foi achado lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono; e abriram-se uns livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida; e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. O mar entregou os mortos que nele havia; e a morte e o além entregaram os mortos que neles havia; e foram julgados, cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E todo aquele que não foi achado inscrito no livro da vida, foi lançado no lago de fogo.” (Ap 20:11-15)


 Dessa maneira o Inferno não pode ser apenas um estado, ele tem que ser um lugar. Um espaço criado para o castigo eterno de todos aqueles que não quiseram crer em Jesus Cristo e aceitá-Lo como único e suficiente Salvador.
 Para ser mais claro, também haverá uma ressurreição de todas as pessoas que são salvas. Na verdade, os salvos ressuscitarão primeiro (1 Ts 4:14-16), e em outro período de tempo os condenados (os que estão no Inferno) ressuscitarão depois (João 5:28-29; At 24:15; 1 Co 15:12). Os salvos ressuscitarão e irão para um lugar também preparado por Jesus, chamado Jerusalém Celestial (Jo 14:1-3; Hb 12:22), enquanto os condenados ressuscitarão e irão para um lugar pior que o Inferno.
 O apóstolo Paulo declara de forma maravilhosa que se estamos nos passos de Jesus seguiremos o mesmo caminho que Ele. Assim como Jesus ressuscitou, um dia iremos ressuscitar também (Rm 6:5). Se alguém negar que haverá ressurreição em algum dia no futuro, também estará negando que Jesus Cristo ressuscitou. Veja o que o apóstolo Paulo fala:




“Ora, se prega que Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, como dizem alguns entre vós que não há ressurreição de mortos? Mas se não há ressurreição de mortos, também Cristo não foi ressuscitado.”
1 Co 15:12-13



 Encontramos em Provérbios 15:24 uma descrição bastante interessante sobre a localização do Céu e do Inferno:


 “Para o sábio o caminho da vida é para cima, a fim de que ele se desvie do inferno que é em baixo.”


 Podemos, então, de acordo com a Palavra de Deus, traçar um paralelo entre as características físicas do Céu e do Inferno:


CÉU

  1. Lugar preparado para quem reconhecer Jesus como único Salvador (Rm 10:9-10)
  2. Não haverá limitações físicas [doenças, fome, tristeza...] (1 Co 15:35-49)
  3. Seremos semelhantes a Jesus [semelhantes e não iguais] (1 Jo 3:2)
  4. Teremos corpos novos [incorruptíveis] (1 Co 15)
  5. Será uma vida maravilhosa (1 Co 2: 9)
  6. Haverá um novo ambiente (Ap 21:1)
  7. Estaremos com Deus (Ap 21:3)
  8. Teremos novas emoções (Ap 21:4)
  9. Não haverá morte (Ap 21:4)
  10. Estaremos para todo o sempre na Glória (Jo 6:51; 1 Ts 4:17)


INFERNO (LAGO DE FOGO)
  1. Lugar de seca e extremo calor (Jó 24:19)
  2. Lugar de juízo (Sl 9:16-17)
  3. Lugar de angústia (Sl 116:3)
  4. Lugar com muito espaço (Is 5:14-15)
  5. Lugar de perecimento (Mt 10:28)
  6. Lugar de condenação (Mt 23:33)
  7. Lugar de tormento eterno (Mt 25:41,46)
  8. Lugar de fogo eterno (Mc 9:43)
  9. Lugar de escuridão (2 Pe 2:4)
  10. Lugar de eterno ardor e dor (Ap 19:20)



 A Palavra de Deus declara de forma bastante clara que:



Rm 3:23
“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”



Rm 5:12
“Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram.”



 Assim sendo, todo ser humano é pecador e necessita da Graça (favor imerecido) de Deus. A Graça de Deus é revelada através de Jesus Cristo (Jo 3:16-17) que morreu por causa dos nossos pecados (Is 53).
 Somente através de Jesus Cristo é que se pode ser salvo (At 4:12).
 Lembre-se que todos nós pecamos, e quem diz que não tem pecado é mentiroso e chama a Deus de mentiroso (1 Jo 1:10). Todos nós pecamos e o salário do pecado é a morte (Rm 6:23), por isso alguém tinha que morrer por causa do pecado.
 Deus é justo. E por isso, só a morte de um inocente iria satisfazer a justiça de Deus, a justiça que exige que por causa do pecado alguém morra. O único inocente, o único que nunca pecou, o único com condições de cumprir essa exigência é Jesus Cristo (1 Co 15:21; Jo 8:46; Hb 4:15, Hb 9:28).
 Por isso, quando alguém aceita Jesus Cristo como único e suficiente Salvador ele passa a ser justificado por Jesus:



“porquanto pelas obras da lei nenhum homem será justificado diante dele; pois o que vem pela lei é o pleno conhecimento do pecado. Mas agora, sem lei, tem-se manifestado a justiça de Deus, que é atestada pela lei e pelos profetas; isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos os que crêem; pois não há distinção. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus.” (Rm 3:20-26)

 Algumas pessoas têm tentado se autojustificar, praticando boas obras, dando esmolas, sendo boas pessoas ... isso é uma coisa boa, pois fará de você uma pessoa melhor para se conviver, fará de você uma pessoa socialmente correta, porém, isso não é suficiente para lhe salvar.
 Lembre-se do que a Palavra de Deus diz em Efésios 2:8-9: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie”.
 Se alguém conseguisse ser salvo porque era uma boa pessoa, ou por meio de suas obras ela chegaria no céu se gloriando, porque pé isso o que a Palavra de Deus diz.
 O único com condições de nos dar a Salvação é Jesus Cristo.
 Para algumas pessoas isso parece tão simples que às vezes é até difícil de acreditar, mas, lembre-se: a Salvação é pela Graça, mas ela não foi de graça. Ela custou um alto preço, um preço de sangue, o sangue de Jesus.
 Não rejeite esse presente dado por Deus. Não despreze o sangue de Jesus que foi derramado na Cruz do Calvário. Não ignore esse sacrifício tão grande e precioso. Isso pode lhe custar a eternidade!



“Ora, havia um homem rico que se vestia de púrpura e de linho finíssimo, e todos os dias se regalava esplendidamente. Ao seu portão fora deitado um mendigo, chamado Lázaro, todo coberto de úlceras; o qual desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as úlceras. Veio a morrer o mendigo, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico, e foi sepultado. No inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe a Abraão, e a Lázaro no seu seio. E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e envia-me Lázaro, para que molhe na água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que em tua vida recebeste os teus bens, e Lázaro de igual modo os males; agora, porém, ele aqui é consolado, e tu atormentado. E além disso, entre nós e vós está posto um grande abismo, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem os de lá passar para nós. Disse ele então: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, porque tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham eles também para este lugar de tormento. Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. Respondeu ele: Não! pai Abraão; mas, se alguém dentre os mortos for ter com eles, hão de se arrepender. Abraão, porém, lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos.”
Lc 16:19-31



 O texto acima, proferido por Jesus Cristo, toca no mais profundo da alma, pois revela a dor, agonia, angústia, sofrimento, tormento, desespero e solidão que aquele homem, que rejeitou a salvação dada por Deus, sentia.
 Um homem que enquanto estava aqui era orgulhoso, está agora no inferno sentindo tanta dor que pede ajuda até a um mendigo. Um homem que clama, na chama do inferno, pelo menos por uma gota de água em sua língua para diminuir seu sofrimento, mas até isso lhe é negado.
 Depois, aquele homem continua clamando por misericórdia.
 É explicado para aquele homem que ele está só! Não existe a menor possibilidade dele manter contato com ninguém e ninguém com ele.
 Em um momento comovente ele clama pela oportunidade de avisar à sua família sobre a realidade do inferno. Ele implora para avisar aos seus entes queridos para não cometerem o mesmo erro que ele cometeu, mas, também é dito para ele que não. Quem está no inferno não tem mais como sair da condenação.
 É explicado para aquele homem que se as pessoas de sua família quiserem ser salvas terão que acreditar na pregação que lhes é feita pela Palavra de Deus (Moisés e os profetas).
 Abraão diz que se a família daquele homem tiver com o coração duro, assim como ele esteve toda a sua vida, ela irá também para o inferno.
 Eu oro a Deus para que você, que lê esta pequena apostila, não esteja com o seu coração endurecido. Não espere que venha alguém do mundo dos mortos falar com você, creia que só Jesus Cristo pode lhe salvar. Só Jesus Cristo.
 Não espere ter uma oportunidade depois da morte, pois não terá. O seu destino depois da morte é decidido agora, aqui, nesse momento.
 Muitas pessoas que não acreditaram nisso, infelizmente, estão agora no mesmo lugar que aquele pobre homem de Lucas 16.
“E, como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo” (Hb 9:27)



 Faça uma oração pedindo a Jesus para Ele entrar no seu coração e mudar a sua vida. Faça uma oração sincera e Jesus irá lhe ouvir. Busque uma orientação séria e sincera da Palavra de Deus.
 Jesus irá ver o seu interesse e irá te abraçar:



“Declarou-lhes Jesus. Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim, de modo algum terá fome, e quem crê em mim jamais terá sede ... e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.” (Jo 6:35,37)






Robson Tavares Fernandes é casado com Maria José Fernandes e residem na cidade de Campina Grande. É membro da Igreja Batista da Graça (Campina Grande – PB) e bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional). É diretor e professor do CBA (Curso Básico de Apologética), pesquisador da VINACC (Visão Nacional para a Consciência Cristã), professor do ITESMI (Instituto Teológico Superior de Missões) e palestrante.

Postar um comentário