terça-feira, 21 de abril de 2009

VEJA DUAS MODERNAS FORMAS DE IDÓLATRIA.

“Igreja Jedi” vira moda na polícia escocesa

Londres - O culto à “religião Jedi” virou moda na Strathclyde Police, o mais importante corpo policial da Escócia, no qual dez pessoas confessaram seguir esta seita criada a partir da saga cinematográfica de “Guerra nas Estrelas”.

Segundo informou hoje a emissora pública de TV “BBC”, oito policiais e dois funcionários da Strathclyde confessaram ser devotos da “fé Jedi” ao responderem suas crenças religiosas em um formulário.

Apesar de ser um número ainda pequeno em meio a 8.200 agentes e 2.800 funcionários, já é um marco, já que é a primeira vez em que a Polícia local permite seguidores deste culto.

Calcula-se que na Inglaterra, Escócia e País de Gales haja cerca de 400 mil seguidores desta fé, que se inspira em religiões como o budismo, o taoísmo, o xintoísmo, além de crenças de origem celta.

A “Igreja Jedi” nasceu no ano passado pelas mãos de dois irmãos ingleses, Barney e Daniel Jones, e dá sermões sobre “A Força”, o sabre de luz, e as técnicas de meditação de um bom cavalheiro jedi.

“A Força” é, no universo da ficção de George Lucas, a energia gerada por todas as coisas que habitam o cosmos, que pode ser controlada pelos jedis e os siths, respectivamente o lado iluminado e o lado escuro da “Força”.

Enquanto os primeiros defendem os ideais do bem e a justiça e vivem em harmonia com o mundo que lhes rodeia, o lado escuro se alinha ao mal e ao ódio.

No entanto, e apesar dos esforços de seus seguidores, “A Força”, a “Ordem Jedi” e os ideais defendidos por esta religião não foram, até o momento, reconhecidos oficialmente.

Por enquanto, o Escritório Nacional de Estatística do Reino Unido incorpora todos aqueles que se identificam como seguidores da fé “Jedi” à categoria de ateus.

Fonte: G1

Igreja Maradoniana faz corrente pela internet

A Igreja Maradoniana, fundada por cerca de 400 fãs extremados do ídolo argentino, pede aos seus seguidores que orem pelo 'todo-poderoso' Diego Maradona, hospitalizado desde domingo, com roblemas cardíaco-pulmonares.

"Neste momento difícil te convidamos a rezar por Diego. Esteja onde estiver. Agora, ele necessita de nós. Aqui estamos Diego!", professa uma mensagem eletrônica da igreja.

"Força Diego! O coração de cada um dos maradonianos é teu", frisam em seu site os criadores desta espécie da igreja, Hernán Amez e Alejandro Verón, dois jornalistas esportivos de Rosário (310km de Buenos Aires).

Os fundadores disseram que milhares de maradonianos vêm entrando no site para enviar mensagens de apoio ao astro e reforçam a idéia de que a melhor forma de ajudar o ex-jogador é através da fé.

Amez e Verón adotaram a mesma atitude da família de Maradona, o silêncio, pelo menos, até que o ídolo saia do respirador artificial.

A Igreja Maradoniana nasceu em 2001 por iniciativa de Amez e Verón, que se reuniram no passado, durante muito tempo, para celebrar todo dia 30 de outubro o aniversário do ídolo.

Há três anos, os fanáticos decidiram fundar a 'Igreja Maradoniana da Mão de Deus', em alusão ao famoso gol em que Maradona usou a mão para marcar contra os ingleses no Mundial do México de 1986.

Os seguidores criaram 10 mandamentos e nomearam apóstolos (entre eles o técnico argentino Carlos Bilardo). A seita também aponta hereges como o ex-presidente da Fifa, o brasileiro João Havelange, venerando e admirando tudo que tem a ver com o seu ídolo-mor.

"No dia 30 de outubro nasceu o Deus do futebol", ressalta Amez.

Entre os 10 mandamentos da Igreja Maradoniana estão: "Amar o futebol sobre todas as coisas; Declarar o amor incondicional por Diego e à arte dos pés; Difundir os milagres de Maradona em todo o universo; Honrar os templos onde o astro atuou com seus mantos sagrados e adicionar Diego como segundo nome, repassando o procedimento ao próprio filho", entre outros.

Cerca de 400 fanáticos torcedores se reúnem a cada fim de ano em homenagem à natividade do jogador, que diferente do natal tradicional, é celebrada na data de aniversário de Maradona.

No último ano, os fanáticos se reuniram para o Natal-Maradona e brindaram os 43º DD (Depois de Diego) em um salão todo enfeitado com pôsteres do ídolo.

Os seguidores se juntam na data anual também para repassar as jogadas do ex-jogador, ler partes do livro de Maradona ('Eu sou Diego do povo'), lustrar uma bola - já que o objeto, segundo o ídolo, nunca pode ser manchado - e escutar um tango em homenagem ao que chamam, usando uma pesquisa no site da Fifa, como melhor jogador de futebol de todos os tempos.

"No princípio achei tudo muito estranho, 400 pessoas se reunirem em meu nome, mas, confesso, fiquei arrepiado. É muito emocionante", frisou o capitão da conquista do Mundial de 1986 após participar pela primeira vez de uma reunião.


 

AFP

Postar um comentário